Notícias

Acordo entre Mercosul e União Europeia pode subir no telhado? Entenda

Blocos tentam criar área de livre comércio desde 1999. Lula e o presidente francês se reuniram na COP, quando Macron chamou proposta de antiquada. Alemanha tem pressa para assinar

Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, durante Reunião com o Presidente da República Francesa, Emmanuel Macron, na Expo Dubai. Dubai - Emirados Árabes Unidos. 

Foto: Ricardo Stuckert / PR
Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, durante Reunião com o Presidente da República Francesa, Emmanuel Macron, na Expo Dubai. Dubai - Emirados Árabes Unidos. Foto: Ricardo Stuckert/PR

Por Redação B3 Bora Investir

A conclusão do acordo entre o Mercosul e a União Europeia, esperada para ser anunciada nesta semana durante a cúpula de chefes de Estado do bloco sul-americano no Rio de Janeiro, dificilmente deve se concretizar. O tratado, que reúne 31 países, prevê a redução ou isenção na cobrança de impostos de importação de bens e serviços produzidos nos dois blocos (explicamos melhor mais abaixo).

Porém, a mais recente e pública troca de farpas entre os presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Emmanuel Macron, da França, jogou um balde de água fria no esforço de diplomatas para o esperado aperto de mãos acontecer antes da posse do argentino, Javier Milei, no domingo, 10/12.

O presidente brasileiro afirmou durante a Conferência do Clima (COP 28), que se o acordo comercial entre Mercosul e União Europeia não for concluído por falta de consenso, a culpa “não é do Brasil”, e sim do protecionismo de países da zona do Euro.

+ COP 28: o que é a Conferência do Clima e o que esperar da participação do Brasil?

“Se não tiver acordo, paciência, não foi por falta de vontade. A única coisa que tem que ficar clara é que não digam mais que é por conta do Brasil ou da América do Sul”, afirmou durante entrevista em Dubai, nos Emirados Árabes.

Também na COP 28, Macron deixou bem claro que é contra o acordo de livre comércio – chamado pelo presidente da França de antiquado e “mal remendado”. “É um acordo completamente contraditório com o que está fazendo no Brasil e com o que nós estamos fazendo, porque é um acordo que foi negociado há 20 anos, e que tentamos remendar e está mal remendado”, disse.

Questionado sobre as declarações, Lula disse que a posição da França já era conhecida. E completou que se o tratado não for fechado, a Europa deve assumir a responsabilidade pela decisão.

“A posição do nosso companheiro presidente da França é conhecida historicamente. A França sempre foi o país que criou obstáculo no acordo, porque o país tem milhares de pequenos produtores e eles querem produzir os seus produtos. É isso”.

Lula fez ainda um paralelo com o Brasil. “O que eles não sabem é que nós também temos 4,6 milhões de pequenas propriedades de até 100 hectares que produzem quase 90% do alimento que nós comemos e que são alimentos de qualidade, e que nós também queremos vender. (…) Assumam a responsabilidade de que os países ricos não querem fazer um acordo na perspectiva de fazer qualquer concessão. É sempre ganhar mais”, concluiu.

Em entrevista hoje ao jornal ‘Valor Econômico’, o assessor especial da Presidência da República, Celso Amorim, afirmou que o acordo comercial “oferece pouco” e “exige muito” do bloco sul-americano.

“Vale a pena ter um acordo de livre comércio, ainda que não seja o ideal, só por ter? E essa é a decisão difícil que se vai ter que tomar”, disse.

Negociações: Brasil, Alemanha e Comissão Europeia

Desde o início do mandato, o presidente Lula tem se reunido com outros chefes de Estado europeus para tentar desemperrar o acordo com o Mercosul.

O mais recente encontro aconteceu neste domingo, 03/12, entre o presidente brasileiro e o primeiro-ministro da Alemanha, Olaf Scholz, que tem grande interesse que o tratado de livre comércio seja assinado.

É que a Alemanha considera o Brasil um parceiro-chave na sua tentativa de diversificar o comércio, para reduzir sua dependência da China e conseguir atrair mais mão de obra qualificada para o país.

Uma declaração conjunta entre Lula e Scholz está prevista para acontecer ainda nesta segunda-feira, 04/12, em Berlim. Na semana passada, o porta-voz do Ministério da Economia alemão afirmou: “sabe-se que apoiamos e nos esforçamos por esse acordo e queremos que ele seja concluído rapidamente”.

Na COP 28, Lula também se reuniu com a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen. Em duas ocasiões neste ano, o presidente brasileiro falou sobre o tema com o primeiro-ministro da Espanha, Pedro Sánchez.

O que é o acordo Mercosul-UE?

O tratado de livre comércio entre os dois blocos é considerado o mais ambicioso já feito pelo Mercosul, formado por quatro países: Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai. O último passo foi dado em 2019, durante o governo de Jair Bolsonaro (PL), quando o acordo foi assinado. Mas novas exigências ambientais europeias reabriram a negociação, assim como novas disputas entre governos europeus.

Quando estiver totalmente implementado, o tratado vai retirar tarifas sobre 91% dos produtos que a UE exporta para o bloco sul-americano em 10 anos. No sentido contrário, serão retiradas tarifas de 92% dos produtos que o Mercosul embarca para o bloco europeu no mesmo período.

O acordo zera tarifas para importantes produtos agrícolas exportados pelo Brasil, como suco de laranja, frutas, café solúvel, peixes, crustáceos e óleos vegetais. Pelo lado europeu, itens como veículos e partes; maquinários; produtos químicos e farmacêuticos; vestuário e calçados e tecidos também terão tarifas de exportação eliminadas.

Pelo lado ambiental, os signatários se comprometem em aumentar a proteção das florestas, além de reduzir a emissão de gases do efeito estufa, pelo Acordo de Paris.

A eliminação de tarifas entre os dois blocos em até quatro anos, apenas sobre produtos manufaturados em setores como químicos, máquinas e equipamentos, pode levar a um incremento comercial de US$ 100 bilhões, dos quais o Brasil contribui com US$ 3,5 bilhões.

Cúpula do Mercosul: Bolívia no bloco e acordo com Singapura

Começou hoje no Rio de Janeiro a Cúpula Social do Mercosul, que vai reunir autoridades e representantes da sociedade civil. Esse evento acontece antes da Cúpula de Líderes, marcada para a próxima quinta-feira, 07/12.

A expectativa é que seja confirmado o tratado de livre comércio com Singapura. Seria o primeiro do bloco sul-americano com um país asiático e uma porta de entrada importante para a região mais dinâmica da economia global.

Singapura é um dos maiores investidores financeiros no Brasil por meio de fundos soberanos, principalmente em áreas como saneamento e infraestrutura.            

Na semana passada, o Senado brasileiro o aprovou o texto do Protocolo de Adesão da Bolívia ao Mercosul. Agora a proposta segue para ratificação de Lula.

Quer entender o que é macroeconomia e como ela afeta seu bolso? Acesse o curso gratuito Introdução à Macroeconomia, no Hub de Educação da B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.