Notícias

Câmara aprova texto-base do novo arcabouço fiscal; votação dos destaques fica para hoje

Foram 372 votos a favor, 108 contra e uma abstenção. Para concluir a votação, deputados votam os destaques nesta quarta-feira

Brasília (DF) 23/05/2023 Sessão da Câmara dos Deputados que aprovou o Arcabouço fiscal.
A aprovação da nova regra fiscal com ampla margem na Câmara foi lida como um bom sinal para o Governo. Foto: Lula Marques/ Agência Brasil

Por Redação B3 Bora Investir

A Câmara dos Deputados aprovou, com folga, o texto-base do novo arcabouço fiscal, que vai substituir o teto de gastos na definição das regras para as contas públicas do país. O placar foi de 372 votos a favor, 108 contra e 1 abstenção.

Os parlamentares ainda precisam apreciar os destaques apresentados pelos partidos, com sugestões de mudança no parecer do relator, deputado Cláudio Cajado (PP-BA). A análise deve acontecer nesta quarta-feira, 24/05. Depois, o texto ainda vai tramitar no Senado.

A proposta condiciona o aumento de gastos ao crescimento da arrecadação. Se a regra não for cumprida, o governo terá restrições no orçamento do ano seguinte. Elaborada pela equipe econômica, a nova âncora fiscal visa garantir a execução de gastos e a ampliação de investimentos, sem descontrole das contas.

Novo arcabouço fiscal: como ficam meus investimentos?

Na manhã desta quarta-feira, o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, classificou como “expressivo” o placar da votação na Câmara. Disse ainda que o apoio no Congresso dá “confiança” para o governo avançar na discussão da reforma tributária, outra pauta prioritária do país.

“Placar expressivo, a Câmara dos Deputados deu uma demonstração de que busca um entendimento para ajudar o Brasil a recuperar taxas de crescimento mais expressivas. Isso também nos dá confiança de que a reforma tributária é a próxima tarefa a cumprir”, disse Haddad.

Ontem, logo após a aprovação, o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), afirmou que a votação representa uma sinalização para o país, e não só para o mercado. “Com as modificações que ocorreram por parte da Câmara a gente dá a exata a noção de que o Brasil não abriu mão da responsabilidade fiscal, mas vai olhar também para as desigualdades sociais e econômicas”.

Mudanças no texto

A proposta do novo arcabouço fiscal sofreu algumas alterações de última hora, feitas pelo relator, pouco antes da aprovação do texto em plenário. A principal delas vai obrigar o governo a aumentar ainda mais a arrecadação de impostos em 2024 para conseguir gastar mais. Estabeleceu-se que o aumento de 2,5% dos gastos públicos no ano que vem dependerá da elevação na arrecadação.

Na semana passada, o relatório de Cajado previa que esse aumento na despesa em 2024 ocorreria independente de uma elevação na receita. Com esse dispositivo, os economistas do mercado financeiro calcularam que o governo teria R$ 80 bilhões a mais de caixa para usar em 2024.

Agora o relator excluiu esse aumento automático, mas permitiu um ajuste por crédito suplementar se a arrecadação for maior que a esperada entre o segundo bimestre de 2024 (abril) e a data de elaboração da Lei Orçamentária Anual (LOA). Se, ao final do ano, isso não se realizar, a diferença será descontada do gasto de 2025.

Importante lembrar que pela nova regra, o crescimento real das despesas será equivalente a 70% do aumento das receitas entre julho de 2022 a junho de 2023. A comparação será com o mesmo período do ano anterior, em intervalo entre 0,6% e 2,5%.

O que é o arcabouço fiscal que vai substituir o teto de gastos? Confira!

O projeto aprovado na Câmara mantém o bloqueio de despesas ao longo do ano caso a meta fiscal não esteja sendo cumprida. Por outro lado, só será possível bloquear até 25% do total dos investimentos, custeio da máquina pública e emendas. Assim, o governo não poderá escolher bloquear emendas parlamentares e preservar investimentos, por exemplo.

Os parlamentares também reduziram o piso de investimento anual. A Fazenda propôs um piso de R$ 75 bilhões, atualizado anualmente pela inflação. Agora, esse piso será de 0,6% do PIB, o que em 2024 dará um valor um pouco menor, de R$ 60 bilhões. Esse movimento vai permitir a ampliação de gastos obrigatórios, como salários de servidores.

Pelo texto aprovado, o ministro da Fazenda terá de comparecer em comissões do Congresso Nacional três vezes por ano (maio, setembro e fevereiro) para apresentar os números da dívida pública e o cumprimento da trajetória estipulada. O mesmo vai se dar aos Estados.

No novo texto, o crescimento da complementação da União ao Fundo de Financiamento da Educação Básica (Fundeb), prevista na Constituição e vinculada à receita dos estados, ficará no teto estipulado pelo arcabouço. Segundo o relator, as novas regras não limitam os recursos do fundo.

Relembre os principais pontos da proposta

  1. O crescimento dos gastos públicos fica limitado a 70% do crescimento da arrecadação do governo, caso a meta seja cumprida. No entanto o incremento da receita terá de respeitar um intervalo fixo entre 0,6% e 2,5%;
  2. Se a meta não for cumprida, no ano seguinte o aumento real das despesas será limitado a 50% da alta da arrecadação do governo;
  3. O governo terá de cumprir as metas fiscais de zerar déficit (receita igual a despesas) em 2024 e ter superávit (mais arrecadação que gastos) de 0,5% em 2025 e de 1% em 2026. Em todos os casos, há uma ‘banda de tolerância’ de 0,25 ponto percentual para mais ou para menos.
  4. O descumprimento das regras fiscais pelo governo não será crime. No entanto não será possível desrespeitar os gatilhos e contingenciamentos.

Os gatilhos do arcabouço

Caso as receitas não cresçam como o projetado, o governo será obrigado a contingenciar despesas. Já se for feito o contingenciamento, e mesmo assim as metas fiscais não forem cumpridas, gatilhos serão acionados sobre as despesas.

Caso, no primeiro ano, o governo descumpra as metas fiscais, será proibido:

  • Criação de cargos,
  • Alteração de estrutura de carreira
  • Criação ou majoração de auxílios,
  • Criação de despesa obrigatória,
  • Reajuste de despesa obrigatória acima da inflação,
  • Ampliação de subsídios e subvenções, concessão ou ampliação de benefício tributário;

Caso, o governo continue sem cumprir as metas pelo segundo ano, novas travas são acionadas. Fica, então, proibido:

  • Aumento e reajustes na despesa com pessoal, como aumento de salários;
  • Admissão ou contratação de pessoal, exceto para reposição de cargos vagos;
  • Realização de concurso público, exceto para reposição de cargos vagos.

Ficam de fora desses gatilhos de contenção de despesas: o reajuste real do salário mínimo e os reajustes anuais do Bolsa Família.

Quer entender o que é macroeconomia e como ela afeta seu bolso? Acesse o curso gratuito Introdução à Macroeconomia, no Hub de Educação da B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias