Mercado

Entenda como o Japão caiu de 3ª para 4ª maior economia do mundo

O país asiático ainda mantém uma vantagem competitiva e pode, em alguns anos, voltar a ultrapassar a Alemanha

Japão caiu no ranking de maior economia do mundo. Foto: Viajanet
Japão caiu no ranking de maior economia do mundo. Foto: Viajanet

Com o anúncio do PIB nominal do Japão de 2023, um detalhe importante levantou questionamentos: por qual motivo o Japão caiu no ranking de maior economia do mundo? Na lista mais recente do Fundo Monetário Internacional (FMI), o país asiático perdeu a 3ª colocação para a Alemanha. Segundo o FMI, o ranking leva em conta o Produto Interno Bruto (PIB) nominal, ou seja, sem ajuste pela inflação. Com isso, os alemães despontam com um PIB nominal de US$ 4,43 trilhões, enquanto o Japão registrou US$ 4,23 trilhões.

Mas a nação japonesa – famosa por ser uma potência industrial e de exportação — agora busca um novo espaço para se destacar no mercado internacional.

  • 1. Estados Unidos – US$ 26,95 trilhões
  • 2. China – US$ 17,7 trilhões
  • 3. Alemanha – US$ 4,43 trilhões
  • 4. Japão – US$ 4,23 trilhões
  • 5. Índia – US$ 3,73 trilhões
  • 6. Reino Unido – US$ 3,33 trilhões
  • 7. França – US$ 3,05 trilhões
  • 8. Itália – US$ 2,19 trilhões
  • 9. Brasil – US$ 2,13 trilhões
  • 10. Canadá – US$ 2,12 trilhões

Fonte: Fundo Monetário Internacional

Inflação e juros

No ano passado, o Japão teve uma inflação de 3,1%, uma das mais elevadas na série histórica do país desde 1982, de acordo com o Banco do Japão (BoJ, na sigla em inglês). Com isso, nesta terça-feira (19), o BoJ aumentou a taxa básica de juros, tirando do negativo de -0,1% para a faixa entre 0% e 0,1%. Segundo o relatório econômico da gestora Neo, o Japão foi o último país no mundo a abandonar a taxa básica de juros negativa.

“Há, porém, ainda um longo caminho para que o BoJ consiga declarar que a inflação está acima da meta de 2% de forma sustentada”, aponta o relatório. Há anos o país vive o risco de deflação e baixo crescimento da economia. E mesmo que as taxas tenham se mantido mais elevadas nos últimos anos, grande parte da inflação do pós-pandemia pode ser explicada por “choques em preços de alimentação e de energia, que não costumam perdurar”, diz a gestora.

Apesar do recente movimento de juros do BoJ, o Japão ainda é um dos países com as menores taxas do mundo, lembra Gilberto Cardoso, CEO da Tarraco Commodities e membro do Fórum Brasil Export. “Eles irão subir os juros para controlar a inflação no Japão. Mesmo que suba para 0,2% ou 0,25%, ainda é pouco em relação aos juros de outros países desenvolvidos, como EUA. O iene vai ter um pouco de valorização, tenta equilibrar a importação em termos de insumos e controla a inflação”, afirmou.

O relatório “Japão: Declaração Conclusiva da Equipe da Missão do Artigo IV de 2024”, do Fundo Monetário Internacional (FMI), alerta que mesmo com a retomada pós-covid, ainda é preciso avançar com reformas estruturais para que a economia cresça de forma sustentada no médio prazo.

“Um menor crescimento potencial, refletindo o envelhecimento e o declínio da população em idade ativa, aumentará os níveis de dívida a longo prazo. A análise do risco soberano e da sustentabilidade da dívida concluiu que as necessidades brutas de financiamento são elevadas, mas os riscos de prorrogação são atenuados pela grande base de investidores nacionais e pelo perfil da dívida, sendo o risco global de sobreendividamento avaliado como moderado”, afirma trecho do relatório.

O FMI destaca que o BoJ tem sido cauteloso por causa do histórico de deflação no Japão, além de apontar alguns sinais contraditórios, como os riscos para a inflação com o fortalecimento dos salários nominais e a retração do consumo no mercado interno. Parte disso vem dos recentes ajustes políticos do BoJ que permitiram que nos últimos 10 anos o rendimento fosse mais flexível e impulsionado pelas forças de mercado, o que, segundo o FMI, ajudou a conter a expansão excessiva das compras de títulos do governo japonês e a apoiar a rentabilidade das instituições financeiras.

Consumo interno

O consumo das famílias caiu 0,2% no último trimestre, e o investimento não residencial de empresas privadas, 0,1%, segundo dados da Associated Press. Houve um aumento de 2,6% nas exportações e de 1,7% nas importações.

“Várias empresas japonesas estão focando em uma segunda onda de investimentos de materiais críticos, como descarbonização e chips de tecnologia. Pode ser uma virada de mesa nos próximos meses”, disse Cardoso.

Os efeitos da política de restrição durante a pandemia de covid-19 em 2020, 2021 e parte de 2022 ainda são sentidos na economia japonesa. Porém, nos últimos 24 meses a renda interna voltou a ganhar fôlego, com apreciação de salário e aumento do investimento em bolsa de valores.

Vantagem competitiva

Apesar de perder espaço para a Alemanha, o Japão pode ultrapassar os alemães se continuar com a mesma política econômica, mas intensificar a atração de investimentos para se elevar ao mercado internacional mais uma vez. “A grande diferença é uma vantagem competitiva. A Alemanha perdeu a vantagem energética por causa da guerra da Rússia contra a Ucrânia. O Japão continua dependendo de importação, mas ele busca de novo se colocar no mercado internacional como indutor de investimento para garantir essa cadeia de suprimentos, como chips e descarbonização. Vai buscar novas oportunidades para crescer o PIB. Eu acredito que daqui a dois anos ele se recupera, se nada mudar na política econômica.”

Concessão de crédito

Outro destaque vai para o sistema financeiro japonês que, de acordo com o FMI, conseguiu resistir a uma série de choques provocados, sobretudo, pela pandemia de Covid-19, o que foi auxiliado por fortes reservas de capital e liquidez, além de um amplo apoio político na época. Com isso, a concessão de crédito ao setor privado se manteve constante desde a pandemia.

O relatório ainda aponta três principais fontes de vulnerabilidades no sistema financeiro japonês: as detenções consideráveis ​​por instituições financeiras de títulos sob marcação a mercado, as notáveis ​​exposições cambiais de alguns bancos e sinais de sobreaquecimento em parte do mercado imobiliário.

Os bancos e seguradoras japoneses são, no seu conjunto, capazes de resistir a um cenário adverso com baixo crescimento global e inflação elevada, mas algumas instituições podem ser vulneráveis, de acordo com o FMI. “A análise do risco climático, embora incerta, sugere que os bancos têm exposições importantes ​​a setores intensivos em emissões, mas a nível do sistema podem ser resilientes a uma transição para emissões líquidas zero até 2050”.

Quer saber como fazer uma análise de investimentos? Acesse o curso gratuito e online do Hub de Educação da B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias