Mercado

Mercados financeiros hoje: corte de juro na China não anima e bolsas mostram cautela

Balanços e negociações no Congresso devem direcionar negócios em dia de agenda vazia de indicadores

Olhando bolsa de valores
Olhando bolsa de valores

A terça-feira traz uma agenda vazia de indicadores e as atenções devem se voltar para notícias corporativas e para o quadro político e fiscal interno. O presidente Luiz Inácio Lula da Silva tem reunião com ministros e os representantes do governo no Legislativo, para definição da pauta prioritária do Executivo no Congresso. À tarde, o presidente Lula também terá um encontro apenas com o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, para discutir a desoneração da folha de pagamentos. O governo tenta reonerar gradualmente a folha, mas a medida enfrenta dificuldades no Congresso.

O presidente da Petrobras, Jean Paul Prates, e os diretores Joelson Mendes (Exploração & Produção) e Carlos Travassos (Engenharia, Tecnologia e Inovação) promovem entrevista coletiva sobre a fase piloto e de implantação da tecnologia utilizada para o aumento da eficiência e descarbonização da produção, com aplicação piloto no campo de Mero, localizado no pré-sal. Os leilões do Tesouro de venda de NTN-B e LFT ficam no radar também em meio a expectativas por balanços trimestrais de Telefônica Brasil (dona da Vivo), da Gerdau e do Iguatemi, entre outras empresas, após o fechamento dos negócios.

Exterior mostra pouca reação ao corte de juros na China

As bolsas chinesas fecharam com altas modestas após o Banco do Povo (PBoC) da China reduzir taxas de juros para empréstimos (LPR, na sigla em inglês) de 5 anos em 25 pontos-base, de 4,2% para 3,95%. O corte, recorde e maior do que o esperado, tem o claro objetivo de impulsionar o combalido mercado imobiliário chinês, segundo analistas da Capital Economics. Por outro lado, a LPR de 1 ano ficou inalterada em 3,45% pelo sexto mês seguido. O anúncio do PBoC é recebido com certa frieza pelos investidores.

Os índices futuros em Nova York e as bolsas europeias recuam majoritariamente nesta manhã em meio a expectativas ainda pelas atas das últimas reuniões monetárias do Federal Reserve (Fed, o banco central americano), amanhã, e do Banco Central Europeu (BCE), na quinta-feira. Os juros dos Treasuries estavam mistos e o dólar exibia queda modesta em relação a seus pares principais, mesmo com o petróleo caindo.

Com uma agenda vazia de dados hoje, o investidor repercute balanços corporativos e já esta monitorando audiência de dirigentes do Banco da Inglaterra (BoE) no Parlamento britânico. No começo deste mês, o BoE deixou seu juro básico inalterado, mas a decisão foi dividida. Após os resultados trimestrais, a ação do banco britânico Barclays saltou 4,40% mais cedo em Londres, após reportar lucro menor do que o esperado, mas planos de devolver 10 bilhões de libras em capital aos acionistas entre 2024 e 2026 e de reestruturar seus negócios. De outro lado, a ação da anglo-australiana BHP caía 2,40% e a da chilena Antofagasta recuava 0,40%, refletindo a insatisfação com os balanços.

No Brasil, mercado repercute balanços

O EWZ, principal fundo de índice do Brasil em Nova York, subia 0,72% perto das 7h30 em meio à queda modesta dos juros dos Treasuries. Porém, há um movimento aparente de busca de proteção lá fora e as commodities perdem, sugerindo pressão ao Ibovespa na sessão. O petróleo caía perto de 1%, enquanto o minério de ferro perdeu 5,41% no mercado futuro da Dalian, na China.

O investidor deve ficar ainda na expectativa por balanços e repercutir alguns resultados publicados ontem, como o de Carrefour Brasil. Fica no radar também a paralisação de 48 horas dos funcionários do Banco Central, hoje e amanhã, que provocou novo adiamento da publicação do boletim Focus para quinta-feira, em vez de hoje. Insatisfeitos com as negociações com o Ministério do Planejamento sobre suas reivindicações, os servidores decidiram intensificar o movimento e começaram também um movimento de entrega de cargos comissionados.

Já em relação ao fiscal, entre os assuntos que serão levados ao presidente Lula hoje, o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, disse que, estará a medida provisória que prevê a reoneração da folha de pagamentos. Na avaliação de Haddad, o ambiente hoje está “muito mais favorável” para o Executivo “sentar e discutir” com o Congresso sobre o assunto ao longo do próximo mês, reforçando a expectativa de que, em breve, as negociações sobre a desoneração sejam finalizadas. “E óbvio que os nossos projetos, não apenas a MP, mas sobretudo o conjunto de leis que já estão tramitando, que melhoram ambiente de negócios, em seguros, mercado de capitais, crédito, tudo isso vai ser levado”, disse o ministro, lembrando que alguns projetos foram enviados com urgência constitucional ao Congresso, mas tiveram essa etiqueta retirada a pedido das Casas. “Então queremos que as duas Casas reconsiderem e aprovem”, acrescentou.

*Agência Estado

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias