Mercado

Ibovespa fecha em alta e dólar recua com exterior no radar; na semana ficam praticamente estáveis

Os mercados acionários melhoraram após relatos da imprensa de que Washington está próximo de chegar a um acordo sobre o teto da dívida

Ibovespa perdeu a força da manhã depois do meio dia e passou a oscilar entre os campos negativo e positivo ao longo desta sexta-feira (26) após os dados de inflação ao consumidor nos Estados Unidos (PCE) e dos relatos de avanço na negociação entre governo e Congresso para elevação no teto da dívida americana.

Por volta das 17h, o principal índice da bolsa brasileira fechou em alta de 0,77%, aos 110.905 pontos, enquanto o dólar fechou com perdas de 0,94%, para R$ 4,9881.

Na comparação semanal, o Ibov avançou 0,15% enquanto do dólar perdeu 0,16%.

Entre as commodities, o petróleo Brent – referência de preços para a Petrobras – fechou em alta de 1,17% em Londres, negociado a US$ 76,98 o barril. De madrugada o minério de ferro fechou em queda de 1,1% na bolsa de Dalian, na China, negociado a 675 yuans (US$ 95,40) a tonelada.

Inflação ao consumidor nos EUA avança e pressão sobre os juros continua

PCE

O índice de preços de gastos com consumo (PCE, na sigla em inglês) é a medida de inflação preferida pelo Federal Reserve  (Fed, o banco central norte-americano).

Sendo assim, o PCE dos EUA avançou 0,4% em abril ante março, informou o Departamento do Comércio do país. Na comparação anual, a alta foi de 4,4%, acelerando em relação ao aumento anual de 4,2% no mês anterior.

Já o núcleo do PCE, que exclui itens voláteis como alimentos e energia, teve crescimento de 0,4% no mês passado ante o anterior, acima da projeção de 0,3% de analistas ouvidos pelo The Wall Street Journal.

O crescimento anual foi de 4,7% no mesmo período, acelerando em relação ao crescimento anual de 4,6% em abril e acima da projeção, também de 4,6%.

BofA corta inflação em 2023

A leitura do IPCA-5 de maio e a melhora das medidas de núcleo levaram o Bank of America a revisar sua projeção para a inflação 2023 de 6,0% para 5,5%.

Em relatório assinado por David Beker e Natasha Perez, o banco nota que o corte dos preços de combustíveis da Petrobras ainda vai influenciar as leituras do mês fechado de maio e de junho.

INCC – Inflação da Construção

O Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) acelerou a 0,40% em maio, ante alta de 0,23% em abril, segundo a Fundação Getulio Vargas (FGV).

A taxa acumulada em 12 meses do indicador passou de 7,48% para 6,32%. A aceleração do INCC-M foi puxada pelo componente Mão de obra, que foi a 0,75%, ante 0,23% em abril.

Por outro lado, houve arrefecimento em Materiais, Equipamentos e Serviços (0,23% para 0,06%). Neste grupo, o item Materiais e Equipamentos teve deflação de 0,06%, após alta de 0,14% na leitura anterior, puxado por materiais para instalação (1,74% para -0,23%).

Já a variação de Serviços passou de 0,65% para 0,64% em maio, com destaque para refeição pronta no local de trabalho (1,47% para 0,49%).

Para saber ainda mais sobre investimentos educação financeira, não deixe de visitar o Hub de Educação da B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.