Notícias

Pesquisa da Febraban aponta que mercado de crédito deve crescer 8,2% em 2023

Apesar da leve queda, o crescimento acima de 8% em 2023 estará acima do observado no período pré-pandemia

Pessoa sacando dinheiro do caixa eletrônico.
O empréstimo pessoal é considerado um dos modelos de crédito mais simples de ser contratado.

Por Redação B3 Bora Investir

Pesquisa Febraban de Economia Bancária e Expectativas divulgada nesta segunda, 3/01, mostra uma leve queda na projeção para a expansão da carteira de crédito no País em 2023, para 8,2%, ante a pesquisa anterior, de novembro, que previa alta de 8,4%. O ritmo é menor que o de 2022, com taxa de 14,8% (ante 14,1% esperados anteriormente).

O levantamento mostra também que a preocupação dos bancos com a política fiscal gerou um atraso no período esperado para o início do processo de flexibilização da política monetária. Apesar da leve queda, o crescimento acima de 8% em 2023 estará acima do observado no período pré-pandemia (6,5% em 2019).

Para 2022, por sua vez, houve melhora na expectativa em relação à carteira total de crédito, o que se deve principalmente às surpresas positivas com os números mais recentes da economia, especialmente nas linhas de crédito com recursos direcionados, como os programas públicos.

Outro fator que influenciou a elevação da projeção da carteira total em 2022 é a expansão esperada para a carteira com recursos direcionados, cuja expectativa subiu de 10,2% (novembro) para 13,3%. A projeção para a carteira PF (pessoas físicas) direcionada passou de 13,1% para 16,7%, diante do forte desempenho do crédito rural. Já a expectativa de alta da carteira PJ (pessoas jurídicas) subiu de 5,3% para 7,3%, diante da nova rodada dos programas públicos de crédito (Pronampe e PEAC-FGI), ainda de acordo com a pesquisa.

A projeção para a carteira com recursos livres caiu, passando de uma alta de 17,3% para 16,3%. A piora foi puxada pela carteira PJ (de 14,3% para 12,9%), que tem mostrado menor dinamismo recentemente, provavelmente, por conta da maior oferta de crédito direcionado e sinais de desaceleração da atividade.

“Enquanto isso, a projeção para a expansão da carteira PF livre subiu de 18,2% para 19,0%, refletindo o forte desempenho das linhas atreladas ao consumo, como o cartão de crédito e crédito pessoal”, explica Rubens Sardenberg, diretor de Economia, Regulação Prudencial e Riscos da Febraban.

Os números do ano serão divulgados pelo Banco Central no final de janeiro.

Fiscal e Selic

Incertezas quanto ao cenário fiscal fizeram com que a expectativa de uma queda da taxa de juros fosse adiada para os últimos trimestres de 2023 e houvesse uma revisão da tendência de crescimento da economia.

A maioria (75%) dos entrevistados espera que o início da flexibilização monetária ocorra apenas a partir do terceiro trimestre de 2023, nas reuniões de agosto ou setembro, enquanto na pesquisa anterior, 60% dos analistas apontavam que isso ocorreria no segundo trimestre. Ainda, 20% dos participantes indicam que a Selic deve começar a cair só no quarto trimestre, algo não apontado na pesquisa de novembro.

A mediana das projeções das instituições financeiras passou a projetar que a Selic fique estável em 13,75% ao ano até junho de 2023. Apenas a partir de agosto seria iniciada a flexibilização da política monetária. Os participantes ficaram divididos se o corte inicial seria de 0,25 ponto porcentual ou 0,50 pp.

“A pesquisa é um alerta sobre a necessidade de rigor na política fiscal e no controle dos gastos públicos”, avalia Isaac Sidney, presidente da Febraban. “Com o cenário externo ruim com inflação elevada, juros altos e atividade em desaceleração e o quadro doméstico igualmente desafiador, temos de buscar uma âncora fiscal forte e crível e firme controle da inflação. Não enxergo outra direção senão perseverar nesses fundamentos econômicos para arrumar a casa.”

Para a maior parte dos entrevistados, a tramitação da PEC da Transição resultou em alteração tanto do início da flexibilização monetária quanto em uma elevação da taxa terminal da Selic em 2023, aponta Sardenberg. “Apenas 25% afirmaram que não alteraram suas projeções para a taxa Selic. Esse resultado reforça a importância de que o novo governo defina o mais rapidamente possível a nova âncora fiscal da economia”, diz.

PIB e Inflação

Na pesquisa, a fatia de bancos que esperam um aumento do Produto Interno Bruto (PIB) entre 0,5% e 1,0% no ano caiu de 70% para 65% dos entrevistados. Já o porcentual daqueles que acreditam que a economia brasileira não deve crescer mais de 0,5% passou de 25% para 30%. No câmbio, a expectativa é que o valor do dólar se mantenha na faixa de R$ 5,30 no primeiro semestre de 2023, ante entre R$ 5,20 a 5,25 no levantamento anterior.

A Febraban também captou uma piora das projeções para a inflação. Agora, 70% dos entrevistados acreditam como improvável o cumprimento da meta de inflação em 2023, ante 60% em novembro. Os demais 30% acreditam que o IPCA ainda deve ficar dentro do intervalo de tolerância, cujo centro é de 3,25%, podendo variar entre 1,75% e 4,75%. Houve ainda uma piora das expectativas para a inadimplência na carteira livre. Para 2022, a projeção subiu de 4,3% (em novembro) para 4,4%, enquanto para 2023 avançou de 4,4% para 4,7%.

Mercado americano

Sobre o aperto monetário nos Estados Unidos, os entrevistados ficaram divididos quanto ao patamar final dos juros. Para 55%, o Federal Reserve terá que ser um pouco mais agressivo e levar os Fed Funds até 5,5% ao ano. Os outros 45% não veem necessidade de os juros ultrapassarem os 5,0% ao ano dada a recente desaceleração dos preços e da atividade.

*Com informações da Agência Estado

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.