Imposto de renda

Como conseguir o informe de rendimentos do Tesouro Direto para o Imposto de Renda?

Documento é essencial para obter as informações que devem ser declaradas no Imposto de Renda

Homem utilizando um notebook
As novas funcionalidades tornam possível a realização de investimentos em menos de cinco minutos.

Quem tem investimentos no Tesouro Direto é obrigado a declarar suas alocações e rendimentos no IRPF. Para isso, parte importante das informações está presente no informe de rendimentos. Você sabe onde encontrá-lo?

Onde conseguir o informe de rendimentos o IR

Ao contrário do que muitos pensam, o informe de rendimentos dos investimentos no Tesouro Direto não é fornecido pelo TD diretamente ao investidor.

Rafael Simão de Oliveira Cardoso, advogado tributarista na Maia & Anjos Sociedade de Advogados, explica que o informe de rendimentos do Tesouro Direto pode ser obtido diretamente com o Banco ou com a corretora de valores por meio do qual a aplicação foi feita.

“Tanto os bancos quanto as corretoras disponibilizam os informes de rendimento nas suas respectivas plataformas on-line ou aplicativos”, afirma.

Segundo ele, o acesso costuma ser bastante simples, principalmente na época de envio das declarações de imposto de renda. Todavia, em caso de qualquer problema ou empecilho para obtenção dessa informação, consulte o seu gerente ou assessor financeiro.

“No momento da obtenção do informe de rendimento com o seu banco ou corretora, as informações necessárias para preenchimento da declaração deverão constar de forma clara e simples”, alerta também.

Como declarar investimentos no TD

De acordo com a legislação, as operações envolvendo os títulos do Tesouro Direto devem ser anualmente informadas na Declaração de Imposto de Renda.

Na declaração do IRPF 2024 é obrigatória a declaração tanto do montante aplicado ao longo do ano-base de 2023, quanto em relação aos possíveis rendimentos decorrentes de eventuais resgates de títulos feitos no mesmo período. 

Para declarar o valor total de aplicações: 

  • Abra a ficha “Bens e Direitos” no programa gerador da declaração;
  • Selecione o Grupo 04  – Aplicações e investimentos;
  • Escolha o código 02 (Títulos Públicos e Privados sujeitos a tributação – Tesouro Direto, CDB, RDB e outros);
  • No item “Descrição”, informe o nome do título e instituição financeira onde está aplicado;
  • Preencha o valor detido em 31/12/2022 e 31/12/2023;
  • Se a conta for conjunta, inclua nome e número de inscrição no CPF do cotitular;
  • Informe o número do CNPJ da instituição financeira.

Já se os títulos geraram rendimentos no ano de 2023, seja porque foram resgatados antecipadamente, chegaram à data de vencimento ou distribuem juros semestrais, a declaração deve ser feita desta forma:

  • Entre na ficha “Rendimentos Sujeitos à Tributação Exclusiva/Definitiva”;
  • Insira o código 06 (Rendimentos de aplicações financeiras);
  • Preencha o valor conforme apontado no Informe de Rendimentos;

Se houve resgates de títulos ao longo de 2023, seu banco ou corretora já fez a retenção do Imposto de Renda devido sobre o eventual ganho. Dessa maneira, no informe de rendimento a instituição financeira discriminará o montante relativo ao rendimento bruto da operação, o valor do imposto retido e o valor líquido da operação. Esses valores devem ser fielmente transcritos para a declaração. 

“Não há, portanto, qualquer valor residual a pagar sob tais operações, havendo tão somente a necessidade de informação dos corretos montantes em sua declaração”, destaca Cardoso.

Dicas e cuidados com o IR e o informe de rendimentos 

Para o advogado, não há muito segredo em relação à tributação pelo IR sobre os rendimentos de investimentos no TD.

Isso acontece porque o imposto de renda só é efetivamente devido quando há o resgate do título. Em outras palavras, o imposto nunca é cobrado sobre o total das aplicações, mas apenas em relação aos juros e ganhos decorrentes do resgate dos títulos.

Além disso, para as pessoas físicas o imposto de renda é retido na fonte. Ou seja, o seu banco ou corretora será responsável pela retenção do tributo devido e consequente repasse dos valores para a Secretaria da Receita Federal.

“Dessa forma, quando há a solicitação de resgate, o banco ou corretora só transfere o valor devido para sua conta após o ‘desconto’ do imposto de renda retido. Assim, não há com o que se preocupar em relação ao devido recolhimento do IR”, destaca ele.

Atenção no preenchimento

A única obrigação fiscal daquele que investe no Tesouro Direto é realizar o envio das informações corretas no momento do preenchimento da sua declaração. A pessoa deve se atentar para os valores do Informe de Rendimentos que devem constar tanto na Ficha “Bens e Direitos” quanto na Ficha “Rendimentos Sujeitos à Tributação Exclusiva/Definitiva”. 

“Portanto, a dica é para tentar antecipar a obtenção do seu respectivo informe de rendimentos e dar início o quanto antes ao preenchimento da sua declaração”, diz. 

“Faça o preenchimento com calma e atenção, a fim de que se evite erros de preenchimento que podem implicar num possível envio da sua declaração para malha fina, já que a Receita Federal consegue fazer o cruzamento de dados daquilo que foi declarado pelo seu Banco e/ou Corretora com as informações que constam na sua declaração enviada”, completa.

Para saber ainda mais sobre educação financeira, não deixe de visitar o Hub de Educação da B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias