Notícias

Quedas na soja, minério, milho e arroz puxam deflação no atacado no IGP-DI de fevereiro

O IGP-DI saiu de uma queda de 0,27% em janeiro para uma redução de 0,41% em fevereiro. Em 12 meses, o índice acumula queda de 4,04%

Saco de milho aberto e a mão de um homem recolhendo um punhado do grão
O IFMILHO B3 acompanha uma carteira teórica de contratos futuros de milho e refletirá a variação de preço da commodity. Foto: Adobe Stock

As quedas nos preços de grandes commodities puxaram a deflação no atacado medida pelo Índice Geral de Preços – Disponibilidade Interna (IGP-DI) de fevereiro, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV). O ranking de maiores contribuições negativas inclui os recuos significativos na soja em grão (-10,02%), minério de ferro (-4,94%), farelo de soja (-9,65%), milho (-5,27%) e arroz em casca (-4,18%).

O IGP-DI saiu de uma queda de 0,27% em janeiro para uma redução de 0,41% em fevereiro. Em 12 meses, o índice acumulou queda de 4,04%.

“O índice ao produtor apresentou uma nova queda, com um espectro mais amplo de itens influenciando esse movimento. Destacam-se as variações significativas em produtos como o minério de ferro, que passou de um aumento de 2,27% para uma redução de 4,94%, o milho, que mudou de um leve acréscimo de 0,07% para uma queda de 5,27%, e o arroz, que foi de um crescimento de 3,72% para uma diminuição de 4,18%. Apesar desses recuos, a redução geral do Índice de Preços ao Produtor (IPA) não foi mais acentuada devido à elevação nos preços de itens como os ovos, que saltaram de uma queda de 4,86% para um expressivo aumento de 12,97%, e o leite in natura, que viu seu preço crescer de 0,39% para 4,35%”, ressaltou André Braz, coordenador dos Índices de Preços do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV), em nota oficial.

O Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA-DI) passou de um recuo de 0,59% em janeiro para uma queda de 0,76% em fevereiro.

Na análise por estágios de processamento, a taxa do grupo Bens Finais desacelerou de uma alta de 0,57% em janeiro para um avanço de 0,50% em fevereiro, tendo como principal contribuição o subgrupo bens de investimento, cuja variação passou de 0,33% para -0,87% no período.

O grupo Bens Intermediários passou de -1,18% em janeiro para -0,17% em fevereiro, influenciado pelo subgrupo combustíveis e lubrificantes para a produção, cuja taxa passou de -5,80% para 0,74%.

O grupo das Matérias-Primas Brutas saiu de queda de 1,12% em janeiro para recuo de 2,70% em fevereiro, puxado pelos itens minério de ferro (de 2,27% para -4,94%), milho em grão (de 0,07% para -5,27%) e mandioca/aipim (de 5,76% para -0,54%). As taxas tiveram tendência ascendente na soja em grão (de -11,28% para -10,02%), leite in natura (de 0,39% para 4,35%) e cana-de-açúcar (de -1,33% para -0,16%).

*Agência Estado

Quer saber mais sobre investimentos e aprender a organizar suas finanças? Acesse os conteúdos gratuitos do Hub de Educação Financeira da B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias