Mercado

Ibovespa cai 0,88%, mas fecha semana em alta; dólar sobe e fica próximo dos R$ 5

Na semana, o principal índice da bolsa subiu 0,23%

Olhando bolsa de valores
Olhando bolsa de valores

A bolsa de valores fechou em queda de 0,88%, a 127.027,10 pontos nesta sexta-feira (22/03), enquanto o dólar sobe com os investidores repercutindo dados fiscais brasileiros e a confiança do consumidor em dia de agenda esvaziada, tanto aqui quanto no exterior.

Na semana, o principal índice da bolsa subiu 0,23%. Por outro lado, no mês a queda é de 1,54%, enquanto no ano o Ibovespa desce 5,33%.

Dólar

O dólar fechou em alta de 0,39%, a R$ 4,9986. Na semana, a moeda norte-americana ficou estável, enquanto os resultados para o mês e para o ano são positivos: +0,5% e + 3%, respectivamente.

No cenário global, o dólar também avançou. O DXY subiu 0,44%, a 104,46 pontos.

Ações em alta

Veja as ações que tiveram as maiores altas na bolsa de valores.

  • Alliança Saúde (AALR3) +11,90%
  • Azevedo e Travassos (AZEV3) +8,33%
  • Embraer (EMBR3) +7,93%
  • Desktop (DESK3) +7,29%
  • Azevedo e Travassos (AZEV4) +7,03%

Ações em baixa

Confira também os papéis com as maiores quedas.

  • Qualicorp (QUAL3) -10,48%
  • Viveo / CM Hospitalar (VVEO3) -10,21%
  • Lojas Marisa (AMAR3) -7,29%
  • Marfrig (MRFG3) -6,60%
  • Espaçolaser (ESPA3) -5,66%

Os rankings incluem ações com volume acima de R$ 1 milhão, que compõem ou não o Ibovespa e outros índices. As cotações foram apuradas entre as 17h05 e 17h07 e podem ter atualizações.

Bolsas mundiais: Nova York

Os mercados acionários de Nova York tiveram um tom negativo em boa parte do dia, com notícias corporativas em foco e expectativa por declarações de dirigentes do Federal Reserve  (Fed, o banco central norte-americano). Além disso, o fôlego esteve fraco, após na quinta-feira os três índices terem atingido recordes históricos de fechamento. Ainda assim, o Nasdaq marcou ganho e estendeu recorde histórico de fechamento.

O índice Dow Jones  fechou em queda de 0,77%, em 39,475,90 pontos, o S&P 500 teve baixa de 0,14%, a 5.234,18 pontos, e o Nasdaq subiu 0,16%, a 16.428,82 pontos. Na comparação semanal, o Dow Jones avançou 1,97%, o S&P 500 teve ganho de 2,29% e o Nasdaq, de 2,85%.

No setor corporativo, a ação da Nike recuou 7,00%, após a companhia de materiais esportivos informar sobre vendas estáveis no trimestre fiscal até fevereiro e projetar redução nas vendas à frente. Com isso, o papel da empresa teve o preço alvo cortado por vários agentes, como Wells Fargo, RBC Capital e Jefferies.

Tesla, por sua vez, caiu 1,15%, no dia em que a Bloomberg reportou que a companhia reduziria a produção de carros elétricos em sua fábrica na China, diante da desaceleração no crescimento das vendas e da concorrência intensa no mercado chinês. Por outro lado, FedEx avançou 7,35%, após balanço  que agradou.

Europa

As bolsas europeias fecharam majoritariamente em alta neste pregão, com o clima beneficiado por dados econômicos mais animadores da região e após comentários de autoridades sobre política monetária.

Frankfurt marcou novo recorde em reação à melhora da confiança das empresas alemãs, enquanto o índice referencial de Madri ficou perto dos 11 mil pontos.

Já as ações vinculadas ao setor de bens de consumo de luxo voltaram a pesar sobre a Bolsa de Paris e também afetaram o mercado de Milão.

Assim, em Frankfurt, o DAX subiu 0,15%, com o índice referencial alemão cravando no patamar recorde de 18 mil pontos. No fechamento atualizado o índice registrou 18.205,94. Em Londres, o índice FTSE 100 encerrou com alta de 0,61%, aos 7.930,92 pontos. O CAC 40, de Paris, teve queda de 0,34%, terminando a sessão aos 8.151,92 pontos.

Em Milão, o FTSE MIB teve variação de +0,05%, encerrando o pregão em 34.343,61 pontos. O Ibex 35, de Madri, subiu 0,70%, aos 10.943,20 pontos. Em Lisboa, o PSI 20 ganhou 0,79%, aos 6.227,92 pontos.

Veja o desempenho semanal das bolsas da Europa:

  • DAX +1,50%
  • FTSE +2,63%
  • CAC 40 -0,15%
  • FTSEMIB +1,19%
  • IBEX35 +3,26%
  • PSI20 +1,58%

Dados fiscais positivos no Brasil não tiraram Ibovespa do vermelho

Nesta manhã foram divulgados dados fiscais: arrecadação de R$ 186 bilhões em fevereiro e recorde de arrecadação. “Com isso, aumenta a chance do déficit fiscal zerado neste ano. Contudo, é mais provável um déficit perto de 0,5% se o Brasil seguir crescendo acima de 2%”, diz Paulo Gala, economista-chefe do banco Master.

Os resultados de janeiro e fevereiro mostram que o governo está arrecadando mais, com destaque para a tributação dos fundos offshore, com resultado fiscal melhor do que era imaginado. “Graças à arrecadação, a situação das contas públicas também está melhor”, acrescenta o economista.

Na última década, se tornou frequente déficit primário acima dos R$ 100 bilhões. “Então, um déficit de R$ 50 bilhões ou menos seria muito bom, e o cenário está bem melhor do que o imaginado”, arremata.

Ainda assim, o impacto na bolsa de valores hoje foi apenas marginal, com Ibovespa fechando em queda.

Confiança do consumidor não impulsionou bolsa de valores

A confiança do consumidor subiu 1,6 ponto em março ante fevereiro, na série com ajuste sazonal, informou nesta sexta-feira (22) a Fundação Getulio Vargas (FGV). O Índice de Confiança do Consumidor (ICC) avançou a 91,3 pontos, após dois meses de quedas.

Ainda assim, os números não impulsionaram os resultados na bolsa de valores hoje, que terminou em queda, com o Icon, índice de varejo e consumo, descendo 1,92%.

“A alta da confiança dos consumidores foi motivada pela melhora de todos os quesitos que compõem o indicador, com exceção ao de intenção de compra de bens duráveis, que recuou fortemente no mês. Esse é o primeiro resultado positivo do ano, elevando o indicador de um nível pessimista para moderadamente pessimista, acima dos 90 pontos”, diz Anna Carolina Gouveia, economista do Instituto Brasileiro de Economia da FGV (Ibre/FGV), em nota oficial.

Ainda assim, em médias móveis trimestrais, o índice de confiança do consumidor diminuiu 0,6 ponto, sexto recuo consecutivo.

Nesse sentido, “apesar da melhora no mês, a dificuldade em alcançar níveis mais satisfatórios da confiança tem estado atrelado às limitações financeiras das famílias, como sugere a manutenção do indicador de situação financeira atual em níveis historicamente baixos”, complementa a economista.

Assim, em março, o Índice de Situação Atual (ISA) avançou 2,1 pontos, para 80,7 pontos. O Índice de Expectativas (IE) cresceu 1,2 ponto, para 99,1 pontos.

*Com informações do Estadão Conteúdo e Dow Jones Newswires

Quer saber como funciona a bolsa de valores? Acesse o curso online e gratuito do Hub de Educação da B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias