Notícias

IPCA-15 de janeiro sobe 0,78%, abaixo do que previa o mercado

Em 12 meses, a alta foi de 4,49%. Mensalidade escolar surpreendeu para cima

Moeda de 1 real em cima de uma caculadora
Combustíveis puxaram boa parte da deflação. Foto: Marcello Casal Jr. / Agência Brasil

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo – 15 (IPCA-15) registrou aceleração de 0,78% em fevereiro, após ter subido 0,31% em janeiro, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A alta registrada em fevereiro foi a mais acentuada desde abril de 2022, quando subiu 1,73%.

O resultado da inflação ficou dentro das estimativas dos analistas do mercado financeiro consultados pelo Projeções Broadcast, que esperavam uma alta de 0,55% a 0,91%, mas ficou abaixo da mediana das estimativas, que era de 0,82%.

Com o resultado anunciado hoje, o IPCA-15 registrou um aumento de 1,09% no acumulado do ano. Em 12 meses, a alta foi de 4,49%, ante taxa de 4,47% até janeiro.

Inflação 2024: sob efeito do El Niño “alimentação volta a pressionar os preços”, diz André Braz

Para Andréa Angelo, estrategista de inflação da Warren Investimentos, os serviços subjacentes continuam acelerando acima do esperado, especialmente aluguel e condomínio e serviços pessoais. “A surpresa baixista ficou concentrada em passagem aérea, repetiu o sinal de deflação visto em janeiro. E por alimentos, in natura, mais fracos (1,16% vs. alta de 1,40% projetado). Além disso, gasolina subiu menos que esperado por nós e apresentou alta de 0,84%”, afirmou ela, em nota. 

“Por outro lado, mensalidade escolar apresentou alta maior que indicada pelas coletas e por nossa projeção. Outro grupo que mostrou alta mais forte foi comunicação. Telefone celular, combo de internet apresentaram alta acima que o esperado e estes são itens que mostrarão pressão no IPCA fechado de fevereiro”, completou.

Igor Cadilhac, economista do PicPay, também destaca a piora dos serviços subjacentes como ponto negativo. “Do ponto de vista qualitativo a leitura não foi favorável. A piora dos núcleos, principalmente dos serviços subjacentes, foi uma decepção. Esse cenário acende um sinal amarelo para a política monetária, mas não altera o ritmo de cortes de 50 pontos-base do Copom”, disse, em nota.

Serviços voltam a subir

Houve, em fevereiro, aceleração dos preços livres a 0,87%, após alta de 0,44% em janeiro. O resultado ficou abaixo da mediana, que indicava aceleração da abertura a 0,93%. Também houve aceleração nos preços administrados (-0,07% para 0,51%), residualmente abaixo da mediana, que era de alta de 0,50%.

Os serviços (-0,11% para 1,13%) também voltaram a subir no IPCA-15 de fevereiro, mas a intensidade também ficou abaixo da expectativa intermediária do mercado, de alta de 1,17%. Os bens industriais (0,26% para 0,32%) também aceleraram nesta leitura, mas com intensidade abaixo da mediana das projeções, que era de 0,34%.

Houve, por outro lado, residual arrefecimento nos serviços subjacentes (0,68% para 0,65%). O resultado ficou acima da mediana do mercado, de 0,59%.

Alimentação e bebidas sobe 0,97%, ante alta de 1,53% em janeiro

Os preços de Alimentação e bebidas aumentaram 0,97% em fevereiro, após alta de 1,53% em janeiro. O grupo deu uma contribuição positiva de 0,21 ponto porcentual para o resultado do IPCA-15.

Entre os componentes do grupo, a alimentação no domicílio teve alta de 1,16% em fevereiro, após ter avançado 2,04% no mês anterior. A alimentação fora do domicílio subiu 0,48%, ante alta de 0,24% em janeiro.

Já os preços de Transportes subiram 0,15% em fevereiro, após queda de 1,13% em janeiro. O grupo deu uma contribuição positiva de 0,03 ponto porcentual para o IPCA-15, que subiu 0,78% no mês.

Os preços de combustíveis tiveram alta de 0,77% em fevereiro, após recuo de 0,63% no mês anterior. A gasolina subiu 0,84%, após ter registrado queda de 0,43% em janeiro, enquanto o etanol avançou 0,32% nesta leitura, após queda de 2,23% na última.

*Com Agência Estado

Quer saber como organizar suas finanças? Acesse o curso gratuito e online do Hub Educação da B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias