Mercado

Endividamento das famílias fica em 52,7% em março e tendência é aumentar

Homem e mulher vistos de cima lidam com contas a pagar e cálculos
De acordo com a última Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (PEIC), o percentual de famílias endividadas no Brasil avançou para 78,5%. Foto: Adobe Stock

O endividamento das famílias brasileiras com o sistema financeiro fechou março em 52,7%, mesmo porcentual de fevereiro. Se forem descontadas as dívidas imobiliárias, o endividamento ficou em 33,2% no terceiro mês do ano, ante 33,1% no mês anterior. Em janeiro, os porcentuais eram de 52,8% e 33,2%, respectivamente.

Segundo o Banco Central, o comprometimento de renda das famílias com o Sistema Financeiro Nacional (SFN) terminou março em 27,7%, ante 27,9% em fevereiro e 28,5% em janeiro. Descontados os empréstimos imobiliários, o comprometimento da renda ficou em 25 6% no terceiro mês do ano, ante 25,8% no mês anterior e 26,2% em janeiro.

Após o fim da greve dos servidores do BC, no início do mês, o órgão começou a atualizar as estatísticas de crédito com os dados de março e abril. Mas as informações continuam defasadas, uma vez que, neste momento, já deveriam estar disponíveis as estatísticas até junho. Segundo o chefe do Departamento de Estatísticas do BC, Fernando Rocha, a expectativa é de que os dados do quinto e do sexto mês sejam publicados em agosto.

Inadimplência tende a aumentar

Fernando Rocha, admitiu nesta quarta-feira, 27, que, com o ciclo de alta de juros, há uma tendência gradual de alta da inadimplência das famílias após um longo período de estabilidade em níveis historicamente baixos. A taxa de inadimplência nas operações de crédito livre com os bancos passou de 3,4% para 3,5% de março para abril. Em fevereiro, era de 3,3%. Para as pessoas físicas, a taxa de inadimplência passou de 4,9% para 5,0% de um mês para o outro. No caso das empresas, se manteve em 1,7% no período. Em fevereiro, as taxas eram de 4,7% e 1,5%, nessa ordem.

Rocha destacou ainda que o endividamento das famílias oscilou no 1º trimestre nos níveis recordes da série.

Tendência para o crédito

Fernando Rocha avaliou, porém, que a aceleração das concessões de crédito para famílias é saudável, pois se concentra principalmente em modalidades de empréstimos consignados e no cartão de crédito à vista. “São modalidades com risco menor de crédito”, destacou. Em abril ante março, houve alta de 1,1% no estoque de crédito para pessoas físicas. Em 12 meses até abril, a alta para famílias é de 21,9% – a maior desde junho de 2011.

“O aumento é expressivo, com taxa de crescimento em 12 meses que é a maior em uma década. Mas não se pode analisar de forma isolada da conjuntura em que isso acontece, pois vem acompanhado da queda do desemprego”, acrescentou.

Fonte: Estadão Conteúdo

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias