Notícias

Copom reitera cortes de 0,5 p.p. na Selic e vê caminho longo para inflação chegar na meta

Cenário consta na ata da última reunião do Comitê, que desacelerou a Selic para 11,75% ao ano. Copom também reforçou recado sobre metas para as contas públicas.

Fachada Banco Central do Brasil
Logo do Banco Central: na semana passada, o colegiado manteve a taxa Selic em 13,75% ao ano pela sexta reunião consecutiva. Foto: Marcello Casal Jr / Agência Brasil

Por Redação B3 Bora Investir

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central avaliou que vai continuar a promover novos cortes de 0,5 ponto percentual na taxa básica de juros nas próximas reuniões. Segundo o colegiado, esse cenário mantém “a política monetária contracionista necessária para o processo desinflacionário.

A informação consta na ata da reunião da semana passada que desacelerou a Selic para 11,75% a.a., menor patamar em quase dois anos. Foi o quarto corte seguido dos juros. O documento foi publicado nesta terça-feira, 19/12.

“Optou-se por manter a comunicação recente, que já embute a condicionalidade apropriada em um ambiente incerto, especificando o curso de ação caso se confirme o cenário esperado”, diz um trecho do documento.

Em relação a extensão do ciclo de cortes da Selic, o Copom afirmou que isso “dependerá da evolução da dinâmica inflacionária, em especial dos componentes mais sensíveis à política monetária e à atividade econômica”.

Para o economista-chefe da Nova Futura, Nicolas Borsoi, a ata confirma que não haverá aceleração nos cortes da Selic, como foi aventado por alguns analistas nas últimas semanas.

“O Copom só mudará seus planos se a economia tiver uma desaceleração mais intensa, o que poderia levar a uma queda da inflação mais rápida, o que respingaria no processo de reancoragem das expectativas. Não vejo motivos para mudar o cenário e seguimos com Selic em 9,5% em 2024 e 8,5% em 2025”.

“Caminho longo” em direção a meta

O documento afirmou que a inflação ao consumidor segue uma trajetória de queda, mas que as expectativas do mercado, e do próprio BC, seguem “desancoradas”, ou seja, longe da meta de 3% fixada para os próximos dois anos. O Copom vê esse cenário com preocupação.

“O Comitê avalia que houve um progresso desinflacionário relevante, em linha com o antecipado, mas ainda há um caminho longo a percorrer para a ancoragem das expectativas e o retorno da inflação à meta, o que exige serenidade e moderação na condução da política monetária”, acrescentou.

Segundo o Comitê, as incertezas no cenário externo, que tem se mostrado volátil, ainda exigem cautela, apesar de um quadro de inflação em desaceleração. Entre os desafios, o Copom destaca “o contexto geopolítico incerto e os mercados de trabalho aquecidos”.

Moderação do crescimento econômico

Em relação a economia brasileira, o colegiado avaliou que “houve uma moderação do crescimento econômico”, em linha com o esperado. Mas ponderou que “a resiliência do consumo das famílias”, com o aumento da renda, tem gerado preocupação.

No 3º trimestre, o Produto Interno Bruto do país surpreendeu e avançou 0,1%, acima do esperado pelo mercado. Essa aumento foi puxado justamente pelo consumo das famílias.

Em outro trecho, o Copom afirmou que “a evolução do hiato do produto [que mede a ociosidade da economia] e o comportamento do mercado de trabalho foram considerados muito relevantes para determinar a velocidade com que a inflação atingirá a meta”.

“O mercado de trabalho está em situação de aquecimento, o que tem gerado pressões salariais reais, o que deve ser transitório. No entanto, diferente da ata anterior, o Copom afirma que é preciso acompanhar de forma minuciosa essa dinâmica de salários”, explica Bolsoi.

O recado sobre as metas fiscais

A ata da última reunião do Copom voltou a reforçar o recado para o governo seguir em busca da meta fiscal para as contas públicas – inclusive da projeção de déficit zero em 2024.

“Tendo em conta a importância da execução das metas fiscais já estabelecidas para a ancoragem das expectativas de inflação e, consequentemente, para a condução da política monetária, o Comitê reafirma a importância da firme persecução dessas metas”.

Ao não atingir a meta fiscal, o governo eleva o montante de recursos na economia, o que pressiona a inflação.

Ainda segundo o colegiado, um “esmorecimento” na aprovação de reformas e na disciplina fiscal, além de um aumento do crédito direcionado, pode trazer incertezas sobre a estabilização da dívida o pública. Isso pode elevar a taxa de juros neutra da economia, que controla a inflação e permite crescimento do PIB.

Quer entender o que é macroeconomia e como ela afeta seu bolso? Acesse o curso gratuito Introdução à Macroeconomia, no Hub de Educação da B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias