Mercado

Mercados financeiros hoje: dados dos EUA e dirigentes de Bancos Centrais ficam no radar

Dólar perde força para a maioria das moedas

Olhando bolsa de valores no pc
Olhando bolsa de valores no pc

As atenções desta quinta-feira se voltam para a agenda dos Estados Unidos, com os números de janeiro da produção industrial e das vendas no varejo, além de discursos de dirigentes do Federal Reserve (Fed, o banco central americano): o diretor Christopher J. Waller e do presidente do Fed de Atlanta, Raphael Bostic. Na Europa, as falas esperadas são do economista-chefe do Banco Central Europeu (BCE), Philip Lane, e da dirigente do Banco da Inglaterra (BoE) Catherine Mann (10h50). No Brasil, investidores acompanham o Relatório Focus e o leilão de LTN e NTN-F do Tesouro.

Exterior repercute recessão no Japão e Inglaterra

O fôlego é curto nos futuros de Nova York antes de indicadores americanos e também na Bolsa de Londres, após a economia do Reino Unido ter entrado em recessão no fim do ano passado. O Produto Interno Bruto (PIB) do país encolheu 0,3% no quarto trimestre de 2023, na margem, frustrando a expectativa de analistas de estabilidade. Esta é a segunda queda consecutiva do PIB. Por outro lado, a produção industrial do Reino Unido cresceu 0,6% em dezembro ante novembro de 2023, superando a expectativa de analistas de alta de 0,1%.

A presidente do BCE, Christine Lagarde, disse nesta quinta-feira que o atual processo de desinflação na zona do euro deverá ter continuidade, mas reiterou que a instituição precisa ter certeza de que conseguirá atingir sua meta de inflação de 2% de forma sustentável.

O Japão também entrou em recessão técnica no fim do ano passado, o que reduz as chances de o banco central do país, conhecido como BoJ, apertar sua política monetária. O PIB japonês encolheu a um ritmo anualizado de 0,4% entre outubro e dezembro, após contração de 2,9% entre julho e setembro. Como resultado, o Japão perdeu a posição de terceira maior economia do mundo para a Alemanha.

Nos EUA, o vice-presidente de supervisão do Fed, Michael Barr, afirmou ontem que ainda é muito cedo para concluir se os Estados Unidos alcançarão o pouso suave, fenômeno que descreve o controle da inflação sem um dano drástico à atividade econômica. Para ele, os dados mostram que a retomada da inflação à meta de 2% será um processo acidentado e serão necessários mais indicadores favoráveis antes de começar a cortar os juros.

No Brasil, dólar pode recuar acompanhando exterior

O recuo dos rendimentos dos Treasuries e o dólar mais fraco ante maioria das moedas podem beneficiar o real e dar alívio à curva de juros, enquanto na agenda local as atenções ficam nas expectativas para inflação no Boletim Focus e na demanda no leilão de LTN e NTN-F do Tesouro.

O sinal positivo em Nova York pode ajudar o Ibovespa, uma vez que o EWZ, maior fundo de índice de papéis do Brasil negociado em Nova York, subia 0,80% no pré-mercado perto das 7h30. O mercado também pode repercutir a notícia de que o governo pretende liberar em março o uso do “FGTS Futuro” na aquisição de imóveis do Minha Casa, Minha Vida.

*Agência Estado

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias