Notícias

Arraiá da inflação: preços dos produtos típicos de festa junina avançam 11,4%

O preço de mais da metade dos itens que compõem a cesta junina acelerou nos últimos 12 meses. Para driblar altas e se acabar na quadrilha o jeito é pesquisar

Festa junina. Foto: Adobe Stock
O fubá de milho, base de diversos quitutes dessa época do ano, foi o item que mais subiu, 42,48%. Foto: Adobe Stock

Por Redação B3 Bora Investir

O tradicional grito “olha a cobra!” durante as quadrilhas em todo o país pode ser tranquilamente atualizado para “olha a inflação!”. Bolos, milho cozido, canjica, leite condensado e até a maçã do amor estão mais caros neste ano.

O aumento médio dos produtos que compõem a cesta das festas juninas foi de 11,41% nos últimos 12 meses. É o que aponta um levantamento do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (FGV IBRE). O resultado ficou bem acima da inflação ao consumidor, medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S), que está em 3,75% no mesmo período.

Dos 27 itens juninos pesquisados, apenas nove cresceram abaixo do aumento médio dos produtos e só dois itens tiveram deflação em um ano.

Veja a variação dos itens de festa junina em 12 meses:

  • ÍNDICE GERAL: 11,41%
  • Fubá de Milho: 42,48%
  • Farinha de mandioca: 38,75%
  • Milho em conserva: 34,59%
  • Milho de pipoca: 34,15%
  • Batata doce: 32,11%
  • Ovos: 29,79%
  • Leite condensado: 27,82%
  • Queijo minas: 21,65%
  • Leite de coco: 15,80%
  • Maçã: 14,61%
  • Aipim/mandioca: 14,21%
  • Bolo pronto: 13,29%
  • Leite Longa Vida: 13,21%
  • Cereja: 12,12%
  • Bebidas Destiladas: 11,75%
  • Doces e Chocolates: 11,62%
  • Refrigerantes e Água Mineral: 11,56%
  • Salsicha e Salsichão: 10,63%
  • Arroz: 10,60%
  • Amendoim: 7,85%
  • Vinho: 6,94%
  • Linguiça: 4,88%
  • Açúcar refinado: -2,16%
  • Batata- Inglesa: -18,93%

O fubá de milho, base de diversos quitutes dessa época do ano, foi o item que mais subiu, 42,48%. Essa escalada no preço do insumo comprometeu a receita do tradicional bolo de fubá. Isso porque os ovos, a farinha de trigo e o leite também acompanham o aumento e avançaram 29,79%, 17,33% e 13,21%, respectivamente.

Apenas o açúcar refinado deu um alívio para a receita, com uma queda de 2,16% no mesmo período. O jeito mesmo é apelar para o bolo pronto, que subiu menos (13,29%), mas ainda assim acima da média dos preços.

O segundo item mais caro na lista dos produtos do Arraiá foi a farinha de mandioca (38,75%), que foi seguida pelo milho em conserva (34,59%), milho de pipoca (34,15%) e a batata doce (32,11%). Também pesou no bolso a escalada nos preços do leite condensado (27,82%), queijo minas (21,65%), leite de coco (15,80%) e aipim/mandioca (14,21%).

Nem mesmo a doce e tradicional maçã do amor escapou dos preços mais salgados. A fruta ficou 14,61% mais cara. Já a batata-inglesa teve deflação de 18,93% no período.

Os produtos que compõem os quentes e deliciosos drinks das festas juninas também encareceram no acumulado dos últimos 12 meses. As bebidas destiladas, base para o tradicional Quentão, subiram 11,75%. O item foi seguido pelo vinho que avançou 6,94%. A cerveja também ficou mais cara, aumentou 12,12%, assim como refrigerantes e água mineral (11,56%).

Desaceleração tímida

O economista da FGV IBRE, Matheus Peçanha, explica que a inflação tem desacelerado nesse ano de forma mais tímida do que o esperado. Mas no caso dos itens juninos, 70% da cesta acelerou, na contramão da tendência.

“Apesar das commodities agrícolas estarem em queda, alguns problemas sazonais em culturas específicas estão atrasando essa redução nos preços, como é o caso do milho e do leite, que iniciam sua entressafra agora no inverno”.

Contudo, todo esse efeito deve ser temporário e as perspectivas para 2023 ainda são boas, como já indicam as últimas leituras no preço do milho, completa. No mês passado, a prévia da inflação mostrou uma desaceleração nos preços de 0,57% em abril para 0,51% em março.

Como muitos dos produtos juninos não têm substituto para quem quer seguir a receita tradicional, o jeito para não deixar de pular a fogueira é pesquisar. Essa é a principal dica para driblar o impacto no bolso.

Além de dar preferência a marcas menos conhecidas de qualidade semelhante, é possível reunir um grupo maior e comprar em ‘atacarejos’, para conseguir descontos maiores, recomenda Peçanha.

Quer entender o que é macroeconomia e como ela afeta seu bolso? Acesse o curso gratuito Introdução à Macroeconomia, no Hub de Educação da B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias