Mercado

Mercados financeiros hoje: tom é positivo no exterior em semana de PIB dos EUA, decisão do BCE e balanços

No Brasil, agenda esvaziada faz investidores focarem nas discussões em Brasília

Números sendo mostrados em uma tela
Bolsa de valores. Foto: Adobe Stock

Por Redação B3 Bora Investir

O IPCA-15 de janeiro é o principal indicador nesta semana de agenda fraca no Brasil. Além disso, hoje o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, participa do programa Roda Viva, da TV Cultura, e o presidente Lula sanciona o Orçamento de 2024. Lá fora, no entanto, o calendário está mais robusto, com Produto Interno Bruto (PIB) dos Estados Unidos do quarto trimestre e PCE, além das decisões de política monetária do Banco do Japão (BoJ) e do Banco Central Europeu (BCE). Entre os resultados esperados da temporada de balanços nos EUA estão os da Netflix, Tesla, IBM, American Airlines, Intel, Visa e American Express.

Confira a agenda de resultados do 4º trimestre de empresas brasileiras

Exterior abre em alta nesta manhã

O humor está positivo nas bolsas internacionais, mas o fôlego é moderado, após o S&P 500 e o Dow Jones terem batido níveis recordes e o Nasdaq alcançar o maior patamar em dois anos. Na Europa, a alta é também leve em meio à expectativa com a decisão do BCE. Na semana passada, a ata do BCE da reunião de dezembro enfatizou o recente declínio da inflação na zona do euro, mas reforçou que os próximos passos dependem da evolução dos dados.

A nove dias da decisão do Federal Reserve (Fed, o banco central americano), a precificação de manutenção dos Fed Funds na faixa de 5,25% a 5,50% estava em 97,4% às 7h28, segundo o CME Group, enquanto as chances de não haver mudança também em março estavam em 56,5%. A maior possibilidade de corte aparece a partir de maio.

A presidente do Fed de São Francisco, Mary Daly, voltou a alertar que as decisões do Fed, neste momento, devem ser “cautelosas e progressivas”, e não “apressadas e aceleradas”, ao referir-se às possibilidades de cortes de juros.

Na Ásia, o Banco do Povo da China (PBoC, o banco central do país) manteve as principais taxas de juros inalteradas pelo quinto mês consecutivo, como esperado.

Por aqui, Brasília segue no radar

Em dia de agenda esvaziada no Brasil e no exterior, o Ibovespa tende a manter também uma alta moderada, assim como as pares lá fora. O EWZ, principal fundo de índice (ETF, na sigla em inglês) brasileiro negociado em NY, subia 0,55% no pré-mercado às 7h30. O recuo dos rendimentos dos Treasuries longos podem favorecer alívio na curva de juros, enquanto o dólar tem sinais mistos, mas em geral está mais fraco.

No radar está a sanção do Orçamento de 2024 e as discussões em torno da MP da reoneração da folha de pagamentos. Segundo especialistas em contas públicas consultados pelo Estadão/Broadcast, caso a MP seja revogada – como mencionou o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG) -, a equipe econômica terá de incorporar ao Orçamento de 2024 toda a renúncia fiscal gerada pela desoneração, calculada em cerca de R$ 20 bilhões.

*Agência Estado

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias