Mercado

Mercados financeiros hoje: exterior positivo pode ajudar ativos locais

Investidores também repercutem IBC-Br, que registrou alta de 0,01% em novembro na comparação com outubro

Olhando bolsa de valores
Olhando bolsa de valores

Por Redação B3 Bora Investir

O IBC-Br de novembro é destaque na agenda do dia, além da leitura preliminar de janeiro das expectativas de inflação dos Estados Unidos e do índice de sentimento do consumidor no país. O Banco Central abre as reuniões trimestrais com economistas para elaboração do Relatório de Inflação. Nos EUA, o vice-presidente de supervisão do Fed, Michael Barr, e a presidente do Fed de San Francisco, Mary Daly, participam de eventos à tarde.

Exterior mostra apetite a risco

Um apetite moderado por risco volta a apoiar ganhos às bolsas europeias e futuros de Nova York em meio à alta de commodities, queda do dólar ante moedas rivais e com ações de tecnologia ainda beneficiadas por resultados e projeções da Taiwan Semiconductor Manufacturing Co (TSMC), a maior empresa do mundo no ramo. Mas os juros dos Treasuries longos hesitam e rondavam a estabilidade, após subirem mais cedo, ecoando indicadores americanos melhores que o esperado ontem e a fala do presidente do Fed de Atlanta, Raphael Bostic, que reiterou a visão de que os juros só devem ser cortados no terceiro trimestre.

A previsão contraria a aposta ainda majoritária do mercado que projeta a primeira redução da taxa básica em março, conforme aponta a plataforma do CME Group que monitora a curva futura, embora essa hipótese venha perdendo força nos últimos dias.

Os mercados europeus repercutem as quedas das vendas no varejo do Reino Unido e da inflação ao produtor (PPI) da Alemanha maiores do que se esperava em dezembro, enquanto olham a presidente do Banco Central Europeu, Christine Lagarde, em Davos, após indicar essa semana um provável início de corte de juros em junho, e aguardam indicadores dos EUA e os discursos de autoridades do Fed.

Na Ásia, as bolsas fecharam sem direção única, com ganhos em Taiwan após o salto de 6,46% da TSMC, mas perdas nos mercados da China, onde a mídia relata que uma grande corretora suspendeu vendas de ações a descoberto para alguns clientes, segundo a chefe de pesquisa de varejo do Maybank, Sonija Li. A bolsa de Xangai recuou 0,47% hoje e 1,7% na semana.

No Brasil, IBC-Br mostra estabilidade em novembro ante outubro

O ambiente positivo nas bolsas internacionais pode dar impulso ao Ibovespa, após queda ontem, além da valorização do petróleo e de 2,63% do minério de ferro para maio no mercado futuro da Dalian, na China, que podem apoiar também as blue chips Petrobras e Vale. A volatilidade dos rendimentos os Treasuries longos nesta manhã deve afetar os ajustes da curva de juros futuros, mas o recuo do dólar em relação a moedas rivais e várias emergentes ligadas a commodities pode servir de contraponto e também beneficiar o real, induzindo uma realização de lucros após quarto dias de altas seguidas da moeda americana, que já acumula ganhos de 1,52% na semana.

Os economistas vão avaliar ainda o IBC-BR, divulgado há pouco. O indicador mostrou alta de 0,01% em novembro na comparação com outubro, em linha com a mediana do mercado, que previa estabilidade após recuo de 0,06% em outubro.

Também as negociações políticas em torno da MP da reoneração da folha de pagamentos seguem sendo rastreadas. Ontem à noite, o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, deixou a residência oficial do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL) sem falar com a imprensa, após se reunir com o deputado para tratar da MP. Antes do encontro, a jornalistas, Haddad afirmou que iria reportar a Lira as conversas que teve com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), sobre a MP nesta semana.

O presidente Lula, por sua vez, criticou o projeto que prorroga a desoneração até 2027 aprovado pelo Congresso em dezembro e vetado por ele e cobrou contrapartida dos empresários. De acordo com o presidente, os empresários que defendem o benefício fiscal deveriam garantir estabilidade aos funcionários durante todo o período.

Em Davos, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, disse hoje que o objetivo é fazer regulamentação da reforma tributária em 2024 e que os senadores querem fazer discussão muito ampla sobre gasto público neste ano.

*Agência Estado

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.