Investir melhor

Investimento a longo prazo: vale a pena?

E ainda: saiba quantos anos deve durar um investimento mais longevo

Investimento. Foto: Pixabay
A reserva de oportunidade pode ser uma aliada importante na hora de realizar objetivos de curto prazo. Foto: Pixabay

Um dos maiores mega investidores do mundo costuma dizer que investir a longo prazo é o segredo de seu sucesso. Warren Buffet se apoiou na teoria do economista Benjamin Graham que dizia que o valor intrínseco de um investimento está no longo prazo.

Aliás, só para se ter uma ideia, o conglomerado Berkshire Hathaway  de Buffet apresentou valorização de mais de 500% nos últimos 10 anos. Isso quer dizer que se você tivesse tido paciência e aplicado R$ 10 mil nas ações da empresa em 2013, hoje você teria R$ 60 mil. Não é à toa que a fortuna do mega investidor é de cerca de U$$ 100 bilhões.

No entanto, não há um conceito de quanto tempo leva um investimento de longo prazo. 5 anos? 10? 30? Lembrando que estamos no Brasil e tudo muda o tempo todo e que, portanto, aqui o longo prazo pode até ser mais curto do que em outros países…

Mas há uma corrente majoritária que defende que são aplicações com prazo superior a 5 anos. Em alguns casos, para projetos de vida, a aplicação pode durar até décadas.

Além disso, Marcus Labarthe, especialista em planejamento financeiro e sócio-fundador da GT Capital explica no vídeo abaixo, que o longo prazo traz diversos benefícios:

Entre eles, não ser levado por emoções momentâneas de desvalorização circunstanciais do seu investimento. Além disso, diluição de riscos e redução de estresse de esperar por retornos imediatistas.

Aliás, Elton Cardozo, especialista em investimentos e sócio da Matriz Capital, explica que o investimento a longo prazo é uma estratégia de investimento que busca gerar um retorno mais expressivo, geralmente através de uma combinação de valorização do capital e rendimentos gerados pelos ativos ao longo do tempo. 

“Os tipos de investimentos de longo prazo mais comuns no Brasil incluem ações de empresas negociadas na bolsa de valores, títulos de renda fixa com prazo de vencimento mais longo, fundos imobiliários, investimentos em infraestrutura, entre outros”, diz.

Qual a diferença entre curto, médio e longo prazo?

Dentro da corrente majoritária de economistas, o curto prazo se refere a aplicações com prazo inferior a 1 ano.

Já o médio prazo dura entre 2 e 5 anos.

O longo prazo vai acima dos 5 anos. 

Em quais momentos da economia vale investir a longo prazo?

Elton explica que investir no longo prazo possui riscos, mas é uma estratégia que pode ser vantajosa em diferentes momentos da economia. E por isso, ele diz que a estratégia deve ser feita com base em uma análise cuidadosa do cenário macroeconômico e dos fundamentos das empresas e ativos em que se pretende investir. 

Aliás, ele aponta algumas situações em que o investimento de longo prazo pode ser especialmente vantajoso:

Crise econômica: Ele explica que em períodos de crise econômica, muitos investidores tendem a se desfazer de suas posições em ativos de risco, como ações e fundos imobiliários. “Isso pode levar a uma queda temporária nos preços desses ativos, criando uma oportunidade para investidores com visão de longo prazo comprarem esses ativos a preços mais baixos”, diz.

Expansão econômica: Aliás, quando a economia está em fase de crescimento, as empresas tendem a ter resultados positivos, o que pode se traduzir em valorização das ações e outros ativos. “Investidores que acreditam que esse crescimento vai se manter no longo prazo podem se beneficiar investindo em ações e outros ativos que se beneficiam da expansão econômica”, afirma.

Setores com perspectivas promissoras: Mas também empresas de determinados setores da economia, como tecnologia, energia renovável e saúde têm perspectivas promissoras no longo prazo. “Devido às tendências demográficas, avanços tecnológicos e regulamentações favoráveis, investir em empresas desses setores pode ser uma estratégia de longo prazo vantajosa”, lembra.

Alta taxa de juros: Com a Selic em alta, estratégias de longo prazo em papéis de renda fixa pré-fixados são um excelente negócio. “Desta maneira, o investidor pode se beneficiar de taxas pré-fixadas em um patamar elevado, mesmo quando as taxas de juros retrocederem para patamares menores”, diz.

Como escolher um investimento a longo prazo

Vagner Franceschi, planejador financeiro e especialista em investimentos do Ailos, diz que antes de mais nada o ideal é buscar auxílio de um especialista em investimentos ou planejador financeiro de uma instituição financeira de sua confiança. 

“Para que possa analisar o cenário econômico e os impactos para a carteira. Ou, se o investidor preferir atuar sozinho, deve analisar as expectativas de mercado para juros e inflação, entendendo qual percentual da sua carteira deve ser alocado em ativos prefixados, pós fixados, atrelados ao IPCA, renda variável, exterior etc.”, diz.

Aliás, ele também lembra que o investidor deve ter um planejamento financeiro. “Mas sempre é importante reforçar que a escolha dos investimentos deve respeitar os objetivos e perfil do investidor para que não haja surpresas desagradáveis e/ou frustração”, afirma.

Mas também é o que avalia Marcelo Milech, Planejador Financeiro CFP© pela Planejar. Ele diz que é preciso enxergar seu perfil e objetivos. “É uma conjunção de fatores que não leva em conta apenas a propensão ou não ao risco, mas sobretudo a capacidade de correr riscos, já que prazo longo é uma fator que adiciona risco a um portfólio por princípio”, diz.

Aliás, ele cita os riscos na renda fixa e variável. “Quando falamos de risco, na renda fixa precisamos atentar ao risco de crédito e de liquidez . Em renda variável, aos fundamentos das empresas nas quais se investe. Em fundos em geral, o histórico do gestor de recursos e sua equipe são fundamentais na seleção”, afirma.

Basta só investir a longo prazo?

E Élton dá outras dicas antes de planejar o investimento a longo prazo. Vamos a elas:

  • Diversifique: É importante não colocar todos os seus ovos em uma única cesta. Diversifique seus investimentos em diferentes classes de ativos para minimizar o risco.
  • Avalie o desempenho passado: Analisar o desempenho passado de um investimento pode ajudar a prever seu desempenho futuro. Verifique os retornos históricos, taxas de juros e outros fatores que possam afetar seu investimento.
  • Considere o prazo do investimento: Investimentos de longo prazo são geralmente mantidos por mais de cinco anos. Certifique-se de escolher um investimento que se alinhe com seu horizonte temporal de investimento.

Ele ainda que ressalta que é importante lembrar que nenhum investimento é totalmente seguro e que o desempenho passado não garante resultados futuros.

“É sempre recomendável fazer sua própria pesquisa e buscar orientação profissional antes de tomar decisões de investimento”, conclui.

Para mais conteúdo sobre finanças pessoais e investimentos, visite o Hub de Educação Financeira da B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias