Notícias

Juros nos EUA vão subir acima do esperado, diz presidente do Federal Reserve

Em audiência no Senado, Jerome Powell, afirmou que banco central americano está preparado para acelerar as taxas e vê pico mais alto nos juros

Brasão do Sistema de Reserva Federal dos EUA
Símbolo do Federal Reserve System na Sala de Imprensa do FED, nos EUA. Fonte: Adobe Stock.

Por Redação B3 Bora Investir

O presidente do Federal Reserve (Fed), Jerome Powell, afirmou que o banco central americano deve elevar as taxas de juros a um nível mais alto e potencialmente mais rápido que o previsto anteriormente diante de uma inflação persistente. A declaração aconteceu nesta terça-feira, 07/03, durante uma audiência no Comitê Bancário no Senado dos Estados Unidos.

A fala de Powell abre espaço para uma elevação da taxa básica de juros em 0,5 ponto percentual já na próxima reunião do BC americano. O martelo só será batido, no entanto, se os próximos relatórios sobre emprego e preços ainda persistirem em alta. Os dados do Payroll – relatório do índice de emprego nos EUA – será divulgado na próxima sexta-feira, 10/03.

“Os dados econômicos mais recentes chegaram mais fortes do que o esperado, o que sugere que o nível final das taxas de juros provavelmente será mais alto do que o previsto anteriormente. (…) Se a totalidade dos dados indicasse que um aperto mais rápido é justificado, estaríamos preparados para aumentar o ritmo das altas de juros”.

Jerome Powell afirmou também que as decisões sobre o aumento de juros serão tomadas reunião a reunião – e que devem chegar a taxa final maior que os 5% a 5,5% sinalizados em dezembro. Ele disse ainda que, apesar da inflação ter começado a cair – de um patamar de 7% em junho para 5,4% em janeiro – ela continua elevada e há poucos sinais de desaceleração – principalmente nos serviços.

“Restaurar a estabilidade de preços provavelmente irá requerer que mantenhamos a política monetária em território restritivo por mais tempo. (…) Embora a inflação tenha moderado nos últimos meses, o processo de reduzi-la para 2% tem um longo caminho a percorrer e provavelmente será acidentado”, completou o presidente do Fed.            

Importante lembrar que a declaração de Powell acontece após o Fed desacelerar o ritmo de alta dos juros americanos no mês passado. O BC americano elevou os juros em 0,25 ponto percentual – para o intervalo entre 4,50% e 4,75%. O movimento menor veio após um aumento de 0,5 p.p. em dezembro e quatro aumentos 0,75 p.p. antes disso. Há um ano, o banco central americano trava uma balhada contra a inflação.

Incertezas e dívida americana

O presidente do BC americano também ressaltou que persiste o elevado grau de incertezas diante da guerra da Ucrânia e problemas nas cadeias de abastecimento globais.

Em um outro momento do discurso, Jerome Powell pediu aos parlamentares dos Estados Unidos que subam o teto da dívida nacional para evitar as consequências como a paralisação da máquina pública.

“Não elevar o teto da dívida pode causar prejuízos econômicos de longa duração”, alertou.

Impacto no mercado brasileiro

O avanço dos juros na maior economia do planeta impacta nos investimentos e no câmbio brasileiro. Ao subir os juros nos Estados Unidos, os ativos do Brasil ficam menos atraentes para os investidores estrangeiros – já que fica mais seguro e rentável aplicar em papéis do Tesouro americano. Com menos entrada de dinheiro no país, a moeda americana se aprecia frente ao real.

O dólar mais forte encarece o preço de produtos importados, commodities e itens de alta tecnologia. A apreciação do câmbio, impacta a inflação brasileira já que os insumos importados pela indústria ficam mais caros.

O efeito mais sentido no dia a dia do brasileiro com a alta da moeda americana é o preço dos combustíveis – já que petróleo é atrelado ao valor no mercado internacional. Assim, gasolina e diesel mais caros também puxam a inflação para cima, o custo do frete no transporte que chega na ponta aos alimentos, por exemplo.

Quer entender o que é macroeconomia e como ela afeta seu bolso? Acesse o curso gratuito Introdução à Macroeconomia, no Hub de Educação da B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias