Mercado

Mercado financeiro hoje: PIB do Brasil e pacote de desoneração no foco

Em Roma, o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, concede coletiva junto com o ministro da Economia da Espanha, Carlos Cuerpo

Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil
Focus projeta aumento no PIB deste ano. Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil

Esta terça-feira, 4/6, é de agenda robusta no Brasil, com a divulgação do Produto Interno Bruto (PIB) do primeiro trimestre e das medidas de compensação pela desoneração da folha de pagamentos. O Senado pode votar o Projeto de Lei (PL) 914/2024, que institui o Programa Mobilidade Verde e Inovação (Mover) e inclui a taxação de produtos importados até US$ 50. O secretário extraordinário da Reforma Tributária, Bernard Appy, participa de coletiva sobre o segundo Projeto de Lei Complementar que regulamenta a reforma tributária do consumo.

Em Roma, o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, concede coletiva junto com o ministro da Economia da Espanha, Carlos Cuerpo. Nos Estados Unidos, as atenções ficam na pesquisa JOLTS sobre a abertura de postos de trabalho e nas encomendas à indústria.

EUA, Europa e Ásia

As bolsas europeias mostram cautela nesta manhã antes da decisão sobre juros do Banco Central Europeu (BCE), na quinta-feira. O dólar, por sua vez, sobe ante maioria das moedas, enquanto os rendimentos dos Treasuries operam em baixa pela quarta sessão consecutiva após uma série de dados recentes apoiarem expectativas de que o Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA) poderá começar a reduzir seus juros básicos em setembro.

As bolsas asiáticas fecharam sem direção única nesta terça-feira, com as chinesas e a de Hong Kong sustentadas por ações do setor imobiliário. Na China continental, o índice Xangai Composto subiu 0,41%. Em Hong Kong, o Hang Seng teve modesta alta de 0,22%.

PIB, Sabesp e arrecadação

No Brasil, os investidores podem reagir, além do mercado externo, ao resultado do PIB brasileiro e ao anúncio das medidas para compensar a desoneração da folha de pagamentos. Uma das medidas pode ser elevar o preço mínimo do cigarro para compensar parte da desoneração da folha de pagamento de 17 setores da economia e dos municípios mantida em 2024. Fontes estimam que a iniciativa pode gerar de R$ 3 bilhões a R$ 4 bilhões aos cofres, mas os números ainda podem passar por revisão. Outra alternativa pode ser o aumento do Cofins-Importação. A Receita Federal calcula que serão necessários R$ 25,8 bilhões para restituir a perda arrecadatória com a prorrogação da desoneração.

Ontem à noite, o governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas, anunciou os ‘próximos passos’, como classificou, da privatização da Sabesp. Após reunião do Programa de Parcerias e Investimentos do Estado (PPI-SP), o dirigente afirmou que foram definidos critérios para escolha do vencedor do leilão, as regras de compliance, requisitos para definição de conselheiros e as cláusulas de não concorrência para o investidor de referência da companhia.