Notícias

Entenda o impacto da deflação chinesa nos mercados e na economia mundial

Preços ao produtor chinês tiveram deflação de 5,4% ao ano. Movimento ajuda no controle da inflação mundial, mas atividade mais fraca impacta no crescimento das economias

China. Foto: Adobe Stock
Essa é a leitura mais fraca desde dezembro de 2015, quando o IPP caiu 5,9% no ano. Foto: Adobe Stock

Por Redação B3 Bora Investir

A China voltou ao foco do mercado financeiro global, após a publicação de dados fracos de inflação na segunda maior economia do mundo. A crise no setor imobiliário do país, que representa um terço da produção, também alerta para o enfraquecimento da atividade econômica.

O índice de preços ao produtor (IPP) da China, que mede o custo de produtos na porta de fábrica, caiu 5,4% em junho na comparação com o mesmo mês de 2022. O resultado aprofunda o declínio de 4,6% registrado em maio.

Essa é a leitura mais fraca desde dezembro de 2015, quando o IPP caiu 5,9% no ano, segundo publicou o Departamento Nacional de Estatísticas do país (NBS) nesta segunda-feira, 10/07. O valor também ficou abaixo das expectativas do mercado, de queda na casa dos 5%.

Na comparação mensal, o IPP da China recuou 0,8% em junho. No mês anterior, a queda havia sido de 0,9%. 

Para o consumidor, o índice de preços permaneceu inalterado (0%) no mês passado em relação ao ano anterior. Essa foi a taxa mais fraca desde fevereiro de 2021, o que aumenta a especulação sobre um potencial estímulo econômico.

Impactos no mercado financeiro

A deflação nos preços ao produtor chinês preocupa toda a economia mundial. Isso porque preços mais baixos das commodities chinesas apontam para uma demanda econômica mais fraca no país. Se a população chinesa consome menos, há queda nas importações e investimentos.

O economista-chefe do banco Master, Paulo Gala, explica que essa deflação nos preços aos produtores chineses pode indicar uma crise futura.

“Antes, o mercado estava muito preocupado com a inflação alta. Agora começa a ficar preocupado com a deflação, porque pode indicar uma crise adiante ou uma desaceleração muito forte. O minério de ferro teve uma queda intensa depois de um dado pior do que se imaginava”.

Os contratos futuros de minério de ferro nas bolsas de Dalian e Cingapura caíram mais de 3% nesta segunda-feira, pior valor desde outubro do ano passado.

No Brasil, a baixa na cotação da commodity causa perdas nos papéis de mineração e siderurgia, setores com peso forte no Ibovespa.

Essa queda generalizada acontece porque a China é um dos maiores importadores de minério de ferro do mundo: o insumo é usado em seu robusto mercado imobiliário. No entanto o setor está em crise no país há mais de dois anos, o que está sufocando a recuperação da economia local.

Esses problemas são causados pela queda na venda de casas e no alto endividamento das incorporadoras, após a realização de fortes investimentos sem retorno. O governo chinês tem apoiado o setor, mas até agora os problemas não foram sanados.

Impacto na economia global

A deflação aos produtores chineses traz um impacto ambíguo na economia brasileira e mundial, que pode ser explicado em dois pontos.

1. Ajuda na desaceleração da inflação

“Por incrível que pareça, a deflação auxilia no controle da inflação e, portanto, dos preços nos Estados Unidos e no Brasil. Isso traz certamente uma pressão de juros mais para baixa. Ou seja, reforça a tese de corte da Selic e do término dos ciclos de alta nos Estados Unidos e na Europa”.

2. Queda na atividade econômica com forte impacto global

“O que preocupa em uma atividade mais fraca é a falta de capacidade de reação da economia chinesa. Os investidores gostariam de ver uma China um pouco mais robusta, com crescimento mais forte do que têm visto”.

Quer entender o que é macroeconomia e como ela afeta seu bolso? Acesse o curso gratuito Introdução à Macroeconomia, no Hub de Educação da B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.