Notícias

Varejo segue impactado pelos juros altos e cai 0,2% em agosto

Ano é marcado pela estabilidade nas vendas do setor, diante da crise contábil em grandes cadeiras de lojas. No varejo ampliado, que inclui veículos e construção, recuo foi de 1,3%

Pessoas caminhando entre as lojas na rua.
Os dados são da Pesquisa Mensal do Comércio (PMC), divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil

Por Redação B3 Bora Investir

As vendas do varejo brasileiro recuaram 0,2% em agosto, em relação ao mês anterior, segundo a Pesquisa Mensal do Comércio, publicada nesta quarta-feira, 18/10, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O resultado, que veio um pouco melhor que o esperado pelo mercado, foi classificado pelo gerente da pesquisa, Cristiano Santos, como uma estabilidade.

“Excluindo-se janeiro (+4%) da série histórica de 2023, além de março (+0,7%), maio (-0,6%) e julho (+0,7%), todos os demais meses indicaram variações próximas a zero, ou seja, foram quatro meses de estabilidade e três de volatidade baixa”.

EVOLUÇÃO DAS VENDAS DO VAREJO (MÊS A MÊS)

Fonte: IBGE

Na comparação com agosto do ano passado, houve um aumento de 2,3% nas vendas do comércio. No acumulado do ano a alta é um pouco menor, 1,6%. Segundo analistas, esse avanço anual veio de impulsos na atividade econômica feitos pelo governo no início de 2023, como o aumento do Bolsa Família.

Pelo lado negativo, os juros ainda em patamares elevados – apesar de duas reduções na taxa básica – tem freado uma melhora do setor. A Selic está em 12,75% ao ano.

“Ainda não tem efeito. Não tem grande tração que seja projetada [no comércio]. (…) A gente não vê ainda o crédito como grande influência no volume de vendas do varejo”, conclui Santos.

Sobre a alta de 4% em janeiro, o gerente da pesquisa do IBGE explicou que essa expansão foi influenciada pela base de comparação baixa de dezembro (-3%).

Meio a meio das atividades

Em agosto, quatro das oito atividades varejistas pesquisadas pelo IBGE tiveram resultado ruim.

Os destaques negativos foram outros artigos de uso pessoal e doméstico (-4,8%), livros, jornais, revistas e papelaria (-3,2%), móveis e eletrodomésticos (-2,2%) e tecidos, vestuário e calçados (-0,4%).

“Ao longo do ano grandes cadeias de lojas vivem crises contábeis e estão passando por redução no número de lojas. Esse movimento de puxar o indicador para baixo está muito relacionado a essa crise contábil que ainda persiste até agosto”.

No lado positivo ficaram as atividades de Hiper, supermercados, produtos alimentícios (0,9%), Combustíveis e lubrificantes (0,9%), Equipamentos e material para escritório (0,2%), e Artigos farmacêuticos e de perfumaria (0,1%).

Para o gerente da pesquisa, esses grupos tiveram crescimento diante da desaceleração da inflação na parte alimentícia.

“O efeito da inflação acaba tendo impacto na atividade, com maior renda para o consumidor adquirir produtos. Combustíveis e lubrificantes apresenta uma trajetória contrária, tendo registrado vários meses com taxas muito próximas de zero”, explica Santos.

Varejo ampliado

No varejo ampliado – que inclui veículos, material de construção e atacarejo – a queda em agosto foi ainda maior, menos 1,3% na comparação com julho.

O setor de Material de construção caiu 0,1%, enquanto Veículos e motos cresceu 3,3%.

Quer entender o que é macroeconomia e como ela afeta seu bolso? Acesse o curso gratuito Introdução à Macroeconomia, no Hub de Educação da B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.