Empresas

Lucro da Caixa encolhe 43% em 2022; banco provisionou 50% da dívida com a Americanas

Queda no resultado do 4º trimestre da Caixa vem diante da exposição do banco à varejista. Presidente da CEF criticou programas geridos pelo banco no governo anterior

Caixa. Foto: José Cruz/Agência Brasil
O balanço da CEF veio em linha com os resultados negativos dos três maiores bancos privados do país. Foto: José Cruz/Agência Brasil

Por Redação B3 Bora Investir

A Caixa Econômica Federal (CEF) registrou lucro líquido de R$ 2,2 bilhões no 4º trimestre de 2022, ante R$ 3,2 bilhões no mesmo período de 2021 (-32,4%). Na comparação com os três meses anteriores, a queda chega a 32,5%. Em todo o ano passado, o resultado totalizou R$ 9,8 bilhões, redução de 43,4% em relação a 2021 (R$ 17,2 bilhões).

O balanço da CEF veio em linha com os resultados negativos dos três maiores bancos privados do país. Bradesco, Itaú Unibanco e Santander tiveram queda de 21,2% no lucro líquido no ano passado – ainda reflexo dos efeitos da pandemia na economia. O balanço do banco público se refere aos últimos três meses de gestão da economista Daniella Marques. Hoje a Caixa é comandada por Rita Serrano, indicada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Durante a apresentação dos resultados nesta quinta-feira, 23/03, o vice-presidente de finanças e controladoria da Caixa, Marcos Brasiliano Rocha, afirmou que por ser um banco público, o resultado da instituição não pode ser medido apenas pelo lucro e sim pela entrega para a sociedade.

“A Caixa tem um papel social importante, ela geralmente entra de maneira anticíclica no seu planejamento. A Caixa não para de emprestar quando todo mundo para”, afirmou.

A presidente da CEF fez fortes críticas a gestões anteriores e destacou o período complicado que viveu o banco diante da venda de ativos, alta rotatividade de empregados e aumento de casos de assédio moral contra empregados. “A Caixa vendeu R$ 58 bilhões em ativos entre 2019 e 2021; e isso não se repetirá mais. A Caixa será uma empresa pública, rentável, sustentável, com integridade e governança”.

Rita Serrano também criticou programas geridos pela Caixa durante o governo de Jair Bolsonaro (PL). “O banco adotou programas do governo federal controversos, como o programa de microfinanças, que tem 80% de inadimplência e impactou no provisionamento do banco. Embora tenha um fundo que vai cobrir essas perdas, só vai entrar nos cofres do banco a partir deste ano”, concluiu.

Concessão de crédito

A carteira de crédito da CEF atingiu R$ 1 trilhão, com alta de 16,7% em um ano. Apenas no último trimestre foram concedidos R$ 123,9 bilhões em crédito – crescimento de 7,2% em 12 meses.

O crédito imobiliário representa a maior parcela de empréstimos pelo banco público. A Caixa é líder no mercado brasileiro desse tipo de crédito e tem 66,2% de todas as concessões do país. Em 2022, a instituição tinha saldo de R$ 637,9 bilhões, alta de 13,6% em um ano. Em seguida estão o crédito comercial (R$ 231 bilhões), consignado (R$ 102,5 bilhões), infraestrutura (R$ 99,3 bilhões) e agronegócio (R$ 44,1 bilhões).

O índice de inadimplência avançou para 2,09% no quarto trimestre de 2022. Na carteira comercial a alta foi ainda maior 4,41%. Já nos empréstimos imobiliários a inadimplência caiu para 1,70%.

Exposição à Americanas

Mesmo sem citar nominalmente à Americanas, a Caixa reconheceu que teve impactos no seu balanço do 4º trimestre relativo ao caso específico de um grupo empresarial de grande porte que entrou em recuperação judicial.

O banco público informou que reforçou a provisão para créditos de liquidação duvidosa, no montante de R$ 249 milhões. Essa cifra representa o provisionamento de 50% da carteira em virtude da piora no risco de crédito. A exposição da Caixa à varejista era de R$ 501 milhões.

Diante desse resultado, a provisão para devedores duvidosos (PDD) cresceu 70% no último trimestre do ano passado, um valor de R$ 4,938 bilhões. A alta em 12 meses chega a 67,5%.

Quer saber mais sobre investimentos e finanças? Acesse os conteúdos gratuitos do Hub de Educação Financeira da B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias