Organizar as contas

Quanto custa um seguro para celular e quais empresas oferecem

Empresas de telefonia, seguradoras e fintechs oferecem proteções que partem de R$ 8 por mês. Conheça!

Homem segurando um celular com a mão esquerda e mexendo nele com a mão direita.
Certificado de Recebíveis Imobiliários (CRI) e Certificado de Recebíveis do Agronegócio (CRA).  FOTO: ADOBE STOCK

Por Marília Almeida

Para donos dos aparelhos de primeira linha, que custam mais de R$ 5 mil, perder o aparelho móvel é um prejuízo e tanto. Além da questão financeira, a dor de cabeça de perder dados e, pior, que o bandido realize transações indevidas nos apps de bancos podem ser suficientes para cogitar adquirir um seguro para celulares.

+ Quanto o valor de um novo IPhone renderia se fosse investido

A proteção para aparelhos móveis vem se popularizando e hoje já é oferecida por empresas de telefonia, fintechs e as próprias seguradoras. São nomes como Vivo, Assurant e Ciclic, nas quais o preço da cobertura para roubo e furto partem de R$ 6,99 por mês e podem custar, em média, R$ 76 por mês.

Veja abaixo algumas opções disponíveis no mercado:

SeguroCoberturasAparelhos cobertosPreçoCaracterísticas
CiclicRoubo e furtoAté dois anos de usoR$ 76 por mês (média)Para aparelhos com mais de 3 anos de uso, oferecem o Seguro Bolsa Protegida, que cobre celulares em até R$ 2 mil
VivoRoubo, Furto Simples e Qualificado, e Danos AcidentaisAté dois anos de usoA partir de R$ 6,99 por mês (roubo e furto simples e qualificado)Não tem multa ou fidelização. Abertura do sinistro pode ser feita digitalmente. O serviço pode ser pago diretamente na fatura Vivo ou cartão de crédito
AssurantRoubo e furto qualificado, danos acidentais, oxidação e quebra de tela e também defeitos funcionais e transações indevidas. Elas podem ser compradas individualmenteNovos e usadosNão divulgaPara aparelhos usados o diagnóstico é feito por meio de Inteligência Artificial e analisa as condições de funcionamento e integridade dos dispositivos.
Fonte: Empresas

Segundo dados da Secretaria Pública de São Paulo, 108 mil celulares foram roubados nos últimos quatro meses na cidade de São Paulo. A COO da Ciclic, Bruna Melo, aponta que o número de aparelhos protegidos pela fintech que são roubados vem crescendo de 1% a 2% nos últimos meses na região Sudeste. Contudo, os preços das proteções ainda não foram reajustados por conta da alta dos sinistros. “Desde que lançamos a proteção, em 2019, os preços caíram. As mensalidades custavam, em média, R$ 100. O mercado ficou mais competitivo agora”.

+ 4 golpes online no celular em 2023 e como se proteger deles

As proteções para aparelhos móveis mais contratadas na fintech são para iPhone 11 e 13, cuja cobertura anual tem tíquete médio entre R$ 900 a R$ 1.200. Na renovação, o preço do seguro pode ter desconto de até 30%. Em breve, a Ciclic deve implantar a segunda renovação, o que permitirá proteger aparelhos com até 3 anos de uso. No primeiro ano, o valor do seguro corresponde a cerca de 18% do aparelho. Em 2 anos, equivale a 25% do valor cheio, já considerando descontos.

Tipos de coberturas

Nas seguradoras é possível contratar a cobertura completa, que também pode incluir quebra acidental, ou apenas roubo e furto. Mas a diferença da mensalidade não costuma ser relevante. Na Ciclic, uma proteção completa para iPhone 11 custa cerca de R$ 44 por mês. Caso inclua apenas roubo e furto, será R$ 40.

As empresas oferecem seguros não apenas para celulares, mas também outros equipamentos, como notebooks, tablets e até smartwatchs.

Na Ciclic, aparelhos com maior tempo de uso são cobertos em outra proteção, chamada de Bolsa Protegida, cuja mensalidade custa a partir de R$ 3,99 por mês. Caso a bolsa seja roubada ou furtada, a cobertura é de até R$ 2 mil para aparelhos móveis e protege contra operações financeiras indevidas realizadas sob coação, como saques e PIX. “São transações que o banco pode demorar para indenizar, se indenizar”, diz Ramos.

+ Como proteger seus investimentos contra golpes? Veja aqui!

Exigências e direitos

Os seguros para celulares costumam cobrir 100% do preço pago pelo aparelho. Para isso, basta mostrar a nota fiscal da compra, documentos do dono da apólice e Boletim de Ocorrência.Em caso de quebra do aparelho, é necessário apresentar a nota fiscal do dano ou mandar aparelho para avaliação e conserto em unidades autorizadas pelo seguro.

Organize suas finanças e abra espaço no orçamento para investir. Veja como neste curso gratuito.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.