Renda variável

Qual a diferença entre juros simples e juros compostos?

O tipo de juros é determinante para o custo final. Entenda as diferenças para tomar a melhor decisão

Pessoa contando dinheiro na calculadora
black person holding some money and doing some calculations with a calculator

Os juros funcionam como um aluguel cobrado sobre o dinheiro emprestado. Podem ser de diversos tipos. Aqui, vamos falar dos juros simples — que, como diz o nome, são mais simples de calcular —, e dos juros compostos — também chamados de juros sobre juros, bem mais comuns no mercado. Siga a leitura e entenda as diferenças entre os dois:

Juros simples — A modalidade mais objetiva

A principal característica que diferencia os juros simples dos demais é a maneira como ele é calculado. Os juros simples são uma taxa fixa que incide sobre o valor inicial do contrato e é dividida durante a duração do contrato.

Veja no exemplo:

Laura fez um empréstimo no valor de R$ 4.000, com juros de 4% ao mês, e precisa pagá-lo ao longo de 10 meses. Com isso, ela terá que pagar uma parcela (R$ 4.000/10 = R$ 400), mais o acréscimo de R$ 160 (4% de R$ 4.000) todos os meses.

No final do período, o acréscimo final de juros seria de R$ 1.600. Ou seja, o valor total do contrato seria de R$ 5.600. Aos R$ 4.000 iniciais, seriam somados R$ 1.600 de juros.

Apesar de ser uma modalidade mais objetiva e simples de juros, é pouco usada tanto em empréstimos como em investimentos. As taxas mais usadas são as compostas, calculadas de forma diferente.

Juros compostos — O mais utilizado

Os juros compostos são a modalidade mais recorrente de juros, e são comumente usados quando uma pessoa investe ou pega um empréstimo. CDB (Certificado de Depósito Bancário), LCI (Letra de Crédito Imobiliário) e LCA (Letra de Crédito do Agronegócio) são alguns exemplos de investimentos que trabalham com juros compostos.

Os juros compostos são também conhecidos como “juros sobre juros”. Nessa modalidade, os rendimentos – ou a dívida – são calculados não apenas a partir do capital investido ou emprestado inicialmente, como acontece com os juros simples, mas também sobre os ganhos de todos os períodos anteriores.

Veja no exemplo prático:

Exemplo de cálculos com juros simples e juros compostos

Se aplicar R$ 10.000 a juros simples, com remuneração de 1% ao mês, durante seis meses este será o resultado:

  • 1° mês: R$ 10.000,00 x (0.01) = R$ 100
  • 2° mês: R$ 10.000,00 x (0.01) = R$ 100
  • 3° mês: R$ 10.000,00 x (0.01) = R$ 100
  • 4° mês: R$ 10.000,00 x (0.01) = R$ 100
  • 5° mês: R$ 10.000,00 x (0.01) = R$ 100
  • 6° mês: R$ 10.000,00 x (0.01) = R$ 100

A cada mês conseguiu-se R$ 100 a mais e, ao final do período, o rendimento foi de R$ 600 no total.

Agora veja como seria com juros compostos, dentro das mesmas condições iniciais (aporte e taxa de juros):

  • 1° mês: R$ 10.000,00 x (0.01) = R$ 100
  • 2° mês: R$ 10.100,00 x (0.01) = R$ 101
  • 3° mês: R$ 10.201,00 x (0.01) = R$ 102
  • 4° mês: R$ 10.303,01 x (0.01) = R$ 103
  • 5° mês: R$ 10.406,04 x (0.01) = R$ 104
  • 6° mês: R$ 10.510,10 x (0.01) = R$ 105

Neste caso, a cada mês, o valor foi aumentando um pouco mais, e o total no período foi de R$ 10.615,20, ou seja, com R$ 615,20 de ganho. R$ 15,20 a mais que a aplicação em juros simples.

Vantagens e riscos dos juros compostos

Os juros compostos podem ser grandes aliados na hora de fazer um investimento já que têm a capacidade de multiplicar os rendimentos aplicados.

Porém, eles nem sempre são bem-vindos quando se trata de empréstimos ou dívidas, como atrasos de contas. Neste caso, é preciso redobrar o cuidado, porque os juros vão aumentar progressivamente o valor devido pela pessoa tomadora do dinheiro, ou devedora.

Veja um exemplo:

A fórmula dos juros compostos é “montante igual ao capital inicial vezes um mais a taxa de juros, elevado ao tempo“.

M = C x (1+i)^t

Sendo:

  • M = montante (resultado)
  • C = capital inicial
  • i = taxa de juros aplicada
  • t = tempo (duração do investimento)

Podemos pegar um financiamento de R$ 50.000 (C) para pagar em dois anos (T) a uma taxa anual de 12% (I):

  • M = 50.000 x (1 + 12 ÷ 100)²
  • M = 50.000 x 1,2544
  • M = 62.720

Ou seja, ao final de 24 meses você terá pago os R$ 50 mil que pegou emprestado + R$ 12.720 de juros.

Veja agora o mesmo cálculo na fórmula de juros simples, que é M = C + J. Ou seja, o montante final (M) é o resultado da soma entre o capital inicial (C) e os juros (J). Os juros, por sua vez, são calculados pela taxa percentual (i) multiplicada pelo capital inicial vezes o tempo de duração do contrato (t), J = i x C x t.

  • J = 0,12 x 50.000 x 2
  • J = 12. 000
  • M = 50.000 + 12.000
  • M = 62.000

Assim, pagaria, no total, menos que o valor final por juros compostos, que foi de R$ 62.720.

Agora que você já entendeu mais sobre como são calculados os juros simples e compostos, aproveite e leia também nosso post a respeito do tema Preço sobre Lucro! Até a próxima!

Para saber ainda mais sobre investimentos e educação financeira, não deixe de visitar o Hub de Educação da B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias