Mercado

Mercados financeiros hoje: IPCA-15 e exterior guiam negócios antes de discursos de dirigentes do Fed e BC

O foco local fica ainda em indicadores e no adiamento da votação do projeto de lei de taxação dos fundos exclusivos e fundos offshore

Painel bolsa. Foto: Divulgação B3
Bolsa de valores: fôlego curto no exterior e agenda esvaziada no país devem limitar desempenho do Ibovespa. Foto: Divulgação B3

Por Redação B3 Bora Investir

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo – 15 (IPCA-15) de novembro e o resultado primário do Governo Central em outubro são os destaques da agenda local. Os diretores do Banco Central, Fernanda Guardado (Assuntos Internacionais) e Diogo Abry Guillen,(Política Econômica) participam de eventos.

A Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) realiza a sabatina dos dois indicados para diretorias do Banco Central Rodrigo Alves Teixeira (Relacionamento, Cidadania e Supervisão de Conduta) e Paulo Picchetti (Assuntos Internacionais). Após a sabatina e votação na CAE, os indicados precisam ser aprovados pelo plenário do Senado.

Também são esperados o índice de confiança do consumidor dos EUA em novembro e discursos de vários dirigentes do Federal Reserve (Fed, o banco central americano), entre eles os diretores Christopher Waller e Michelle Bowman.

No exterior, mercados ampliam queda registrada ontem

Os índices futuros das bolsas de Nova York ampliam perdas de ontem no mercado à vista, enquanto os juros dos Treasuries e o dólar operam sem direção única e com fôlego curto. Os investidores estão à espera de declarações de dirigentes do Fed e pelo índice de confiança do consumidor americano elaborado pelo Conference Board.

Na Europa, os mercados acionários também sustentam perdas registradas na véspera, após o integrante do conselho do Banco Central Europeu (BCE), Joachim Nagel, afirmar que, caso as perspectivas para a inflação piorem na zona do euro, pode ser preciso elevar mais os juros. Houve uma ligeira melhora do índice de confiança do consumidor da Alemanha para dezembro, em -27,8, segundo o instituto GfK, conforme o esperado por analistas ouvidos pela FactSet.

Há expectativa por novas declarações da presidente do BCE, Christine Lagarde, após ela ter afirmado ontem que a atividade da zona do euro estagnou e deve permanecer fraca pelo resto do ano, indicando ainda disposição do BCE para manter juros inalterados.

O petróleo se recupera e sobe mais de 1%, compensando parte do recuo da véspera, em meio a notícias de que a Arábia Saudita está pedindo a outros membros da Opep+, que se reúne nesta semana, que reduzam as suas cotas de produção de petróleo, numa tentativa de reforçar os mercados globais, mas alguns membros estariam resistindo. O Swissquote acredita que apenas mais um corte de 1 milhão de barris por dia pela Arábia Saudita não seria suficiente para estabilizar os preços.

Na Ásia, as bolsas chinesas subiram com notícias corporativas e um discurso do presidente do Banco do Povo da China (PBoC, na sigla em inglês), Pan Gongsheng, que pediu mais esforços para transformar a economia, ao advertir contra a dependência de infraestrutura e do setor imobiliário, no momento em que o regime busca um novo caminho para a segunda maior economia global. Ao falar em conferência financeira em Hong Kong, ele ressaltou a necessidade de alimentar novos drivers para o crescimento.

No Brasil, foco segue nas pautas econômicas no Congresso

A cautela moderada no exterior pode continuar limitando o sentimento local em meio aos sinais mistos nos mercados em Nova York. O foco local fica ainda em indicadores e no adiamento da votação do projeto de lei de taxação dos fundos exclusivos e fundos offshore, além da proposta de taxação das apostas esportivas no Senado, de hoje para amanhã, pode trazer algum desconforto com a demora no andamento das propostas arrecadatórias do governo no Congresso. Há dúvidas se haverá quórum amanhã para analisar as propostas, porque alguns senadores viajam na quarta-feira rumo a Dubai para a Conferência do Clima (COP28).

Investidores também aguardam o IPCA-15 e o resultado do Governo Central. Nos mercados de câmbio e juros futuros, os sinais mistos dos rendimentos dos Treasuries e do dólar frente divisas rivais e emergentes ligadas a commodities podem apoiar alguma volatilidade, mas com fôlego curto em meio aos ajustes de fim de mês.

As discussões sobre a pauta econômica também serão monitoradas. O secretário-executivo do Ministério da Fazenda, Dario Durigan, assumiu a articulação para avanço da medida provisória (MP) 1185, que muda a subvenção do ICMS, a principal medida para elevar as receitas em 2024, com a viagem do titular da Pasta, Fernando Haddad, à COP-28. A reunião do Colégio de Líderes da Câmara com o relator da reforma tributária, deputado Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), também ficou para hoje, por falta de quórum ontem. A expectativa é que Ribeiro faça uma apresentação sobre as mudanças feitas pelo Senado no texto da reforma ao presidente da Casa, Arthur Lira (PP-AL) e aos demais líderes partidários. A ideia é estabelecer um cronograma para a votação da PEC até o fim do ano.

*Agência Estado

Quer saber como criar e utilizar planilhas para controlar suas receitas e despesas de forma eficiente? Confira este curso sobre planilhas de organização e controle oferecido pela B3,

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.