Mercado

Inflação encerra 2022 acumulada em 5,79%; alimentação é a vilã

É a quarta vez consecutiva que a inflação fica acima da meta - que no ano passado era de 3,5%. Alimentação e bebidas tiveram o maior impacto e avançaram 11,64%

Feira de alimentos. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
Descubra como gastar menos e ainda ter uma alimentação melhor. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Por Redação B3 Bora Investir

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que é a inflação oficial do país, acelerou para 0,62% em dezembro, acima da alta de 0,41% no mês anterior. Os dados são do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e foram divulgados nesta terça-feira, 10/01.

Com o resultado, o Brasil encerra 2022 com inflação acumulada de 5,79% – acima da meta (3,5%) e do teto da meta (5%) definidas pelo Conselho Monetário Nacional (CMN). É o quarto ano consecutivo, segundo o IBGE, em que o país fechou os doze meses com alta de preços superior à meta. Importante notar também que embora tenha estourado o teto da meta, o valor ficou bem abaixo do registrado em 2021, que foi de 10,06%.

Gráfico IPCA 2022 Mês a mês

Diante do descumprimento da meta de inflação, o presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, terá que escrever uma carta aberta ao ministro da Fazenda, Fernando Haddad. Para que não precisasse se justificar, o IPCA em 12 meses deveria ter ficado, no máximo em 5%. Este é o segundo ano seguido que a autoridade monetária precisa se explicar por não ter entregado a inflação na meta.

Antes de Campos Neto, apenas Henrique Meirelles – em 2002 e 2003 – escreveu a carta para se justificar por duas vezes seguidas.

Gráfico IPCA Meta

De acordo com o IBGE, dos nove grupo de produtos e serviços pesquisados em 2022, sete tiveram alta no ano, sendo que seis deles ficaram acima do índice geral. Transportes e comunicação foram os únicos com deflação em 2022.

Veja abaixo as variações de cada grupo em 2022:

  • Vestuário: 18,02%
  • Alimentação e bebidas: 11,64%
  • Saúde e cuidados pessoais: 11,43%
  • Artigos de residência: 7,89%
  • Despesas pessoais: 7,77%
  • Educação: 7,48%
  • Habitação: 0,07%
  • Transportes: -1,29%
  • Comunicação: -1,02%

Alimentos e bebidas pesam mais

O maior impacto na inflação de 2022 veio do grupo Alimentação e bebidas que avançou 11,64%. A alimentação no domicílio foi a que mais pesou no bolso dos brasileiros no ano passado, subiu 13,23% – bem acima da alimentação fora de casa que subiu 7,47%.

A principal alta de preços na alimentação nos lares do país foi da cebola, que avançou 130,14% no ano – o maior valor entre os 377 produtos e serviços pesquisados para composição do IPCA. A segunda maior partiu do leite longa vida, com alta de 26,18%. Outros alimentos com aumento relevante de preços foram a batata-inglesa (51,92%), as frutas (24%) e o pão francês (18,03%).

“No caso da cebola, a alta está relacionada à redução da área plantada, ao aumento do custo de produção e a questões climáticas. Já os preços do leite subiram de forma mais intensa entre março e julho de 2022, quando a alta acumulada no ano chegou a 77,84%. A partir de agosto, com a proximidade do fim do período de entressafra, os preços iniciaram uma sequência de quedas até o final do ano, sendo a mais expressiva delas em setembro (-13,71%)”, explica o analista do IPCA, André Almeida.

Na alimentação fora do domicílio, o lanche acumulou alta de 10,67%, quase o dobro da refeição, que subiu 5,86% no ano.

Saúde e cuidados pessoais

Saúde e cuidados pessoais teve o segundo maior impacto nos preços no ano passado. O grupo avançou 11,43% e teve a principal contribuição dos itens de higiene pessoal que subiram 16,69%, em especial os perfumes (+22,61%) e os produtos para cabelo (+14,97%).

O reajuste dos planos de saúde também impactou na inflação do grupo em 2022. Os preços subiram, em média, 6,90%. Importante destacar a alta de 13,52% dos produtos farmacêuticos.

+ Inflação: o que é, como afeta seu bolso e como se proteger

Preço de roupas avança forte

A maior variação de preços em 2022 veio do grupo Vestuário que avançou forte 18,02% – com altas acima de 1% em 10 dos 12 meses do ano. Os vilões foram as roupas femininas e masculinas que subiram 21,35% e 20,77%, respectivamente.

Para o analista do IBGE, o preço do algodão – uma das principais matérias-primas do setor e que teve alta acentuada entre abril de 2020 e maio de 2022 – explica esse avanço nos preços.

“Os custos de produção subiram e houve uma retomada da demanda após a flexibilização das medidas de isolamento social decorrentes da pandemia de Covid-19”, afirma André Almeida.

Outros itens que pressionaram a inflação do vestuário foram roupas infantis (+14,41%) e calçados e acessórios (+16,83%). Na outra ponta, as joias e bijuterias (3,67%) tiveram a menor variação entre os itens pesquisados.

Transportes tem impacto negativo

O grupo Transportes teve a maior queda – menos 1,29% – e o impacto negativo mais intenso entre os nove grupos pesquisados pelo IBGE. Essa redução foi puxada artificialmente pelo governo federal que limitou a cobrança do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) de itens como diesel, gasolina, energia elétrica, comunicações e transporte coletivo.

O preço da gasolina despencou 25,78% e foi responsável pelo impacto negativo mais intenso entre os 377 subitens que compõem o IPCA.

“Os preços da gasolina caíram de forma mais expressiva entre os meses de julho e setembro, em decorrência de uma série de reduções no preço do combustível nas refinarias e da aplicação da Lei Complementar 194, que limitou a cobrança de ICMS sobre os combustíveis pelos estados”, complementou o IBGE em nota.

Apesar do resultado negativo, os transportes tiveram altas muito expressivas que impactaram o bolso dos brasileiros em 2022. O maior deles foi o avanço de 22,59% nos emplacamentos e licenças. A alta do IPVA em 2022 se deve sobretudo ao aumento no preço dos automóveis em 2021, já que a cobrança é baseada no valor venal dos veículos no final do ano anterior.

Os preços dos automóveis novos (+8,19%) e usados (+2,30%) continuaram subindo em 2022, embora em ritmo menor que o registrado em 2021 (+16,16% e +15,05%, respectivamente). O avanço forte, de 23,53% nos preços das passagens aéreas também foi outra contribuição positiva relevante para o grupo.

Precisa de ajuda para planejar melhor sua vida financeira? Esse curso gratuito do Hub de Educação da B3 sobre Como Organizar suas Finanças pode te ajudar

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.