Notícias

Desemprego cai para 7,7% no 3º trimestre, população ocupada é recorde

Brasil ainda tem 8,3 milhões de desempregados, menor valor desde 2015. O avanço no número de ocupados e a queda na busca por trabalho explicam o recuo do desemprego

Carteira de trabalho. Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil
Os dados são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) Contínua divulgado pelo IBGE. Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil

Por Redação B3 Bora Investir

Em meio à melhora do emprego com carteira assinada, o recorde de brasileiros ocupados e a menor busca por trabalho, a taxa de desemprego caiu para 7,7% no 3º trimestre. Esse é o menor valor desde o trimestre encerrado em fevereiro de 2015.

Os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) Contínua foram divulgados nesta terça-feira, 31/10 pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). No 2º trimestre, a taxa de desemprego estava em 8%.

Apesar do resultado positivo, o desemprego ainda atinge 8,3 milhões de brasileiros, uma retração de 3,8% (menos 331 mil pessoas) em relação ao trimestre anterior e de 12,1% (menos 1,1 milhão de pessoas) no ano.

EVOLUÇÃO DA TAXA DE DESEMPREGO

Fonte: PNAD-IBGE

Entre julho e setembro, a população ocupada bateu 99,8 milhões de pessoas. Esse é o maior contingente desde o início da série histórica da pesquisa, em 2012. São 929 mil brasileiros a mais no mercado de trabalho, na comparação com o 2º trimestre.

“A queda na taxa de desocupação foi induzida pelo crescimento expressivo no número de pessoas trabalhando e pela retração de pessoas buscando trabalho no 3º trimestre de 2023”, explica a coordenadora da PNAD, Adriana Beringuy.

Para o head de pesquisa macroeconômica da Kínitro Capital, João Savignon, os dados de desemprego vieram em linha com o esperado pelo mercado.

“O resultado segue corroborando a visão de um mercado de trabalho aquecido, com importante crescimento da massa salarial, que segue renovando seus níveis recordes. Nossa projeção para o final do ano é de uma taxa de desemprego de 7,6%”.

Emprego formal cresce

O emprego com carteira assinada puxou a melhora no 3º trimestre. O número de ocupados em vagas formais cresceu 1,6% (587 mil pessoas) em relação trimestre anterior. Agora, são 37,4 milhões de trabalhadores.

“Mais da metade das pessoas inseridas no mercado de trabalho foram provenientes do crescimento da carteira assinada. Isso fez com que a expansão da ocupação formal fosse muito maior que a da informal”, destaca Adriana.

A informalidade ficou estável entre julho e setembro, no entanto, ainda há 39 milhões de trabalhadores sem carteira.

O setor de informação, comunicação e atividades financeiras teve o maior impacto no aumento da ocupação, com 420 mil pessoas a mais empregadas no 3º trimestre na comparação com o anterior. As outras nove atividades ficaram estáveis.

Segundo a coordenadora da pesquisa, boa parte do crescimento do trabalho com carteira assinada no trimestre veio por meio dessa atividade. “De modo geral, as atividades econômicas não tiveram redução de trabalhadores, não houve processo de dispensa”, conclui.

Rendimento cresce

A renda média dos trabalhadores ficou em R$ 2.982, avanço de 1,7% em relação ao 2º trimestre. Esse aumento foi puxado pelos brasileiros com carteira assinada, empregados no setor público e trabalhadores por conta própria.

Já a massa de rendimentos real habitualmente recebida pelos ocupados (em todos os trabalhos) bateu recorde de R$ 292,952 bilhões no 3º trimestre de 2023.

Segundo o head de pesquisa macroeconômica da Kínitro Capital, o mercado de trabalho forte segue dando suporte à perspectiva de uma desaceleração gradual da economia doméstica.

“Com a renda crescendo, há sustentação do consumo das famílias, especificamente no setor de serviços e nas atividades do comércio nos próximos meses. Isso mesmo com a saída do efeito positivo do agronegócio e a política monetária restritiva”, explica Savignon.

Quer entender o que é macroeconomia e como ela afeta seu bolso? Acesse o curso gratuito Introdução à Macroeconomia, no Hub de Educação da B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.