Investir melhor

Succession chega ao fim: 5 lições que tiramos das 4 temporadas

A aclamada série Succession da HBO chega ao fim neste domingo e, mais do que entretenimento, o seriado oferece diversas lições sobre economia, negócios, finanças e mercado

O logo do seriado Succession
E você, é do time de qual dos irmãos Roy? Foto/Reprodução: Canal Youtube HBO Brasil

Por Guilherme Naldis

Sucesso de crítica e público, o seriado Succession, da HBO, chegou ao fim em maio de 2023. Com suas personagens complexas e uma trama eletrizante, a história conquistou fãs dentro e fora do mercado financeiro que puderam aprender, e muito, sobre relações familiares, o mundo corporativo, poder e, por que não, finanças.

A tragédia se situa nos bastidores da gigante multinacional da comunicação Waystar Royco. Apesar de ser uma empresa de capital aberto com atuação global, a companhia é um negócio familiar, cujos acionistas majoritários são os ricaços Roy — e há uma disputa entre os herdeiros do império.

Succession: o que a série da HBO ensina sobre o papel dos acionistas

Durante os episódios, os irmãos Kendall (Jeremy Strong), Siobhan (Sarah Snook) e Roman (Kieran Culkin) tramam, traem e se aliam pela sucessão da presidência da firma, liderada pelo pai Logan Roy (Brian Cox).

Cada personagem tem sua base de fãs que querem vê-la vencendo a corrida pelo título de CEO do grupo de mídia. Alguns são do time dos irmãos sacanas, enquanto outros preferem os executivos ambiciosos. E há, também, espectadores que são avessos ao mau caráter dos concorrentes. Eles esperam que a empresa entre em falência e todos os protagonistas sejam presos por crimes corporativos.

Veja abaixo as principais lições da série sobre economia e finanças ao longo de suas quatro temporadas:

1. Os dados podem ser maquiados. A reação do mercado, não

Os filhos de Logan Roy topam tudo para agradar o pai e sair na frente na competição pela sucessão. Estão dispostos, até mesmo, a passar a perna nos investidores. 

Não vamos dar spoilers aqui, é claro. Mas, se você está acompanhando o seriado e está aguardando o final, já deve ter visto a prática conhecida como maquiagem de dados. Ela acontece quando, diante de um balanço com resultados ruins, os executivos responsáveis alteram o valor das informações para parecerem “melhores”.

O problema é que uma planilha é uma coisa, e a realidade é outra. Na ausência de provas mais concretas, o mercado financeiro pode reagir bem a um balanço positivo à primeira vista. Contudo, quem olhar para a empresa com mais atenção vai observar fragilidades, que logo viram inconsistência e, por fim, indícios de fraude. E, aí, as ações despencam. 

2. Executivos são pessoas, mas fazem preço

A morte de uma das personagens centrais da trama faz a cotação das ações da empresa mergulharem. No caso fictício, um dos fundadores da companhia faleceu e o valor de mercado do grupo caiu mais de 20%. 

Na vida real, casos semelhantes já aconteceram. Isso porque, às vistas do mercado, um fundador de uma empreitada que deu certo é uma pessoa que merece confiança pelo seu trabalho. Na sua ausência, a gerência da empresa fica em xeque.

Casos como o da morte de Steve Jobs, em 2011, fez as ações da Apple cederem no pregão e as da sua principal concorrente à época, a Samsung, terem forte alta.

3. M&As movem o mercado, não só em Succession

Um tema recorrente na série é a venda da Waystar Royco. Mais de uma vez em Succession, o império esteve mal das pernas e uma concorrente se ofereceu para assumir a dívida. Como condição, a família controladora perderia poder sobre o negócio.

Este tipo de transação é classificada como M&A, acrônimo de Merge and Acquisition ou, em português, Fusão e Aquisição. Ao realizá-las, empresas se unem e se fortalecem, enquanto outras deixam de existir. 

Falência: quais as principais consequências para companhias e investidores

4. Empresas familiares têm prós e contras

A dinastia de Logan Roy se orgulhou pela expansão constante dos negócios condicionada ao núcleo familiar em posições de comando. O problema é que, quando o cenário macroeconômico mudou e as preferências dos consumidores mudaram, a firma passou por problemas de adaptação.

Com a crise, a família controladora também se desgastou e a questão central emergiu: quem assumirá a presidência da empresa após a morte de seu fundador?

Jayme Carvalho, economista da SuperRico, explica que o fato de um líder familiar ter sido fantástico em um momento de expansão da empresa não significa que os seus sucessores farão o mesmo. “Muitas empresas estão vinculadas ao nome de um fundador, mas a busca pela profissionalização é o que vai permitir a perpetuação do negócio”, diz.

5. Bons conselhos são, sempre, independentes 

Grande parte das tensões de Succession são entre os conselheiros da empresa e os acionistas. Normalmente, seus interesses se opõem e os três irmãos tentam convencê-los.

Em todos os casos, os interesses pessoais falam mais alto e a série conquista o público com um dos seus maiores trunfos: a surpresa constante. Mas, na vida real, é importante saber quem é quem dentro de um conselho administrativo das empresas em que se investe. Isso porque o dever do conselho é representar os acionistas.

Para mais conteúdo sobre investimentos, acesse o Hub de Educação Financeira da B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.