Notícias

EUA: inflação se mantém elevada em janeiro e sobe pressão sobre juros

Índice avançou 0,5% em janeiro - maior alta em três meses - apesar de vir em linha com o esperado pelo mercado. No acumulado de 12 meses, avanço é de 6,4%

Brasão do sistema de reserva federal dos Estados Unidos
O índice (CPI, na sigla em inglês) subiu 0,5% em janeiro, maior alta em três meses. Foto: Adobe Stock

Por Redação B3 Bora Investir

Os preços ao consumidor dos Estados Unidos avançaram rápido no início do ano, em um sinal que as pressões inflacionárias seguem persistentes e podem levar o Federal Reserve (Fed) – banco central americano – a elevar as taxas de juros mais que o esperado pelos analistas.

O índice (CPI, na sigla em inglês) subiu 0,5% em janeiro, maior alta em três meses, impulsionada pelos custos de energia e moradia. Os dados foram publicados nesta terça-feira, 14/02, pelo Departamento do Trabalho americano. O resultado veio em linha com o esperado pelos economistas.

No acumulado de 12 meses até janeiro, a inflação americana avançou 6,4%, uma leve perda de ritmo na comparação com o aumento anual de 6,5% de dezembro de 2022. (acompanhe no gráfico)

TAXA ANUAL DE INFLAÇÃO – ESTADOS UNIDOS
Fonte: Departamento do Trabalho

O núcleo de inflação, que exclui preços mais voláteis como energia e alimentos, avançou 0,4%, mesmo resultado de dezembro. Em um ano, a alta foi de 5,6%, antes 5,75% no mês anterior.

O principal impacto nos preços em janeiro veio do grupo habitação, que subiu 0,7%, por conta da alta no valor dos aluguéis. Também influenciaram no resultado, o avanço nos preços de alimentação (0,5%), gasolina (2,4%) e gás natural (6,7%).

“O fato de a inflação dos EUA já no primeiro mês do ano acumular 0,5% quase que impossibilita o cumprimento da meta de 2% para 2023 com a taxa de juros atual. Não me surpreenderia se o FED contrariasse as expectativas do mercado e estendesse sua postura hawkish até o meio do ano”, afirmam os economistas da consultoria Henle.

Juros

Em fevereiro, o Federal Reserve voltou a subir os juros americanos em 0,25 ponto percentual para conter a maior alta de preços no país em 40 anos. Apesar da desaceleração vista nos últimos meses, a inflação continua distante da meta de 2%, o que sugere que os juros devem continuar elevados por um certo tempo.

O mercado de trabalho ainda resiliente também preocupa o Fed, uma vez que ao se manter mais aquecido provoca um aumento da demanda na economia, o que eleva os preços. Em janeiro, os EUA geraram mais de 517 mil novas vagas, acima do esperado pelos analistas, que previam avanço de 190 mil.

Impacto no mercado brasileiro

O avanço dos juros na maior economia do planeta impacta nos investimentos e no câmbio brasileiro. Ao subir os juros nos Estados Unidos, os ativos do Brasil ficam menos atraentes para os investidores estrangeiros – já que fica mais seguro e rentável aplicar em papéis do Tesouro americano. Com menos entrada de dinheiro no país, a moeda americana se aprecia frente ao real.

O dólar mais forte encarece o preço de produtos importados, commodities e itens de alta tecnologia. A apreciação do câmbio, impacta a inflação brasileira já que os insumos importados pela indústria ficam mais caros.

O efeito mais sentido no dia a dia do brasileiro com a alta da moeda americana é o preço dos combustíveis – já que petróleo é atrelado ao valor no mercado internacional. Assim, gasolina e diesel mais caros também puxam a inflação para cima, o custo do frete no transporte que chega na ponta aos alimentos, por exemplo.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias