Mercado

Balanços corporativos: confira os altos e baixos da semana

Melhor resultado dos bancos, apesar da alta da inadimplência, contrasta com um cenário desafiador que as empresas precisam lidar

Linhas de gráfico numa tela de computador
A Bolsa de Valores divide suas ações em setores baseados na atuação das empresas na economia real. Foto: Adobe Stock

A semana termina com altos e baixos nos resultados dos setores financeiros, varejo e construção civil. Apesar de atuarem em nichos diferentes, os balanços trazem o consenso de que o cenário macroeconômico do país e do mundo é desafiador.

Para os bancos, se por um lado a inadimplência pressionou os resultados, pelo outro o aumento das concessões de crédito esbarrou em linhas mais arriscadas. Já o setor financeiro foi impactado pelo cenário internacional adverso e pela alta dos juros que pressionou os ganhos.

No varejo, o resultado reflete o ambiente econômico. Apesar da desaceleração da inflação e do desemprego, o endividamento das famílias barra um consumo mais forte. Para as incorporadoras os insumos da construção ficaram mais baratos, mas o futuro é incerto.

Desempenho dos bancos

Os quatro grandes bancos de capital aberto – Itaú UnibancoBradescoBanco do Brasil (BB) e Santander – tiveram juntos lucro de R$ 24,784 bilhões no terceiro trimestre – alta de 7,6% em relação ao período do ano passado. A carteira de crédito cresceu 14,5%, para R$ 3,525 trilhões – mostrando que o aumento da taxa básica de juros não desacelerou as concessões como era esperado.

No entanto, as taxas de concessão de crédito mais elevadas e a inflação ainda em patamares altos puxam para cima a inadimplência. Assim, as provisões para devedores duvidosos (PDD) – que é a reserva de capital que empresas fazem para lidar com casos de inadimplência – avançou 60,5%, para R$ 26 bilhões.

Itaú Unibanco, que divulgou seus resultados ontem (10), teve lucro líquido recorde no terceiro trimestre: R$ R$ 8,079 bilhões – alta de 19,2% em 12 meses. O banco conseguiu conter a inadimplência nos números totais das linhas de crédito. Ainda assim, a falta de pagamento no segmento de pessoas físicas chegou a 4,7%, ante 4,4% no trimestre anterior e 3,6% em um ano.

“O aumento ocorreu devido à maior inadimplência no segmento de pessoas físicas no Brasil, principalmente nas carteiras de cartão de crédito, crédito pessoal e financiamento de veículos. Além disso, também houve elevação do indicador de micro, pequenas e médias empresas, que segue em patamar historicamente baixo. O índice de grandes empresas ficou estável, no menor patamar da série histórica”, apontou o banco no seu comunicado.

+ Inadimplência: saiba o que fazer para sair da lista dos nomes sujos

Investimentos em equilíbrio

B3 registrou lucro líquido recorrente de R$ 1,153 bilhão entre julho e setembro – queda de 10,7% em relação com o terceiro trimestre do ano passado. A receita líquida ficou em R$ 2,510 bilhões – estável na comparação anual.

Segundo o comunicado, o cenário mundial teve diferentes impactos nos negócios da B3. “As pressões inflacionárias no mundo e as correspondentes respostas das autoridades monetárias, a guerra na Ucrânia e preocupações sobre o desempenho econômico chinês continuaram trazendo incertezas para os mercados financeiros globais”. No cenário brasileiro, além da escalada dos juros, a B3 destaca também “a volatilidade que o período eleitoral adiciona aos mercados financeiros e de capitais”.

Para o sócio e Head de Renda Variável da Monte Bravo, Bruno Madruga, apesar do lucro líquido menor que há um ano, a B3 apresenta um resultado sólido, suportado principalmente por uma maior receita de serviços de mercado, de balcão e de tecnologia”.

“Esses dois fatores compensaram uma menor receita do segmento listado, devido à redução do volume médio diário na nossa bolsa nos últimos trimestres. A gente tem uma expectativa de um volume de negócios sendo recuperado nos próximos trimestres, com a possibilidade de entrada maior de capital estrangeiro na bolsa, compensando a saída – principalmente de pessoas físicas para ativos de renda fixa, em virtude da elevação dos juros”.

Desafio das varejistas

Magazine Luiza teve prejuízo líquido de R$ 166,7 milhões no terceiro trimestre. A varejista reverteu o lucro de R$ 143,5 milhões reportado em 2021. Por outro lado, as receitas líquidas somaram R$ 8,8 bilhões entre julho e setembro – avanço de 2,2% na comparação anual. As vendas totais cresceram 2,2% e atingiram R$ 14,2 bilhões – reflexo do aumento das vendas nas lojas físicas e e-commerce. No entanto, o custo da operação aumentou, com o avanço de 5,1% nas despesas operacionais ajustadas na comparação com um ano atrás.

Via, antiga Via Varejo, também registrou prejuízo, mas ele foi menor que na comparação com o mesmo trimestre do ano passado. As perdas somaram R$ 203 milhões – queda de 68,2% nessa base de comparação. A receita líquida caiu 4,6% em relação ao mesmo intervalo de 2021, para R$ 7 bilhões.

No informe de resultados, a companhia afirmou que “o terceiro trimestre foi mais desafiador do que prevíamos, mas terminou melhor do que se desenhava. O ambiente de vendas se mostrou positivo nas lojas físicas, mas com demanda pressionada nos canais digitais”. Mesmo se mostrando otimista, a companhia chamou atenção para o endividamento das famílias.

Para Bruno Madruga, os resultados negativos das varejistas refletem ainda um ambiente de inflação elevada e queda do desemprego ainda incipiente. “Com a inflação persistente, impactando os itens básicos de primeira necessidade das famílias, faz com que as compras de supérfluos fiquem em segundo plano e com isso o resultado das empresas veio bem aquém”.

No entanto, o sócio e Head de Renda Variável da Monte Bravo observa um cenário de melhora que virá da Black Friday e das compras de fim de ano. “Vai pegar um resultado de Black Friday, que está sendo antecipada pelas lojas, e tem o Natal. Ou seja, a expectativa de resultado do quarto trimestre é melhor”.

+ 15 melhores empresas pagadoras de dividendos no Brasil no último ano

Construtoras e Incorporadoras

As incorporadoras de médio e alto padrão apresentaram melhora nos seus balanços do terceiro trimestre na comparação com o anterior. A Cyrela viu seu lucro líquido avançar 91,4% sobre o segundo trimestre, para R$ 289 milhões. É também um aumento de 21,5% sobre o mesmo período do ano passado. Já a Eztec teve lucro líquido de R$ 105,4 milhões entre julho e setembro – alta de 26,8% ante o trimestre anterior – mas uma queda forte de 27,4% na comparação anual.

Para o diretor financeiro da Cyrela, Miguel Mickelberg, o trimestre trouxe arrefecimento da inflação de insumos da construção. Segundo ele, apesar do mercado continuar “desafiador”, não foi preciso oferecer descontos ou reajustar para baixo o preço das unidades para ajudar nas vendas.

“O setor de construção e incorporação depende basicamente de uma taxa de juro mais baixa e a perspectiva de que a Selic possa permanecer em 13,75% por um prazo mais longo traz esse cenário desafiador, já que o acesso ao crédito fica mais dificultoso”, explica Bruno Madruga, sócio e Head de Renda Variável da Monte Bravo.

Na semana passada, a Petrobras anunciou um lucro líquido de R$ 46,09 bilhões no terceiro trimestre deste ano. Apesar da alta no resultado, o mercado ainda segue aguardando a decisão do novo governo sobre o nome que vai comandar a companhia.

Quer aprender como investir em cenários de inflação alta? Esse vídeo pode te ajudar:

Precisa colocar as contas em dia antes de começar a pensar em investimentos? Acesse o curso gratuito Como organizar suas finanças para aprender como fazer isso.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias