Organizar as contas

Dia Nacional dos Aposentados: previdência pública brasileira está entre as piores do mundo. Quais opções?

O aumento de pessoas acima dos 65 anos acende um alerta de como será a renda dos idosos

INSS. Foto: Marcelo Casal Jr./Agência Brasil
O INSS é o Instituto Nacional do Seguro Social. Foto: Marcelo Casal Jr./Agência Brasil

Por João Paulo dos Santos

Em 24 de janeiro, celebra-se o Dia Nacional dos Aposentados. A data é uma homenagem à instituição da primeira lei brasileira destinada à previdência social

No Brasil, as pessoas acima de 65 anos representam aproximadamente 11% da população total e somam cerca de 22 milhões de habitantes, segundo o Censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O número acende um alerta sobre como será a renda dos idosos e a sustentabilidade do sistema de previdência.

A pesquisa anual Global Pension Report, produzida pela Allianz, mostra que o sistema previdenciário do País está entre os piores do mundo. Em 2023, a Dinamarca, Holanda e Suécia ocuparam os primeiros lugares do ranking, enquanto o Brasil ficou na posição 65. O país não se destacou nem na América Latina e ficou atrás do Peru, Chile, Colômbia, Uruguai e Argentina.

“É importante a organização prévia das finanças para se aposentar diante do cenário econômico. Com isso, é possível ter tranquilidade e independência financeira durante uma fase da vida em que a segurança e o conforto se tornam prioridades cruciais. E, assim, evitar imprevistos e transtornos monetários”, explica Fernando Lamounier, educador financeiro e diretor da Multimarcas Consórcios.

Cenário da previdência no Brasil

Com as novas regras para a aposentadoria no País, o cenário se tornou mais difícil. Pela regra atual, só podem se aposentar quem cumprir estes requisitos: homens com 65 anos e 20 anos de contribuição para o INSS (Instituto Nacional do Seguro Social), e mulheres com 62 e, ao menos, 15 anos de contribuição. 

Tantas mudanças e discussões frequentes sobre reformas no sistema trouxeram preocupação dos brasileiros, que começaram a buscar alternativas para conseguir um futuro mais estável. A pesquisa realizada pela Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima), em parceria com o Datafolha, aponta que nove a cada dez aposentados dependem exclusivamente dos rendimentos da previdência pública para o seu sustento. 

“Eu sou um dos privilegiados por receber uma aposentadoria razoável, mas mesmo assim é necessário ter controle. Após 35 anos de contribuição para o INSS,  o valor que ganho é usado apenas para as despesas básicas no cenário econômico atual, não podendo se ter outros gastos”, revela Edson Ferreira, aposentado, 65 anos.

Recentemente, o governo federal divulgou o valor do reajuste das aposentadorias e pensões  do INSS acima do salário mínimo, passando o teto para R$ 7.786, um aumento de 3,71%, de acordo com Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 

No entanto, para os que começaram a receber o benefício em 2023, a conta será um pouco diferente, uma vez que a mudança é relativa à inflação do período de concessão da aposentadoria. Nesses casos, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) é o indicador utilizado. 

Já para aqueles que tiveram o benefício concedido antes de 2023 o reajuste será integral, de 3,71%. Com aplicabilidade programada para o dia 1 de fevereiro, este será o menor reajuste desde 2019. 

Opções para a aposentadoria

Atualmente, no Brasil, a Previdência pública possui 39 milhões de beneficiários, dos quais 13 milhões recebem acima do salário mínimo e 26 milhões o salário mínimo, que neste ano é de R$ 1.412. Por isso, pensar em opções de previdência é um caminho para quem busca uma renda maior.

“A população brasileira se deparou com dados chocantes e o planejamento financeiro de longo prazo, para não depender do órgão público, passa a ser essencial. Dentre as opções para investir a aposentadoria estão: planos de previdência privada, Tesouro Direto, dividendos de ações e fundos imobiliários”, destaca Lamounier. 

O especialista ressalta que num contexto desafiador como o atual, os consórcios também são importantes no planejamento da aposentadoria. Isso acontece já que esses oferecem uma abordagem estratégica e acessível para aqueles que buscam outras alternativas.

Quer saber mais sobre previdência privada? Confira o curso gratuito do Hub de Educação da B3!

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias