Notícias

Serviços recuam 0,9% em agosto, após três altas seguidas

Resultado veio bem abaixo do esperado pelo mercado. Maior impacto negativo ficou com o setor de transportes e serviços prestados às famílias - como restaurantes e hotéis

Funcionários trabalham em empresa de telemarketing
O setor de serviços é um dos que mais gera postos de trabalho no mundo. Foto: Divulgação/Atento

Por Redação B3 Bora Investir

O volume de serviços prestados no país caiu 0,9% em agosto, em relação ao mês anterior, divulgou nesta terça-feira, 17/10, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A baixa ocorreu após três altas seguidas, com ganho acumulado de 2,1% no período.

O resultado veio na direção aposta as estimativas do mercado, que esperavam uma alta de 0,4%. Com o desempenho de agosto, o setor que mais emprega no país está 11,6% acima do patamar pré-pandemia (fevereiro de 2020).

Na comparação com agosto de 2022, o indicador teve alta de 0,9%. No acumulado do ano, os serviços prestados no Brasil cresceram 4,1%.

VOLUME DE SERVIÇOS PRESTADOS NO BRASIL (MÊS A MÊS)

Fonte: IBGE

Transportes puxam serviços para o negativo

Quatro das cinco atividades pesquisadas tiveram baixa em agosto, na comparação com o mês anterior, segundo o IBGE.

O maior impacto negativo veio dos transportes, que caíram 2,1%, puxados pela queda em todos os modais: terrestre (-0,9%); aquaviário (-1,3%); aéreo (-0,3%) e armazenagem (-5,5%).

O gerente da pesquisa, Rodrigo Lobo, afirma que esse resultado foi puxado pelo recuo nas atividades de gestão de portos e terminais, além do transporte rodoviário de cargas.

“A gestão de portos e terminais vem apresentando perda de fôlego há algum tempo, registrando um impacto importante na pesquisa. O transporte de cargas, por sua vez, atingiu o ápice em julho de 2023, ou seja, está com uma base de comparação muito elevada”, explica.

O boom do comercio eletrônico desde o pós-pandemia, que aumentou a demanda por frete rodoviário, ajudou a impulsionar o setor de cargas. Assim como as safras recordes.

No entanto, segundo Lobo, a produção agrícola é mais concentrada no primeiro semestre do ano. Assim, nesta segunda parte de 2023, “vamos observar como o transporte de cargas se comportará com uma produção agrícola menos pujante”, afirmou.

O volume do transporte de cargas recuou 1,2% em agosto, após avançar 5,7% entre maio e julho. Já o de passageiros cresceu 0,7%, recuperando parte da perda de 2% entre junho e julho.

Serviços prestados às famílias desabam

O segundo maior impacto negativo veio dos serviços prestados às famílias, que recuaram 3,8% em agosto. A queda veio após ganhos acumulados de 4,8% entre abril e julho.

“O setor agora devolve boa parte desse ganho, com a queda ocorrendo basicamente em restaurantes e hotéis, que são os principais componentes em termos de peso”, afirma Rodrigo Lobo.

A piora também se deve à base de comparação elevada, já que julho é mês de férias e o consumo de alimentos e hospedagem cresce.

Para Rafaela Vitória, economista-chefe do Banco Inter, a atividade mais fraca no setor ajuda a explicar a queda na inflação de serviços observada nos últimos meses.

“Mesmo com o bom desempenho do mercado de trabalho, o fim dos estímulos fiscais e o crédito mais caro e escasso devem continuar desacelerando o consumo das famílias”.

Os serviços prestados às famílias segue como o único a não superar o patamar pré-pandemia, operando 5,8% abaixo do nível de fevereiro de 2020.

Outras atividades

Os serviços de informação e comunicação tiveram baixa de 0,8%, acumulando retração de 1%. “Essa queda se deu em função de perdas de receita de empresas que atuam com consultoria em tecnologia da informação e telecomunicações”, afirma Lobo.

Os outros serviços também recuaram, menos 1,4%, diante da menor receita vinda de corretoras de títulos e valores mobiliários e das atividades de apoio à agricultura.

Na contramão ficou os serviços profissionais e administrativos, que subiram 1,7% em agosto, taxa mais intensa desde março de 2023. O destaque ficou com atividades de limpeza, jurídicas e serviços de engenharia.

Quer entender o que é macroeconomia e como ela afeta seu bolso? Acesse o curso gratuito Introdução à Macroeconomia, no Hub de Educação da B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias