Notícias

Entenda o que está em jogo na ‘Pec da Transição’; relator já apresentou mudanças

Relator da proposta no Senado já apresentou uma nova versão do texto, reduzindo de 4 para 2 anos o período em que o Bolsa Família ficará fora do teto

Foto do Senado em Brasília
O valor de R$ 198 bilhões fora do teto de gastos e por quanto tempo ele deve permanecer são os principais entraves para um acordo. Foto: Marcello Casal Jr./ Agência Brasil

Por Redação B3 Bora Investir

A Pec da Transição – que prevê a retirada do Bolsa Família do teto de gastos por 4 anos – começou a ser analisada nesta terça-feira, 06/12, na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado. O valor de R$ 198 bilhões fora do teto de gastos – que é a regra que trava as despesas federais – e por quanto tempo ele deve permanecer, são os principais entraves para um acordo entre os parlamentares.

No início da sessão de hoje, o relator da proposta, Alexandre Silveira (PSD-MG), já anunciou a redução do prazo de exceção do Bolsa Família ao teto de gastos de quatro para dois anos. No entanto, o Senador manteve a permissão de gastos de R$ 198 bilhões – valor pedido pela equipe do presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

A outra mudança apresentada pelo relator é que ao invés de tirar o Bolsa Família do teto de gastos de forma total, cria-se um valor fixo – R$ 175 bilhões – de ampliação do teto. Essa cifra equivale ao custo total do programa de R$ 600 com o adicional de R$ 150 por criança de até seis anos. O resto dos gastos viriam da autorização para ampliar investimentos – em caso de excesso de arrecadação – no valor de R$ 22,9 bilhões nos próximos dois anos.

“O grande temor do mercado financeiro era não ter esse valor pré-fixado. Eu fiz um misto de aprovar a tese de retirar do teto de gastos, mas ao mesmo tempo pré-fixar o valor para dar previsibilidade”, afirmou Alexandre Silveira.

+ Responsabilidade fiscal: como funciona e por que tem a ver com seu bolso

O relator também colocou um dispositivo fixando como prazo máximo o ano de 2023 para o governo eleito apresentar a proposta de um novo arcabouço fiscal, em substituição ao teto de gastos.

+ Descontrole fiscal é o principal obstáculo para o crescimento da economia brasileira

Prioridade do novo governo

O temor do novo governo hoje é que a discussão na CCJ se prolongue, o que pode atrasar o andamento da proposta e travar a apreciação pelo Plenário do Senado marcada para quarta-feira, 07/12.

A proposta de Emenda à Constituição que abre espaço no Orçamento de 2023 para pagar o Bolsa Família é prioridade do governo eleito. No entanto, já se admite que o tamanho das despesas extras deve cair para conseguir que o texto seja aprovado.

Próximos passos da Pec da Transição

Após a aprovação da Pec da Transição na Comissão de Constituição e Justiça do Senado, texto vai para votação no plenário – que pode ocorrer já nesta quarta-feira. Lá a Pec precisa ser aprovada em dois turnos com no mínimo 49 votos entre 81 senadores, o que equivale a três quintos do total de parlamentares.

Aprovado, o texto é encaminhado para a Câmara dos Deputados onde também precisa passar pela CCJ, antes de ir a Plenário – onde a proposta precisa obter 308 votos, entre 513 parlamentares, ou seja, três quintos dos deputados. A votação também ocorre em dois turnos e pode ser feita no mesmo dia.

Passada essa etapa, caso o texto seja aprovado sem alterações em relação ao que veio do Senado, a proposta já poderá ser promulgada. Se houver alguma alteração, os senadores precisam votar o texto novamente.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.