Notícias

Entenda a discussão em torno de uma possível elevação das metas de inflação

Debate sobre alterações começou após críticas do presidente Lula à condução da política monetária pelo Banco Central. Mercado tem reagido com instabilidade

Dinheiro. Foto: Marcelo Casal Jr./Agência Brasil
A economia é cheia de correlação, mas nenhuma delas tem relação com as demais. Foto: Marcelo Casal Jr./Agência Brasil

Por Redação B3 Bora Investir

As discussões relacionadas à possibilidade de alteração nas metas de inflação continuam no radar dos investidores desde o início de fevereiro. Os ruídos em torno do tema começaram após as duras críticas feitas pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) à condução da política monetária por Roberto Campos Neto, que comanda o Banco Central (BC).

A alteração da meta foi incluída na reunião do Conselho Monetário Nacional (CMN) desta semana. O colegiado – que define a meta de inflação a ser perseguida pelo BC – é composto pelos ministros da Fazenda, Fernando Haddad; do Planejamento, Simone Tebet; e pelo próprio Campos Neto.

O economista-chefe do Banco Master, Paulo Gala, acredita que a mudança na meta de inflação é o caminho mais natural para resolver os embates entre o governo e o BC.

“O mercado está estressado com essa ideia de mudança na meta. A novidade que veio de Brasília é a notícia de que o Campos Neto estaria disposto a considerar a mudança. Me parece que é a via mais fácil para resolver esse imbróglio. Em relação à autonomia do BC, eu não acho que o governo vai mudar a lei, até porque depende do Congresso. Também não acho que vá acontecer qualquer coisa com o Campos Neto até o final do mandato dele”, afirma

A meta de inflação para este ano é de 3,25% – com margem de tolerância de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo, ou seja, entre 1,75% e 4,75%. Para os próximos dois anos, o valor está em 3%. Quando as metas são muito baixas, o Banco Central é obrigado a elevar a taxa básica de juros (Selic) para esfriar a economia e controlar a alta dos preços.

+ Inflação: o que é, como afeta seu bolso e como se proteger

As metas de inflação deste ano e dos próximos dois foram definidas pelo Conselho Monetário Nacional entre 2018 e 2019 – antes da pandemia – quando a inflação estava mais controlada em todo o planeta. De lá para cá, as economias brasileira e mundial sofreram fortes mudanças decorrentes da Covid-19.

“Foi uma mudança brutal de contexto inflacionário – primeiro por conta da interrupção e dos gargalos de cadeias produtivas e depois pelas próprias transformações estruturais que ainda estão acontecendo. Muitas indústrias saindo da China e vindo para a Europa, EUA, inclusive para o Brasil e a América Latina. Toda essa reestruturação tem um impacto inflacionário bastante grande, porque os custos de produção no Ocidente são muito maiores do que no Oriente. Com o medo de conflito na Ucrânia e as relações estremecidas com China há essa mudança nas chamadas cadeias globais”, explica Paulo Gala.

Segundo o economista-chefe do Banco Master, durante os últimos 20 anos do regime de metas de inflação, a média dos preços no Brasil ficou próxima de 6% e raramente abaixo de 4%. Portanto, diante desse histórico, perseguir uma meta de 3% é muito difícil. Para Paulo Gala, o país deve caminhar para uma mudança de meta nos próximos meses.

“Eu acho que o governo vai se mobilizar e encaminhar uma mudança de meta para o ano que vem – eventualmente 3,5% ou 4%. Isso vai liberar um pouco o Banco Central para fazer uma política monetária mais acomodatícia, mais expansionista. Veja que a expectativa de inflação para 2024 ainda está abaixo de 4%. Essa mudança não é trivial, mas diante de todos os males, me parece que é o menor. Afinal faz mais sentido mudar a meta, do que mexer na independência do Banco Central”, conclui.

Quer entender o que é macroeconomia e como ela afeta seu bolso? Acesse o curso gratuito Introdução à Macroeconomia, no Hub de Educação da B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias