Notícias

Valor do imóvel no programa ‘Minha Casa Minha Vida’ sobe para R$ 350 mil

Mudança no programa de habitação popular do governo entra em vigor em julho. Meta é atender 2 milhões de famílias até 2026 em todas as faixas de renda

Imóvel. Foto: Adobe Stock
Casa: Conselho curador também aprovou a proposta do governo de elevar o subsídio do FGTS de R$ 47,5 mil para R$ 55 mil por família. Foto: Adobe Stock

Por Redação B3 Bora Investir

O Conselho Curador do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) aprovou nesta terça-feira, 20/06, a elevação no teto do valor do imóvel no programa ‘Minha Casa, Minha Vida’ de R$ 264 mil para R$ 350 mil.

A medida, que começa a valer em julho, será para todo o Brasil e atende as famílias enquadradas na Faixa 3 (mais alta), com renda entre R$ 4,4 mil e R$ 8 mil.

Para as outras faixas de renda também houve mudanças. Para quem ganha até R$ 2.640 (Faixa 1) e R$ 4,4 mil (Faixa 2), o limite de valor do imóvel passará de R$ 145 mil, para municípios com até 100 mil habitantes, para R$ 190 mil.

Para municípios com população acima de 100 mil habitantes, o valor pode chegar a R$ 264 mil, de acordo com a localização do imóvel.

A ampliação da faixa de renda das famílias do Minha Casa, Minha Vida de R$ 8 mil para R$ 10 mil ou R$ 12 mil não foi discutida pelos conselheiros. Essa é uma promessa de campanha do presidente Luiz Inácio Lula da Silva para atender a classe média.

Para o sócio-fundador da VMV Real Estate Consulting, Marcelo Volker, as alterações são fundamentais para a manutenção do programa junto às incorporadoras.

“Em um cenário de inflação ainda em patamares elevados, os valores do programa não condiziam com a realidade tanto do consumidor quanto dos custos da construção”, avaliou.

Taxa de juros

O colegiado também aprovou redução de juros de 0,25 ponto percentual nos financiamentos para famílias de até R$ 2 mil.

As taxas passaram de 4,25% ao ano para 4% ao ano para as regiões Norte e Nordeste. Já nas regiões Sudeste, Sul e Centro-Oeste a queda foi de 4,5% ao ano para 4,25% ao ano.

+ Como planejar a entrada e o financiamento de um imóvel?

Aumento dos subsídios

Diante dessas mudanças, o Conselho curador também aprovou a proposta do governo de elevar o subsídio do FGTS de R$ 47,5 mil para R$ 55 mil por família.

O objetivo é reduzir ou mesmo zerar o valor da entrada nos financiamentos para os brasileiros de baixa renda, principalmente das faixas 1 e 2.

O subsídio é a parte do financiamento paga pela União por meio do ‘Minha Casa, Minha Vida’. Em alguns casos ele pode chegar a 95%.

“Várias incorporadoras tinham desistido de operar ou diminuíram lançamentos devido à falta de margem de lucro atual para imóveis populares. Com o aumento no programa, certamente perceberemos uma retomada”, acredita Marcelo Volker.

Orçamento 2023

O Minha Casa, Minha Vida foi criado em 2009, no segundo mandato de Lula. Para este ano, o FGTS reservou R$ 9,5 bilhões para o programa.

O orçamento também destinou R$ 61,4 bilhões para financiamentos habitacionais às famílias de baixa renda e R$ 6,7 bilhões na linha Pró-Cotista, ou seja, para trabalhadores que têm conta no Fundo.

A meta é atender 2 milhões de famílias até 2026, considerando os benefícios distribuídos entre todas as faixas de renda.

Para outras orientações sobre finanças pessoais, confira os conteúdos da B3 Educação!

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.