Notícias

Inflação sobe 0,28% em novembro com alta no preço dos alimentos

Apesar do avanço, essa foi a menor taxa para o mês desde 2018 e veio abaixo do esperado pelo mercado. Em 12 meses, IPCA acumula alta de 4,68%, abaixo do teto da meta

Vendedores e frequentadores na Feira da Ceilândia. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
Os preços dos Alimentos e Bebidas foram os que mais pesaram na formação da prévia da inflação em 2022. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Por Redação B3 Bora Investir

A inflação oficial do país, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), avançou 0,28% em novembro, ante uma alta de 0,24% em outubro, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) publicou nesta terça-feira, 12/12.

Esse é o menor resultado para o mês desde 2018 e veio abaixo do esperado pelo mercado, que previa uma alta de 0,30%.

Em 12 meses, o IPCA acumula alta de 4,68% – abaixo do teto da meta perseguida pelo Banco Central, que é de 4,75%. A meta deste ano é de 3,25% e será cumprida se o IPCA oscilar entre 1,75% e 4,75%. No ano, a inflação tem alta de 4,04%.

IPCA (Inflação) – MÊS A MÊS

Fonte: IBGE

Para o economista-chefe da Suno Research, Gustavo Sung, apesar da leve alta em novembro, a inflação segue num cenário positivo e deve terminar o ano com avanço de 4,56%.

“Quando observamos a composição do IPCA, a pressão altista veio de itens mais voláteis como alimentos e passagem área, enquanto as medidas mais importantes como a média dos núcleos, serviços subjacentes e bens industriais seguem em trajetória baixista”.

Em novembro, seis dos nove grupos pesquisados pelo IBGE tiveram alta na inflação. Acompanhe os principais resultados abaixo.

Preço dos alimentos volta a escalar

O maior impacto na alta da inflação em novembro veio do grupo de Alimentação e bebidas, que avançou 0,63%. O resultado é maior que o registrado no mês anterior, quando os preços subiram 0,31% e ocorre após uma sequência de quatro meses de quedas (junho e setembro)

A escalada nos preços veio dos produtos consumidos no domicílio, que subiram 0,75%, puxados pelas altas da cebola (26,59%), batata-inglesa (8,83%), arroz (3,63%) e carnes (1,37%).

Segundo o gerente da pesquisa, André Almeida, o impacto na alta veio dos alimentos conhecidos como in natura.

“As temperaturas mais altas e o maior volume de chuvas em diversas regiões do país são fatores que influenciam a colheita de alimentos, principalmente os mais sensíveis ao clima, como é o caso dos tubérculos, dos legumes e das hortaliças”.

A Alimentação fora do domicílio subiu 0,32%, uma leve desaceleração em relação a outubro (0,42%). A alta da refeição (0,34%) em novembro também foi menos intensa que a registrada no mês anterior (0,48%).

Habitação acelera com reajuste de tarifas públicas

O segundo maior impacto no IPCA de novembro veio de Habitação, que registrou alta de 0,48%. Segundo André Almeida, esse avanço foi influenciado por “diversos reajustes aplicados por concessionárias de serviços públicos”.

A energia elétrica residencial fechou o mês com preços 1,07% mais salgados. As taxas de água e esgoto ficaram 1,02% mais caras.

Passagens aéreas voltam a pressionar Transportes

A inflação do grupo Transportes ficou em 0,27% em novembro, uma desaceleração frente a alta de 0,35% no mês anterior.

A nova alta foi puxada pelo forte avanço no preço das passagens aéreas, que subiram 19,12%, e marcaram o maior peso individual no IPCA do mês passado. Esse foi o terceiro mês seguido de alta com dois dígitos: setembro (13,47%) e outubro (23,70%).

Na contramão, ficaram os combustíveis que tiveram deflação de 1,58% no mês. A gasolina caiu 1,69% e o etanol, 1,86%. Já o óleo diesel (0,87%) e o gás veicular (0,05%) tiveram alta em novembro.

Em 12 meses, os preços administrados (definidos pelo setor público) ainda seguem como foco de pressão na inflação brasileira, com alta de 9,07%. Os preços acumulados de emplacamentos de veículos (21,33%) e da gasolina (11,3%) explicam essa alta.

Black Friday não empolga e preços caem

As vendas da Black Friday não empolgaram em novembro e puxaram os preços de itens muito consumidos nessa época para o negativo. Destaque para as quedas dos grupos de Vestuário (-0,35%), Artigos de residência (-0,42%) e Comunicação (-0,50%).

Núcleos recuam e inflação dos serviços avança

Os núcleos da inflação brasileira, medida que capta a tendência dos preços e exclui choques temporários recuaram para 0,18% em novembro, de 0,26% em outubro, segundo a MCM Consultores.

Em 12 meses, a média dos cinco núcleos também caíram de 4,71% para 4,56%. O resultado segue abaixo do teto da meta perseguida pelo Conselho Monetário Nacional, que é de 4,75%.

Vale lembrar que o resultado desse indicador é um dos principais dados que o Comitê de Política Monetária fica de olho na hora de conduzir a taxa básica de juros. Nesta quarta-feira, 13/12, o Copom tem a última reunião do ano.

“Esse dado é uma boa notícia para o Copom que deve seguir cortando a taxa de juros nas próximas reuniões. Para esta semana, esperamos uma queda de 50 ponto percentual, levando a taxa Selic para 11,75% ao ano

Outro importante item que o Comitê leva em conta é a inflação de serviços, que apresentou uma leve alta de 5,45% para 6,06% na janela de 12 meses, segundo a economista da Órama, Eduarda Schmidt.

“Essa diferença de direção pode ser entendida pela alta em itens mais voláteis, como as passagens aéreas e não significa uma reversão de trajetória. Portanto a leitura da inflação de novembro é benigna”, afirma.

Quer entender o que é macroeconomia e como ela afeta seu bolso? Acesse o curso gratuito Introdução à Macroeconomia, no Hub de Educação da B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.