Notícias

IGP-M, inflação do aluguel, desacelera em janeiro; confiança do comércio e serviços cai

Pressão menor dos preços ao produtor fez o índice perder ritmo em janeiro. O pessimismo para a economia brasileira derrubou os índices de confiança medidos pela FGV

Pessoa assinando contrato de compra com um miniatura de casa sobre os papéis
O IGP-M é chamado de ‘inflação do aluguel’ porque serve de parâmetro para o reajuste do contrato de locação de imóveis. Foto: Adobe Stock

O Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M) começou o ano em alta com avanço de 0,21% em janeiro, após subir 0,45% em dezembro. É a segunda alta consecutiva, de acordo com o Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (FGV Ibre). O resultado ficou abaixo da expectativa do mercado de alta de 0,29%. Em 12 meses, o índice acumula alta de 3,79%.

O índice ao produtor segue registrando arrefecimento das pressões inflacionárias, como explica o Coordenador dos Índices de Preços, André Braz.

“O preço das matérias-primas brutas desacelerou de 2,09% para 1,55% e, entre os bens intermediários, cuja taxa passou de -0,30% para -1,06%, a queda foi intensificada diante do comportamento de combustíveis e lubrificantes para a produção, cujos preços recuaram ainda mais passando de -2,26% para -5,05%. Na contramão da inflação ao produtor segue a do consumidor, que passou de 0,44% para 0,61% em dezembro, por força do reajuste das mensalidades de escolas e cursos, cujos preços subiram em média 4,55%”, afirmou.

IGP-M (variação mensal)

Gráfico IGP-M (variação mensal) mostra queda
Fonte: FGV Ibre

O IGP-M é chamado de ‘inflação do aluguel’ porque serve de parâmetro para o reajuste do contrato de locação de imóveis. O índice é calculado a partir dos custos de matérias-primas, insumos da construção civil e preços no atacado entre os dias 21 do mês anterior e 20 do mês de referência.

Desempenhos do índice

Com peso de 60%, o Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA), subiu 0,10% em janeiro, de uma alta de 0,47% no mês anterior. As principais contribuições para esse resultado foram:

  • Combustíveis e lubrificantes: -2,26% para -5,05%;
  • Minério de ferro: 16,32% para 9,26%;
  • Cana-de-açúcar: 0,28% para -0,60%;
  • Bovinos: 1,55% para 0,65%;
  • Alimentos in natura: -0,29% para 2,64%;
  • Leite in natura: -4,75% para 0,22%;
  • Soja em grão: -1,52% para -0,92%;
  • Milho em grão: -0,69% para 0,40%.

Com peso de 30%, o Índice de Preços ao Consumidor (IPC), subiu 0,61% em janeiro, após alta de 0,44% em dezembro. Os principais destaques:

  • Cursos formais: 0% para 4,55%;
  • IPVA: 0% para 1,06%;
  • Artigos de higiene e cuidado pessoal: -0,25% para 0,32%;
  • Combo de telefonia, internet e TV por assinatura: 0,69% para 1,38%.

Pelo lado das quedas, as principais influências vieram das hortaliças e legumes (9,75% para 2,10%), tarifa de eletricidade residencial (1,27% para -0,94%) e roupas (1,01% para 0,24%).

O Índice Nacional de Custo da Construção (INCC), com peso de 10% – acelerou 0,32% no período, ante 0,27% em dezembro. As contribuições para o resultado vieram com materiais e equipamentos (0,37% para -0,26%), serviços (0,43% para 0,53%) e mão de obra (0,16% para 0,77%).

Queda nos índices de confiança

A confiança do comércio caiu 4,4 pontos em janeiro, para 82,8, o menor patamar desde março de 2021 (72,5 pontos). O índice foi divulgado nesta segunda-feira, 30/01, pelo FGV Ibre. Foram quatro meses de queda consecutiva, o que acumula perdas de 19 pontos.

O economista do FGV IBRE, Rodolpho Tobler, afirma que o resultado reflete a piora das avaliações sobre o atual momento do setor – padrão que já se observava no final de 2022 – o que sugere uma redução da demanda e consequente desaceleração do setor.

“As expectativas para esse novo ano não são animadoras, dado que o momento de juros e inflação ainda em patamar alto, e consumidores com poder de compra reprimido não permitem vislumbrar uma recuperação no curto prazo”.

No mês, 5 dos 6 principais segmentos do setor registraram queda. O Índice de Situação Atual recuou 8,8 pontos para 79,9 pontos, menor patamar desde fevereiro de 2022 (78,1 pontos). Já o Índice de Expectativas teve ligeira melhora pelo segundo mês consecutivo, com variação de 0,4 ponto, para 86,5 pontos.

Importante lembrar que apesar das quedas, o índice está acima de 50 pontos – ainda indicando confiança dos empresários. Valores abaixo de 50 indicam piora nas condições e expectativa mais pessimista. O índice varia de 0 a 100.

No setor de serviços, a confiança caiu 2,7 pontos no primeiro mês do ano, para 89,5 pontos – menor nível desde fevereiro de 2022 (89,2 pontos). É também o quarto mês consecutivo de queda.

“A confiança de serviços inicia 2023 mantendo tendência de desaceleração iniciada em outubro de 2022. A queda no mês foi influenciada principalmente pelo aumento do pessimismo em relação aos próximos meses, mas também por uma menor satisfação com a situação atual gerada pela perda de fôlego da demanda”, explica Rodolpho Tobler.

Para o economista do FGV Ibre, o cenário para os próximos meses não parece ser facilmente revertido diante das questões macroeconômicas – já citadas por ele acima – que indicam que essa desaceleração deve se manter por algum tempo.

“A cautela dos empresários é percebida em suas projeções para o curto prazo com queda na demanda prevista, contratações e na tendência dos negócios para os próximos seis meses”, conclui.

A Situação Atual cedeu para 93,6 pontos – menor nível desde março de 2022. Já o Índice de Expectativas atingiu 85,5 pontos – patamar inferior ao de março de 2021. Na semana passada, a indústria também registrou queda no índice de confiança calculado pela FGV, e ficou em 93,1 pontos.

Quer entender o que é macroeconomia e como ela afeta seu bolso? Acesse o curso gratuito Introdução à Macroeconomia, no Hub de Educação da B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.