Notícias

EUA: inflação desacelera em dezembro e atinge menor patamar em mais de um ano

O resultado veio dentro da expectativa dos analistas e sinaliza o caminho para uma desaceleração dos juros da economia americana

Brasão do sistema de reserva federal dos Estados Unidos
O índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) caiu 0,1% em dezembro, depois de ter registrado crescimento de 0,1% em novembro e avanço de 0,4% em outubro e setembro. Foto: Adobe Stock

Por Redação B3 Bora Investir

A inflação dos Estados Unidos continuou a perder ritmo em dezembro e voltou a apontar que a pressão dos preços atingiu o pico. Esse resultado reforça a expectativa do mercado de que o Federal Reserve – o banco central americano – está no caminho para desacelerar a alta das taxas de juros no país.

O índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) caiu 0,1% em dezembro, depois de ter registrado crescimento de 0,1% em novembro e avanço de 0,4% em outubro e setembro. No acumulado de 12 meses, o avanço foi de 6,5% em dezembro, uma evidente desaceleração na comparação com os últimos seis meses. É o menor valor desde outubro de 2021.

+ O que é inflação? Entenda e saiba como se proteger

Os dados foram divulgados nesta quinta-feira, 12/01, pelo Departamento de Trabalho americano. Eles vieram dentro da expectativa do mercado em todos os seus recortes, exceto o núcleo do CPI mensal.

O economista-chefe do Banco Master, Paulo Gala, afirma que a inflação americana dando sinais de queda é uma boa notícia, pois abre uma porta para que o Fed decida por uma nova redução no ritmo de sua alta de juros.

“A gente começa bem o ano de 2023 com essa visão de inflação cedendo nos Estados Unidos, o que aumenta a chance de o Fed subir os juros só 0,25 pontos percentuais na próxima reunião de fevereiro [para o intervalo de 4,50% e 4,75%]”.

Taxa anual de inflação nos Estados Unidos

O chamado núcleo do CPI – que exclui alimentos e energia – subiu 0,3% no mês passado ante a alta de 0,2% de novembro – leve avanço esperado pelo mercado. Na base anual, a alta foi de 5,7% em relação ao ano anterior, o ritmo mais lento desde dezembro de 2021. Segundo o Departamento de Trabalho americano, a queda no indicador de gasolina no mês de dezembro compensou a alta de todos os demais indicadores, incluindo moradia e alimentação.

Paulo Gala explica ainda que todos os preços da economia americana têm apontado no sentido da consolidação na queda da inflação – o que é um cenário bastante auspicioso para os ativos financeiros nos próximos meses.

“Os gráficos mostram claramente esse pico inflacionário que parece ter ficado para trás. Todos os preços têm apontado nesse sentido: de carros usados, novos, aluguéis despencando, preço dos imóveis caindo entre 5% e 10%. O Petróleo, apesar de ter subido hoje, voltou para US$ 83, ou seja, uma queda brutal em relação ao que a gente viu no meio do ano passado”.

O economista-chefe do Banco Master destaca ainda a queda nos preços dos combustíveis e insumos para a construção civil.

“A gasolina nos Estados Unidos foi para mais próximo de US$ 3, chegou a atingir US$ 5. Os preços de gás natural também nas mínimas em vários meses, após o inverno um pouco mais brando. E tem os preços de madeira de construção civil que também despencaram”.

Para mais conteúdos sobre macroeconomia, confira o Hub de Educação Financeira da B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.