Notícias

Inflação controlada: como os Bancos Centrais definem a taxa de juros?

Principais economias do mundo, como a do Reino Unido, usam os juros para controlar inflação

Bandeira da Inglaterra em frente ao Banco Central
Frente à queda da Libra, é esperado que o Banco Central da Inglaterra faça um comunicado ainda hoje. Foto: Adobe Stock

Quem acompanha o noticiário de economia já deve ter percebido que inflação e juros caminham lado a lado – é quase impossível falar de um sem citar o outro. O que alguns podem não saber ainda é que a taxa de juros é definida por Bancos Centrais e responde diretamente à de inflação, e quando esta fica alta, aquela é aumentada como medida de controle do aumento dos preços. Para saber mais sobre como funciona esse mecanismo, confira a reportagem a seguir com as explicações do professor da B3 Educação, André Massaro.

Quem define a taxa de juros?

Uma boa maneira de começar a entender é pensar que enquanto a inflação varia por uma série de fatores, os juros são definidos apenas por critérios técnicos, e os responsáveis por essa definição são os Bancos Centrais de cada país.

Uma vez que a inflação é um índice geral de preços, seu aumento muitas vezes responde à lei da oferta e demanda. Por exemplo, se durante a pandemia o governo de um país ofereceu auxílio econômico à população, na prática ele injetou dinheiro na economia, provocando alta inflacionária – mais dinheiro circulando corresponde a mais consumo e, de acordo com a lei da oferta e demanda, se há muita procura por determinados produtos ou serviços, a tendência é que seus preços aumentem. Por outro lado, se a economia está desestimulada e não há procura, é de se esperar que os preços baixem.

É num quadro de inflação alta que os Bancos Centrais aumentam as taxas de juros. Uma vez que influencia diretamente no valor de compras parceladas e linhas de crédito pré-aprovadas, como cheque especial e cartão de crédito, o aumento da taxa de juros consegue frear o consumo e, por consequência, a alta da inflação.

“O aumento da taxa de juros nunca é positivo”, explica André Massaro, professor da B3 Educação, “pois, além de penalizar a população, ela também penaliza o próprio governo, que passa a dever mais, pensando nos títulos de renda fixa que emite. A alta dos juros é um remédio amargo contra uma realidade ainda mais amarga: a alta da inflação.”

Se por um lado a alta dos juros pode frear a inflação, por outro inibe a atividade econômica que, além do consumo, inclui também a geração de empregos. “Num quadro de inflação baixa, as pessoas estão consumindo e as empresas contratando. Já com juros altos, a economia pode ficar estagnada”, conclui Massaro.

Como os juros são definidos no mundo?

Segundo Massaro, a definição das taxas de juros pelos principais bancos centrais do mundo segue o mesmo mecanismo de combate à inflação.

Um exemplo é o caso do Reino Unido. Em julho de 2022, o país alcançou inflação de 10,1%, a mais elevada em quarenta anos. Em resposta, o Banco Central da Inglaterra – BoE na sigla em inglês – elevou as taxas de juros, de 1,75% para 2,25% no último ajuste.

O caso do Reino Unido possui uma peculiaridade, observa Massaro: “enquanto a taxa de juros foi aumentada pelo Banco Central para combater a inflação, o novo governo cortou impostos. Isso faz mais dinheiro circular na economia, porque não está sendo arrecado pelo Estado, e faz aumentar a inflação. Portanto, hoje o Reino Unido vive uma situação contraditória.”

Enquanto o pacote fiscal anunciado pelo novo governo do Reino Unido fez a libra despencar à mínima histórica de US$ 1,0351, é esperado que o BoE divulgue um comunicado ainda hoje, à medida que cresce a pressão para que uma intervenção seja feita para apoiar a economia.

Outro exemplo é o Federal Reserve (Fed), o Banco Central dos Estados Unidos, que voltou às manchetes nas últimas semanas, graças aos recentes aumento das taxas de juros. Na última quarta-feira, 21 de setembro, foi estabelecida numa faixa de 3% a 3,25% – trata-se da quinta vez no ano em que os juros são aumentados. Comparado com o Brasil, os Estados Unidos parecem ter taxas baixas; entretando, o valor é alto tendo em vista o histórico do país. Para se ter uma ideia, a última vez em que os juros norte-americanos atingiram o atual patamar foi em 2008, ano da maior crise econômica recente dos EUA.

Para saber mais sobre a economia mundial após a pandemia, não deixe de ver o vídeo preparado pela B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias