Mercado

Ibovespa fecha em alta de 0,65% e dólar sobe para R$ 5,65

Índice ficou em 124.718,07 pontos puxado pelas ações das empresas exportadoras, que aproveitam o dólar alto

Painel de ações na B3. Foto: Divulgação B3
Ibovespa fecha em alta de 0,22% nesta segunda-feira (8). Foto: Divulgação B3

O Ibovespa fechou em alta de 0,65%, aos 124.718,07 pontos nesta segunda-feira (1º). Já o dólar também terminou a sessão em alta de 1,15%, sendo cotado a R$ 5,65. O índice foi apoiado primordialmente por empresas exportadoras, que se aproveitam do patamar elevado do dólar.

A fraqueza do real também exerceu pressão negativa, na medida em que afetou a curva de juros e, consequentemente, as empresas sensíveis às taxas.

Ibovespa

Nas mínimas intradiárias, tocou os 123.735 pontos, e, nas máximas, os 125.220 pontos.

O volume financeiro negociado na sessão (até as 17h15) foi de R$ 15,54 bilhões no Ibovespa e R$ 20,41 bilhões na B3.

Dólar

O dólar à vista encerrou a quinta sessão seguida em valorização forte, superando o patamar de R$ 5,65. A pressão dos rendimentos dos Treasuries foi o motivo da valorização global da moeda americana, principalmente em mercados emergentes.

Mas a tônica entre operadores é que o mau humor dos investidores com a condução da política econômica só cresce, elevando a percepção de risco local. Diante de um cenário mais adverso no exterior e de pessimismo sobre Brasil, o real perde sua atratividade.

Terminadas as negociações, o dólar encerrou em alta de 1,15%, a R$ 5,6527, depois de ter tocado a mínima de R$ 5,5667 e encostado na máxima de R$ 5,6573.

Já o euro comercial encerrou com valorização de 1,43%, a R$ 6,0704. Perto das 17h05, o real também depreciava frente a divisas emergentes, caindo 0,65% ante o peso mexicano; 1,59% ante o peso colombiano; e 2,24% contra o peso chileno.

Bolsas de Nova York

As bolsas de Nova York fecharam em alta lideradas pelo setor de tecnologia após as ações de big techs americanas reverterem a queda observada no começo do pregão.

O índice Dow Jones , com menor concentração de techs, teve leve alta de 0,13%, a 39.169,52 pontos, enquanto o S&P 500 subiu 0,27%, a 5.475,09 pontos. Já o Nasdaq, índice que concentra as ações de tecnologia em Wall Street, avançou 0,83%, a 17.879,30 pontos.

Dentre os 11 setores do S&P 500, o de tecnologia liderou com folga ao subir 1,3%. A Tesla foi o principal destaque positivo do dia ao saltar 6% antes do relatório de vendas trimestrais da montadora de veículos elétricos. Com ganhos superiores a 2%, Apple, Broadcom, Microsoft e Amazon também puxaram o bom desempenho das bolsas ao fim do pregão.

Na agenda macroeconômica, o mercado reagiu timidamente à queda inesperada do índice de gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) do setor industrial dos Estados Unidos em junho. Segundo o Instituto para Gestão da Oferta (ISM, na sigla em inglês), o dado veio ainda com uma moderação nos preços do setor.

Amanhã, o pregão pode apresentar maior volatilidade  com as primeiras divulgações sobre o mercado de trabalho dos Estados Unidos previstas para esta semana e a participação do presidente do Federal Reserve  (Fed), Jerome Powell, em evento que começa no mesmo horário da abertura das bolsas nova-iorquinas.

Bolsas da Europa

A maioria dos principais índices acionários europeus encerrou em alta firme, puxados pela bolsa de Paris, reagindo aos resultados do primeiro turno das eleições legislativas da França, que aconteceram ontem.

O partido de Marine Le Pen saiu na frente. Entretanto, a vantagem foi menor que a esperada, reduzindo a chance da extrema direita conseguir maioria absoluta no Parlamento, o que impulsionou o humor do mercado.

Assim, o Cac 40, de Paris, subiu 1,09%, para 7.561,13 pontos. O índice Stoxx 600 subiu 0,44%, a 513,66 pontos. O Dax de Frankfurt avançou 0,30% a 18.290,66 pontos; e o FTSE, da bolsa de Londres, teve alta de 0,03%, para 8.166,76 pontos.

Na agenda econômica foi divulgado que o índice de gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) industrial da zona do euro caiu de 47,3 em maio para 45,8 em junho, número melhor que o consenso de economistas consultados pelo “The Wall Street Journal”, de 45,6. Já o PMI industrial da Alemanha caiu para 43,5, ante consenso de 43,4, enquanto o mesmo indicador do caiu para 50,9 em junho, abaixo do consenso de 51,4.

Por sua vez, o índice de preços ao consumidor (CPI) da Alemanha ficou 2,2% mais alto do que em junho do ano passado, abaixo dos 2,4% registrados em maio, resultado inferior ao consenso de 2,3%.

*Com informações do Valor Econômico

Para conhecer mais sobre finanças pessoais e investimentos, confira os conteúdos gratuitos na Plataforma de Cursos da B3.