Empresas

Méliuz aprova grupamento e desdobramento de ações. Entenda

Objetivo é ajustar base acionária da companhia e tornar preço da ação mais atrativo. Papel encerrou pregão cotado a R$ 1

Escritório da Méliuz em Manaus. Foto: Divulgação/Méliuz
Escritório da Méliuz em Manaus. Foto: Divulgação/Méliuz

Por Redação B3 Bora Investir

O conselho de administração do Méliuz (CASH3) aprovou o grupamento e desdobramentos simultâneos das suas ações ordinárias, segundo nota divulgada pelo Investnews.

De acordo com a proposta da companhia, cada grupo de cem ações seria agrupado em uma ação e cada ação será desdobrada em dez ações, sem alteração no valor do capital social atual.

As operações, segundo a companhia, têm como objetivo ajustar a sua base acionária. Essa base é atualmente composta por um grande número de acionistas que possuem participações inferiores ao lote padrão de 100 ações.

O objetivo, diz o fato relevante, é gerar eficiência e reduzir custos operacionais e administrativos. Dessa forma, é possível ajustar a cotação das ações, tornando o preço por papel mais atrativo a um maior número de investidores.

As ações da Méliuz encerraram o pregão ontem valendo R$ 1.

O que é grupamento e desdobramento de ações?

O valor da ação não deve ser tão grande ao ponto de tornar o lote mínimo de negociação um valor muito elevado, nem tão pequeno ao ponto de fazer com que as menores oscilações de preço representem variações percentuais relevantes.

Com o desdobramento e o grupamento de ações, é possível manter o preço de negociação dos papéis em uma faixa acessível para diferentes perfis de investidor e, ao mesmo tempo, evitar movimentos meramente especulativos.

No desdobramento de ações, quando a ação atinge um valor considerado alto, pode optar por desdobrá-la em duas ou mais ações (split). Dessa forma, a companhia aumenta a quantidade de ações, porém mantém o capital social inalterado. O acionista passa a deter uma quantidade maior de ações a um preço menor, mantendo o valor financeiro investido. Como benefício, ele aumenta a liquidez dos papéis.

Já quando uma empresa deseja diminuir a quantidade de papeis em circulação, aumentando seu valor por ação, ela tem a opção de fazer o grupamento de ações (inplit ou reverse split). Com o grupamento, não há alteração do capital social e não muda o valor financeiro dos papeis que o investidor já possui da empresa.

O mecanismo diminui a liquidez das ações, a torna elegível ao Índice B3 e aos demais índices da B3, já que penny stocks não são elegíveis. Também facilita o fluxo de negócios – com oscilações menos abruptas, a ação deixa de entrar em leilão constantemente

Como funciona o desdobramento e grupamento de ações?

Existem algumas etapas regulatórias que devem ser cumpridas para que seja realizado o desdobramento de ações.

Primeiro é necessário divulgar o edital de convocação da Assembleia Geral Extraordinária (AGE) e da proposta da administração 15 dias antes da realização da AGE, contendo fator de desdobramento; data da posição acionária considerada para o desdobramento; e data de crédito das ações.

Na AGE, a assembleia delibera o desdobramento nas condições descritas no edital de convocação e na proposta da administração. A empresa deve divulgar o sumário das deliberações ou a própria ata da assembleia. Caso a empresa opte por divulgar o sumário das deliberações na data da realização da AGE, ela terá que divulgar a ata até sete dias depois.

Depois, as ações passam a negociar desdobradas. As ações desdobradas passam a ser creditadas aos acionistas quatro dias após a realização da AGE.

Já em relação ao grupamento, independentemente do fator, alguns investidores terão sua participação reduzida a uma ação. Então, para que o grupamento de ações não elimine acionistas minoritários, é preciso assegurar que continuem a integrar o quadro acionário com pelo menos uma unidade nova de capital, desde que manifestem essa intenção no prazo estabelecido em assembleia geral.

Para saber ainda mais sobre investimentos e educação financeira, não deixe de visitar o Hub de Educação da B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias