Mercado

China: casos de Covid-19 voltam a subir e governo aumenta estímulos a economia

Casos voltam a bater recorde. Banco central chinês reduziu a quantidade de dinheiro que instituições financeiras devem manter em reserva para incentivar o crédito

Conteiner com cores da china
O regime de tolerância zero contra a Covid foi adotado desde o início da pandemia pelo presidente da China, Xi Jinping. Foto: Adobe Stock

Por Redação B3 Bora Investir

China voltou a enfrentar nesta semana uma escalada nos casos de Covid-19 no país. As infecções diárias ultrapassaram 30 mil pela primeira vez na semana. As autoridades do país asiático lutam para conter surtos cada vez mais crescentes, o que faz avançar as restrições nas cidades mais importantes do país.

Os chineses registraram ontem, 24/11, 31.987 novos casos – acima do recorde de 29.754 na quarta-feira, segundo a agência Bloomberg.

A capital, Pequim, viu as infecções diárias ultrapassarem 1.800; Guangzhou, no Sul, registrou mais de 7.500, enquanto os casos na metrópole de Chongqing ultrapassaram os 6.000.

Os moradores de Pequim – com 21 milhões de habitantes – voltaram a estocar alimentos e tem sobrecarregado os aplicativos de entrega, após os moradores de Chaoyang, seu maior distrito, serem instruídos a não sair de casa. As escolas de várias partes da cidade foram fechadas e os alunos voltaram a ter aulas online. O governo decretou novos bloqueios em partes da capital chinesa e ordenou a construção mais rápida de centros de quarentena e hospitais de campanha contra a covid-19.

O economista e professor da FAC-SP, Denis Medina, acredita que diante do aumento dos casos, um possível relaxamento na política chinesa de ‘tolerância zero’ não deve acontecer este ano. O que vai impactar o crescimento do país e de parceiros comerciais importantes como o Brasil.

“Duas coisas podem acontecer: ou eles [governo] efetivamente conseguem reduzir os casos – com uma vacinação em massa – ou vai chegar um momento em que a China será obrigada a relaxar um pouco essa política. O inverno vai começar, o que deixa mais crítica essa questão. Em relação aos parceiros comerciais, metade das maiores cidades que têm negócios com o Brasil, estão passando por essa política. Então, certamente impacta o comércio porque somos grandes fornecedores deles. Isso vai mexer também com a economia mundial, já que China deve crescer menos”, explica.

Novas medidas de estímulo

O banco central da China reduziu pela segunda vez este ano a quantidade de dinheiro que os bancos devem manter em reserva. A medida aumenta o apoio do governo a uma economia abalada pela covid e pela desaceleração do setor imobiliário – que representa um terço da produção econômica do país.

Banco Popular da China (BPC) reduziu a taxa de compulsório para a maioria dos bancos em 0,25 ponto percentual. O ajuste, que entra em vigor em 5 de dezembro, deve injetar 500 bilhões de yuans (US$ 70 bilhões) de liquidez na economia. Em agosto, o BC chinês cortou as principais taxas de juros pela segunda vez no ano.

“O corte visa manter a liquidez razoavelmente ampla e aumentar o suporte à economia real” disse o BPC em comunicado.

Para economista e professor da FAC-SP, a decisão vai reduzir os custos de financiamento para bancos comerciais e incentivar a concessão de crédito.

“A gente pode esperar uma melhora no crédito porque vai deixar mais dinheiro disponível nos bancos. Isso pode afetar consumo interno na China com os produtos ligados a consumo tendo um crescimento. A gente observa também que alguns produtos mais sofisticados acabam tendo a sua oferta prejudicada”, explica Denis Medina.

Confusão na fábrica da Apple

A sede da maior fábrica de iPhones da Apple, na cidade de Zhengzhou, ficará fechada por cinco dias a partir desta sexta-feira, 25/11. A ordem veio após centenas de trabalhadores entraram em confronto com a polícia por conta das fortes restrições que já duram quase um mês.

Para saber ainda mais sobre economia, não deixe de visitar o Hub de Educação da B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.