Investir melhor

Onde investir R$ 1.000 de uma maneira segura e fácil?

Analistas apontam investimentos de renda fixa e variável para você aplicar R$ 1.000

Reais. Foto: Pixabay
Se você quer investir R$ 1.000, é sempre bom lembrar que deixar o dinheiro na poupança muitas vezes pode significar a desvalorização do seu patrimônio. Foto: Pixabay

Você já viu aqui na Inteligência Financeira que não é preciso muito dinheiro para começar a investir ou mesmo manter uma estratégia de aplicações mensais. Agora, vamos te mostrar onde investir R$ 1.000 de forma simples, segura e rentável. Você vai ver que há opções na renda fixa e também na variável.

Mas antes de mais nada, quite suas dívidas. Juros de longo prazo podem tornar um débito pequeno em uma dívida impagável. Também é importante ter um planejamento financeiro, uma estratégia de investimento, com metas e prazos que obedeçam ao seu perfil de investidor e investidora.

Qual é o seu objetivo?

Para isso, saiba qual é o seu objetivo. Dar entrada em um carro? Viajar? Ter uma reserva de emergência? Reformar a casa? Parece óbvio, mas sem saber onde você quer chegar, você não vai conseguir estabelecer prazos nem escolher o melhor investimento.

Além disso, evite aplicar na poupança. Se você quer investir R$ 1.000, é sempre bom lembrar que deixar o dinheiro na poupança muitas vezes pode significar a desvalorização do seu patrimônio.

Em 2022, por exemplo, a poupança valorizou 7,90% e ficou acima da inflação, de 5,79%. Mas, dos últimos cinco anos, em apenas três deles, aconteceu o contrário: o rendimento foi corroído pelo aumento dos preços.

Aliás, de acordo com o Raio-X do investidor 2022, realizado pela Anbima (Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais)  , 61% dos brasileiros não fizeram qualquer tipo de investimento no último ano.

Além disso, muita gente deixa o dinheiro parado na conta corrente.

Para você não correr este risco, é melhor começar pelo mais simples, que é pela renda fixa.

Onde investir R$ 1.000 em renda fixa?

Primeiro, vamos entender o que é a renda fixa. Renda fixa é uma forma de investimento que tem um retorno já estabelecido. É um jeito de você emprestar dinheiro para empresas, bancos ou até para o governo, sabendo na largada quando e depois de quanto tempo vai receber o investimento com juros. 

Aliás, a renda fixa funciona como um “empréstimo”. Se você quer investir R$ 1.000 neste tipo de aplicação, você se torna credor de instituições, bancos ou governo.

Além disso, na renda fixa existem os títulos prefixados e os pós-fixados. No caso dos títulos prefixados, o investidor já sabe, antecipadamente, qual será o rendimento. E para obter esse valor, ele deve manter o título até o seu vencimento. Se retirar o dinheiro antes, a rentabilidade pode sofrer variação. 

Como investir R$ 1.000 em CDB?

Andressa Bergamo, sócia-fundadora da AVG Capital e pós graduada em Mercado Financeiro e Capitais, lembra que existem diversas opções no mercado de renda fixa.

Por isso, uma outra alternativa em renda fixa para quem quer investir R$ 1.000 que ela lembra são os CDBs (Certificados de Depósito Bancários) indexados à Selic , os famosos CDIs(Certificados de Depósitos Interbancários).

Neste tipo de investimento, você se torna credor de um banco.”É importante entender a necessidade de utilização desse valor no curto prazo. Se o investidor precisar utilizar em pouco tempo, a melhor alternativa é escolher um CDB de Banco sólido com taxa indexada ao CDI com liquidez diária. Sendo assim, você pode resgatar esse valor a qualquer momento”, afirma.

Lembrando que os CDBs de bancos podem pagar desde 100% da Selic a valores muito mais altos. Mas certifique-se qual banco está oferecendo taxas mais altas e desconfie de valores muito acima do mercado

“Caso o investidor não tenha interesse em utilizar o recurso por alguns meses ou ano, a minha sugestão continua sendo em renda fixa, porém com prazo mais longo é possível conseguir melhores taxas no mercado”, lembra Andressa.

O Head de Produtos da InvestSmart, Walter Fogolin, também aposta nos títulos de renda fixa, mas faz um alerta. “Hoje, a Taxa Selic  está bem elevada e isso faz com que os investimentos em renda fixa se tornem mais atrativos. No entanto, não podemos dizer que o rendimento de hoje será o mesmo ao longo dos anos. A ideia é que à medida que a inflação fique mais controlada a taxa de juro caia”, diz.

Como investir R$ 1.000 em Tesouro Direto?

Título público é mais conhecido como Tesouro Direto. Quando você investe neste tipo de aplicação, você se torna credor do governo. A taxa de juros é calculada sobre o valor da Selic, hoje em 13,75% ao ano.

Mas é bom lembrar que esta taxa pode sofrer alterações, caso o Banco Central decida reduzir ou subir os juros básicos da economia como instrumento de controle da inflação. No primeiro caso, o rendimento neste tipo de investimento vai cair, do contrário, a aplicação ganha com o ajuste.

Aliás, hoje você pode começar até mesmo com apenas R$ 30 para aplicar em no Tesouro Direto .

Onde investir R$ 1.000 na renda variável

renda variável envolve mais riscos e mais conhecimento seu sobre o mercado. Para quem quer investir R$ 1.000, os ganhos podem ser maiores, mas os riscos também. Neste tipo de investimento, como ações, opções, fundos de investimento, é preciso conhecer bem o produto financeiro que você está adquirindo.

Para quem não quer ficar monitorando o mercado, uma das opções são os fundos de investimento. Nele, gestores de corretoras e de bancos avaliam quais os melhores produtos de renda variável a investir.

Uma dica na hora de escolher o gestor e o fundo é olhar o crescimento do fundo ao longo de muitos anos. Mas lembre-se, ganhos passados não garantem lucros futuros.

“Conseguimos investir em renda variável de algumas formas, mas levando em consideração que existem grandes gestores no mercado, minha sugestão para começar investir em ações é via fundo de investimento”, afirma Andressa.

E ela destaca: “Pontos importantes na hora de comparar os fundos:

  • Tenha atenção às taxas cobradas;
  • Saiba identificar a performance do fundo versus o benchmark;
  • Não esqueça de observar a liquidez do fundo”, diz.

Quanto tempo leva para chegar em R$ 5 mil e em R$ 10 mil?

Andressa fez as contas. Ela diz que, para podermos fazer um cálculo e identificar um valor mais próximo, vamos levar em consideração um investimento de baixo risco com rentabilidade média de 1% ao mês.

Agora, senta porque demora.

Considerando que você tenha apenas R$ 1.000 e não vá fazer nenhum aporte, em quanto tempo teria 5 vezes mais do que isso?

“Nesse sentido, o investidor que aplicar R$ 1.000 hoje para obter R$ 5.000, a 1% ao mês, serão precisos 162 meses. Ou seja: 13 anos”, diz Andressa. Sim: mais de uma década.

Mas é aquele dinheiro que você deixa parado num título e esquece.

É o melhor caminho? Não. Mas é melhor do que nada ou do que gastar, principalmente se você tem um filho recém nascido e já faz planos para ele.

O ideal seria ter uma estratégia de investimento, com prazos menores, podendo arriscar um pouco de vez em quando.

“Agora, caso o investidor tenha mais tempo para deixar essa quantia aplicada, ele conseguirá ter os R$ 10.000 em 232 meses, o que dá 19 anos”, diz. Quase duas décadas!

E conclui: “Já as aplicações em renda variável, fica difícil prever o rendimento futuro pois vai depender muito da oscilação de cada papel na bolsa ou até mesmo do Ibovespa “, diz.

Para mais conteúdo sobre finanças pessoais e investimentos, visite o Hub de Educação Financeira da B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias