Mercado

Ibovespa fecha em queda de 1,3% e volta aos 117 mil pontos; dólar termina o dia a R$ 4,79

Dados do varejo, Desenrola Brasil e balanços de bancos dos EUA estão no radar dos investidores

Ibovespa
O Ibovespa é o principal índice de ações da B3, a Bolsa de Valores do Brasil

Por Redação B3 Bora Investir

A bolsa brasileira terminou o pregão em baixa, acompanhada pelas bolsas americanas e alta volatilidade no dólar. O Ibovespa, principal índice da B3, fechou a sexta-feira em queda de 1,3%, no patamar de 117.710, enquanto a moeda americana registrou alta de 0,10%, cotada a R$ 4,7950. A bolsa aumentou perdas ao longo do dia, enquanto o dólar avançou diante da mínima de R$ 4,77

O Ibovespa encerrou a semana com desvalorização de 0,79%. As baixas no pregão desta sexta-feira fizeram o índice voltar ao vermelho em julho, com queda de 0,32%. Mesmo assim, no ano, o principal indicador da bolsa sobe mais de 7%.

O que é volatilidade? Entenda com o Bora!

Melhores e piores ações da bolsa nesta sexta-feira (14)

No Ibovespa de hoje, investidores repercutiram dados do comércio varejista que vieram abaixo do esperado. Vendas no varejo caíram 1% em junho, enquanto o mercado financeiro esperava uma queda, mas de 0,2%

Isso refletiu nas ações de C&A (CEAB3), que tive o pior desempenho da bolsa de valores nesta sexta-feira (14). Os papéis ordinários da varejista de moda caíram 12,05%.

Por outro lado, quem melhor se saiu no pregão foi Méliuz (CASH3), com alta 13,26%. A recomendação de compra pelo BTG, por enxergar uma valorização potencial de 153%, foi o que impulsionou os papéis da empresa de e-commerce.

A lista contempla todas as ações da B3  com movimentação de mais de R$ 1 milhão no dia e foi atualizada às 17h30, podendo haver alterações.

Melhores ações da bolsa

  • Méliuz (CASH3): 13,26%
  • Iochpe Maxiom (MYPK3): 6,05%
  • BR Properties (BRPR3): 1,61%
  • Fras-Le (FRAS3): 0,84%
  • MarcoPolo (POMO4): 0,59%

Piores ações da bolsa

  • C&A Modas (CEAB3): -12,05%
  • CBA (CBAV3): -9,51%
  • Recrusul (RCSL3): -8,14%
  • Dasa (DASA3): -7,30%
  • Ser Educacional (SEER3): -7,22%

Bolsas nos Estados Unidos

As bolsas nos Estados Unidos não encontraram um consenso e responderam de forma mista aos balanços do setor bancário e aos dados de confiança do consumidor que dobram a aposta do Federal Reserve  (banco central dos EUA) a subir os juros na próxima reunião do Fomc, comitê de política monetária do banco.

A queda ficou na conta do S&P 500, que recuou 0,1% a 4.505 pontos, e da Nasdaq, com desvalorização de 0,18%, encerrando o dia em 14.113 pontos. Já o Dow Jones subiu 0,33%, estacionando aos 34.509 pontos. No acumulado da semana, as bolsas de Nova York encerraram em alta superior a 2%.

Bolsas da Europa

Os mercados acionários europeus fecharam a maioria em queda, pressionados pela fraqueza de petroleiras – na esteira da queda do preço do barril de petróleo. No entanto, os principais índices europeus fecharam a semana em alta – desde sexta, o CAC 40, de Paris, se valorizou em 3,7%.

Em Londres, o FTSE 100, caiu 0,08% a 7.434,57 pontos, enquanto o índice DAX, em Frankfurt, fechou em queda de 0,22%, a 16.105,07 pontos. O CAC 40, em Paris, avançou 0,06%, a 7.374,54 pontos, e o FTSE MIB, em Milão, fechou em queda de 0,39%, a 28.663,30 pontos. Já em Madri, o índice Ibex 35 caiu 0,31%, a 9.449,10 pontos. Na Bolsa de Lisboa, o PSI 20 recuou 0,49%, a 5.987,17 pontos. As cotações são preliminares.

Como fazer análises de investimentos? Aprenda neste curso gratuito oferecido pela B3

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.