Notícias

Entenda o que é a meta contínua de inflação, que passa a ser perseguida pelo BC em 2025

Atualmente a meta da inflação considera o período fechado de janeiro a dezembro. Com o sistema contínuo, alta de preços tem de estar na meta em um horizonte de tempo mais longo

Meta de Inflação. Foto: Adobe Stock
A meta de inflação para este ano é de 3,25% – com margem de tolerância de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo. Foto: Adobe Stock

Por Redação B3 Bora Investir

O Conselho Monetário Nacional (CMN) anunciou um ajuste no sistema de metas de inflação, adotado no Brasil desde 1999. Pelo novo modelo, o atingimento da meta terá um horizonte de cumprimento mais flexível, a chamada meta de inflação contínua.

A decisão foi divulgada pelo ministro da Fazenda, Fernando Haddad, que preside o CMN. O conselho também é composto também pela ministra do Planejamento, Simone Tebet e pelo presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto.

O que muda?

Atualmente a meta de inflação definida pelo Conselho Monetário Nacional precisa ser perseguida pelo Banco Central no período fechado de um ano. Ou seja, de janeiro a dezembro.

Exemplo: em 2023 a meta de inflação é de 3,25%. Ela será considerada cumprida se em dezembro deste ano ficar no intervalo de 1,75% (mínimo) e 4,75% (máximo). Portanto, a inflação acumulada entre janeiro e dezembro precisa ficar nesse intervalo.

+ BC eleva previsão para o PIB e reduz para inflação

No modelo de meta contínua, o BC vai continuar tendo metas a cumprir, mas em um horizonte maior de tempo. Segundo Haddad, o governo trabalha com o período de 24 meses, mas pode ser 12 ou 18 meses também. Assim, no acumulado desse período a inflação precisa estar na meta fixada.

“Você define uma trajetória de atingimento daquela meta e quando você tem um choque externo, crises – como já aconteceu várias vezes – você não fixa, não abre mão da meta. Efetivamente dá um horizonte de longo prazo para a autoridade monetária, independentemente das circunstâncias políticas”.

Quando começar?

A mudança no sistema de metas de inflação começa a valer em 2025, após a saída de Roberto Campos Neto da presidência do Banco Central. O mandato dele termina em dezembro de 2024.

O novo mandatário do BC será definido pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O nome mais cotado no mercado financeiro é o do ex-secretário-executivo do Ministério da Fazenda, Gabriel Galípolo. Em junho, ele foi indicado para a diretoria de Política Monetária do BC.

+ O que é meta de inflação: entenda a discussão sobre o assunto

E se a meta não for cumprida?

O governo ainda não publicou o decreto que vai detalhar as mudanças. Por isso ainda não há informações sobre os mecanismos de controle e de prestação de contas, caso o BC não cumpra a meta.

No atual sistema, que vai vigorar até 2024, o Banco Central precisa explicar publicamente os motivos da meta não ter sido cumprida.

Desde que o atual formato do regime de metas foi instituído, em 1999, a inflação ficou fora do intervalo de tolerância em sete anos: 2001, 2002, 2003, 2015, 2017, 2021 e 2022.

Por que mudou?

O ministro da Fazenda justificou que a meta contínua ajuda a controlar a inflação de modo mais adequado ao momento da economia.

O BC ajusta a inflação a partir da taxa básica de juros. Se a inflação sobe, o Banco Central puxa os juros para cima, de forma a conter a disparada dos preços.

O problema é que os juros altos inibem o crescimento da economia por conta do encarecimento do crédito. Com menos dinheiro para emprestar, os brasileiros gastam menos e a atividade econômica se retrai.

Segundo Fernando Haddad, o Brasil é um dos únicos países que adotam o ano-calendário para a meta de inflação.

Metas

O Conselho Monetário Nacional manteve as metas de inflação em 3,25% para 2023, e 3% para 2024 e 2025, com margem de tolerância de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo.

Quer entender o que é macroeconomia e como ela afeta seu bolso? Acesse o curso gratuito Introdução à Macroeconomia, no Hub de Educação da B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.