Mercado

Mercados financeiros hoje: dados de emprego nos EUA direcionam apostas para corte de juros

Na quarta-feira, o presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, minimizou a chance de uma redução de juros nos EUA em março

Celular com gráfico de ações: recompras aumentaram 22%, atingindo US$ 1,31 trilhão em 2022. Foto: Wance Paleri/ Unsplash
Celular com gráfico de ações: bom momento da bolsa deve continuar. Foto: Wance Paleri/ Unsplash

Por Redação B3 Bora Investir

O relatório de emprego dos Estados Unidos de janeiro, o payroll, é o principal indicador da agenda econômica nesta sexta-feira. São esperados também a pesquisa da Universidade de Michigan sobre o sentimento e as expectativas de inflação dos consumidores americanos e, no Brasil, o resultado da produção industrial em dezembro. O presidente Lula, o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, e o governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas, participam do anúncio de investimentos na obra do Túnel Submerso Santos-Guarujá e da comemoração pelos 132 anos do Porto de Santos. Lula também irá à fábrica da Volkswagen em São Bernardo do Campo, onde será lançado o novo ciclo de investimentos da montadora no Brasil.

Exterior repercute balanços e aguarda payroll

Os juros dos Treasuries sobem, em recuperação das perdas na véspera após o balanço do New York Community Bancorp reacender cautela sobre bancos regionais nos EUA e diante da espera pelo relatório do payroll. A expectativa é de criação de 185 mil vagas em janeiro, ante 216 mil em dezembro, e o resultado ajustará as apostas sobre o momento de início de corte de juros no país. Na quarta-feira, o presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, minimizou a chance de uma redução em março.

Os índices futuros em NY ampliam ganhos da véspera, mas o Dow Jones hesita e ronda a estabilidade e o Nasdaq é o destaque, depois de balanço trimestral da Amazon superar previsão de lucro e de a Meta anunciar pagamento de dividendos pela primeira vez na história. Às 6h29, a Meta saltava 16,3% no pré-mercado e a Amazon subia 6,3%, enquanto a Apple mostrava queda de 2,5%, afetada por queda nas vendas na China, embora com lucro acima da previsão dos analistas.

O petróleo sobe, se recuperando parcialmente das perdas de mais de 2% ontem, quando circularam rumores não confirmados de um acordo de cessar-fogo entre Israel e o Hamas. Na China, as bolsas recuaram. Segundo a analista do Maybank Sonija Li, investidores na China provavelmente estão reduzindo posições antes do feriado do ano novo lunar, que terá início em 9 de fevereiro e se estenderá por uma semana, visto que recentes medidas de estímulos anunciadas por Pequim não foram suficientes para melhorar o sentimento nos mercados.

No Brasil, mercado deve acompanhar bolsas internacionais

O Ibovespa pode se beneficiar do apetite por risco nas bolsas internacionais antes do payroll dos EUA, mas a queda de 2,23% do minério de ferro na China é contraponto e pode pesar também nas ações da Vale em meio à chance de o seu conselho de administração adiar uma decisão sobre a sucessão na mineradora. Também uma leve alta do petróleo pode apoiar os papeis da Petrobrás. Mas a alta da curva de Treasuries tende a afetar os ajustes dos juros futuros e do dólar, embora a queda da moeda americana ante algumas emergentes pares do real, como peso mexicano, possa aliviar a precificação no mercado de câmbio.

Os dados de produção industrial devem ser monitorados em meio a expectativas de desaceleração do crescimento para 0,2% em dezembro, após 0,5% em novembro, porém, com queda de 0,5% na comparação anual, após ter subido 1,3% em novembro na mesma métrica.

Os investidores devem ainda acompanhar a participação do presidente Lula e do ministro da Fazenda, Fernando Haddad, em evento em Santos (SP). Nesta semana, Lula e o governador paulista, Tarcísio de Freitas, firmaram os termos de um acordo para cooperação conjunta da obra do Túnel Submerso Santos-Guarujá. O projeto, que é o maior na carteira do Novo Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), está orçado em R$ 6 bilhões. Cada um dos entes entra com R$ 3 bilhões.

*Agência Estado

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias