Mercado

Mercados financeiros hoje: Copom, Fed, BCE e BOE decidem sobre juros

No Brasil, Congresso acelera votações antes de recesso

Bolsa. Foto: Pixabay
. Foto: Pixabay

Por Redação B3 Bora Investir

A semana promete muitas emoções, com decisões sobre juros do Copom, Federal Reserve (Fed), Banco Central Europeu (BCE) e Banco da Inglaterra (BoE), além de bancos centrais de países emergentes. Os próximos dias são também decisivos para o Congresso, que tem de aprovar matérias importantes antes do recesso parlamentar para que o governo tenha mais chances de cumprir a meta de déficit fiscal zero em 2024. Uma das medidas é a MP da subvenção do ICMS, mas há também a votação da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2024, o PL das bets, análise dos vetos de Lula e a reforma tributária. A agenda traz ainda o IPCA e, lá fora, o índice de preços ao consumidor (CPI) dos EUA, produção industrial do Reino Unido, da zona do euro, China e Estados Unidos, e vendas no varejo dos EUA e da China.

Exterior aguarda decisões sobre juros

As bolsas internacionais e as moedas mostram pouco fôlego nesta manhã, em dia de agenda esvaziada, à espera das decisões dos bancos centrais dos EUA e Europa. A expectativa para o Fed é de manutenção dos juros na faixa de 5,25% a 5,50%. Os futuros de Nova York têm sinal negativo, nas bolsas europeias só Paris sobe e o dólar recua ante moedas principais e tem sinais mistos ante divisas emergentes e ligadas a commodities. O petróleo recua.

A deflação da China de 0,5% em novembro, na comparação anual, superior que a expectativa de -0,2%, é vista com preocupação. A Capital Economics comentava que a baixa na inflação de serviços do país era fonte de preocupação. A consultoria acredita que o índice de preços da China deva seguir fraco no curto prazo, mas não crê no risco de espiral deflacionária. Já o índice de preços ao produtor (PPI) chinês caiu 3,0% no comparativo anual e 0,3% em uma base mensal. O consenso do WSJ previa uma redução anual de 2,9%.

No Brasil, Congresso fica no foco de investidores

Apesar da falta de tração das bolsas internacionais e queda do petróleo, o dia pode ser positivo por aqui, uma vez que o EWZ, principal fundo de índice (ETF, na sigla em inglês) do Brasil negociado em NY, subia 1,54% às 7h30 no pré-mercado em Nova York. Os Adrs da Petrobrás e Vale também estavam no azul. Além da decisão do Copom, que deve resultar em corte de 50 pontos-base da Selic, o mercado estará com os holofotes sobre o Congresso.

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, afirmou que está semana fundamental para o governo em 2024 e criarão ambiente mais favorável para queda dos juros. O líder do governo no Congresso, Randolfe Rodrigues (Rede-AP) disse que o relatório da MP que trata da subvenção do ICMS deve ser apresentado amanhã na comissão mista e votado na quarta-feira.

O Congresso agendou sessão para a quinta-feira (14), a partir das 10h, com 39 vetos e 20 projetos na pauta de votações. Os destaques ficam para os projetos da LDO para 2024 e do Plano Plurianual (PPA) 2024-2027. Na Câmara, deputado Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), disse que o presidente Arthur Lira já sinalizou para a votação da reforma tributária nesta semana. Alguns pontos que podem gerar debate em Plenário, segundo ele, são a prorrogação de incentivos fiscais para o setor automotivo no Nordeste, Norte e Centro-Oeste até 2032. A Câmara havia rejeitado, e o Senado aprovou. A reforma tributária vai eliminar três impostos federais – IPI, PIS e Cofins – e criar a Contribuição sobre Bens e Serviços e o Imposto Seletivo.

*Agência Estado

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias