Notícias

Inflação na zona do Euro desacelera e fecha 2022 em 9,2%

A queda nos preços da energia puxou a inflação para baixo no último mês do ano passado. No Reino Unido, a taxa anual também perdeu ritmo na leitura final de 2022

Euro. Foto: Agência Brasil
Resultado consolida a expectativa para um aumento da taxa básica de juros pelo Banco Central Europeu (BCE) na reunião da próxima semana. Foto: Agência Brasil

Por Redação B3 Bora Investir

A inflação ao consumidor na Zona do Euro desacelerou no acumulado de 12 meses em dezembro do ano passado. O resultado era esperado pelo mercado e foi puxado pela queda contínua nos preços de energia – principal vilã da inflação em 2022 por conta da guerra na Ucrânia. Apesar da perda de ritmo, a inflação anual na região segue no maior patamar em quatro décadas.

O índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) na Zona do Euro avançou 9,2% no acumulado de 2022, abaixo de novembro (10,1%), na mesma base de comparação. O resultado foi divulgado nesta quarta-feira, 18/01, pela Eurostat, agência de estatísticas da União Europeia. Os números vieram em linha com o esperado pelo mercado. Em dezembro, o CPI do mês teve queda de 0,4%.

O núcleo de inflação – que exclui alimentos e energia – registrou alta de 5,2% na base anual. É uma leve aceleração na comparação com novembro (5%). A maior contribuição para a inflação na Zona do Euro veio do setor de alimentação, álcool e tabaco, seguido de energia, serviços e bens industriais não energéticos.

Já em dezembro, a inflação dos alimentos subiu para 16,9%, o ritmo mais rápido desde que os registros começaram em 1977.

“A zona do euro provavelmente ultrapassou o pico da inflação, já que quedas acentuadas na inflação de alimentos e energia devem arrastar para baixo o indicador. Mas os dados finais do CPI de dezembro mostraram que a inflação subjacente permaneceu forte. Esperamos que o núcleo do CPI caia mais lentamente e permaneça bem acima de 2% este ano”, afirmou a Capital Economics em nota.

Nos países que compõem o bloco europeu, as maiores taxas de inflação foram registradas na Hungria (+25%), Letônia (+20,7%) e Lituânia (+20,0%). Pelo outro lado, as mais baixas foram na Espanha (+5,5%), Luxemburgo (+6,2%) e França (+6,7%).

Juros na Zona do Euro

Para conter a alta dos preços, o Banco Central Europeu (BCE) elevou durante vários meses no ano passado a taxa básica de juros do bloco. Atualmente, a taxa de empréstimo, a taxa de refinanciamento e a taxa de depósito ficaram em 2,75%, 2,5% e 2%, respectivamente.

Na próxima reunião, no dia 2 de fevereiro, os mercados projetam um novo aumento de 0,5 ponto percentual nos juros.

Inflação no Reino Unido

No Reino Unido, a taxa anual de inflação desacelerou pelo segundo mês seguido. A perda de ritmo tem duas explicações: os juros a 3,5% – maior patamar em 14 anos – e os recentes sinais de que o avanço global dos preços começa a perder força.  

O índice de preços ao consumidor avançou 10,5% em 2022, resultado abaixo do registrado na base anual de novembro (10,7%), segundo o Escritório de Estatísticas Nacionais (NOS) divulgou hoje. O resultado ficou abaixo do esperado pelos analistas, que era de uma alta de 10,7%.

Quer entender o que é macroeconomia e como ela afeta seu bolso? Acesse o curso gratuito Introdução à Macroeconomia, no Hub de Educação da B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias