Mercado

Ibovespa B3: veja curiosidades sobre o índice que completa 55 anos

Saiba quais foram as maiores altas e baixas da história do Ibovespa, o principal índice da Bolsa de Valores

Fotografia de um pregão da Bolsa de Valores, durante os anos 60, à esquerda. à direita, o mesmo processo, mas digitalizado.
O Ibovespa B3 segue acompanhando as mudanças do mercado Foto/montagem: B3 Bora Investir

Por Guilherme Naldis

Mesmo quem não investe sabe quem ele é. Todos os dias, o Ibovespa B3 sobe, desce e gera notícias. O índice é o principal termômetro do mercado de capitais do Brasil e funciona como um grande indicador da economia nacional. Neste ano, completa 55 anos de história com uma carteira composta por 86 ativos, cujo valor de mercado atinge R$ 3,3 trilhões.

Criado em 1967 para ser calculado, pela primeira vez, em 1968, o índice nunca parou de ser computado. Na época de sua elaboração, havia algo de inovador no cálculo: técnica e credibilidade.

Com o passar dos anos, o regime político do Brasil se alterou. Presidentes entraram e saíram. Empresas prosperaram e outras faliram. O mercado financeiro se expandiu, e o Ibovespa B3 refletiu tudo aquilo que fez preço na política, na economia e no ambiente de negócios do Brasil.

O vídeo a seguir traz a história e o funcionamento do principal índice de mercado do país:

Afinal, o que é o Ibovespa B3?

Conhecido pelo ticker IBOV, o índice é composto por uma carteira teórica que reúne as ações das empresas de capital aberto mais líquidas e negociadas da B3.

Para entrar nele, é preciso cumprir uma série de exigências e demonstrar uma performance representativa durante os pregões. Os papéis das companhias que atenderem aos requisitos ganham uma espécie de selo de qualidade e passam a compor um dos maiores índices de ações do mundo.

“É por isso que os principais eventos econômicos, políticos e setoriais se refletem no índice, fazendo com que ele seja parâmetro de rentabilidade para investidores não só no Brasil como no mundo todo”, afirma Henio Scheidt, gerente de Índices da B3.

Hoje, o índice é negociado também fora do Brasil. Entre as opções de produtos no exterior estão os contratos futuros de Ibovespa negociados nos Estados Unidos e o ETF (fundo de investimentos listados em bolsa que replicam o desempenho de um índice de referência) negociado no Japão.

O que é a Bolsa de Valores? Saiba tudo sobre o assunto

Como o Ibovespa é calculado?

Walter Cestari, de 85 anos, foi um dos formuladores do índice. Ex-diretor da bolsa e professor aposentado de Mercado de Capitais, ele explica que existem três fatores centrais para uma ação ser captada, ou não, pelo Ibovespa. Eles são:

  • Negociabilidade: o número de negócios que uma empresa teve durante quatro meses em relação ao número total de negócios de todas as ações de bolsa
  • Volume: o volume da empresa, em reais, em relação ao volume do restante das ações (também em reais)
  • Presença em pregão: a frequência com que determinada ação atende aos outros dois critérios

A média dos dois primeiros fatores demonstra a liquidez de uma ativo. A conta faz média entre a negociabilidade e o volume de negociações. Depois, o valor é ponderado pela presença da ação no pregão. 

Os principais índices das bolsas de valores do mundo

Cestaria explica que “não basta que haja muitos negócios pequeninos. Precisam haver muitos negócios volumosos”. E prossegue: “Não basta que os negócios sejam muitos, volumosos, mas de vez em quando. Eles precisam ser sempre”.

O veterano do mercado conta que o cálculo do Ibovespa B3 se baseou nas contas feitas para calcular o IBV, o índice da antiga Bolsa de Valores do Rio de Janeiro. O indicador antigo considerava as ações com maior negociabilidade e um comitê de avaliadores indicava quais entrariam, ou não, para a contagem. O modelo do IBV era parecido com o adotado em outras bolsas do mundo, como o Dow Jones e o S&P 500, da Bolsa de Nova York, nos EUA.

A diferença, entretanto, é que o Ibovespa B3 é mais matemático. Em vez de eleger ações baseadas na escolha de um grupo de pessoas, o índice se baseia em uma conta. Quem passar por ela, está dentro. Senão, está fora. “Por isso o cálculo do Ibovespa é considerado técnico e consolidado: porque ele reflete o verdadeiro propósito da Bolsa – gerar liquidez no mercado”, diz Cestari. 

Como o Ibovespa B3 surgiu?

No final de 1964, meses após a implantação do regime militar no Brasil, o presidente marechal Castelo Branco sancionou a lei nº 4.595. A medida tinha por objetivo criar “Política e as Instituições Monetárias, Bancárias e Creditícias”. Através da lei, alguns órgãos foram extintos e outros foram criados. Parte deles mudou de atribuição e o sistema financeiro do país foi, drasticamente, transformado.

“A Bolsa é centenária, mas o mercado financeiro, como o conhecemos hoje, passou a existir após 1964, com a reforma bancária feita durante a ditadura”, afirma Cestari. “Até então, os corretores da Bolsa eram nomeados pelos governos estaduais. Depois da reforma de 1964, foram criadas as corretoras de valores, privadas, e seus donos precisavam adquirir títulos patrimoniais da bolsa”, conta.

Da China ao Brasil: quais são as principais bolsas de valores do mundo?

Com a mudança no sistema financeiro, a bolsa de valores, que na época se chamava Bovespa, passou a assumir maior centralidade nas negociações de ativos financeiros do país. A fim de estimular a atuação da Bolsa e seu propósito de gerar riqueza, o Governo Federal criou, em 1967, o decreto-lei n° 157. Era um incentivo fiscal que descontava 10% no Imposto de Renda dos contribuintes que investissem em ações. 

As pessoas entraram na Bolsa aos montes, mesmo que não soubessem, ao certo, o que isso significava. Foi durante a expansão sintética da Bovespa que a necessidade de acompanhar o mercado ficou mais evidente. E, em 1967, o Ibovespa B3 passou a ser elaborado por diretores da bolsa. No ano seguinte, passou a ser computado.

“Ninguém sabia o que eram ações, mas todo mundo começou a comprar. O mercado disparou pelos anos seguintes, até que a bolsa estourou em 1971”, recorda Cestari. O Ibovespa, entretanto, perdurou.

O que o índice Ibovespa B3 considera?

O Ibovespa B3 teve sua metodologia atualizada para acompanhar a evolução do mercado. Além do cálculo do índice, outros fatores passaram a fazer parte dos critérios de seleção para as empresas. 

A grande mudança, que incluiu uma exigência nova, aconteceu em 2013. Naquele ano, foi determinado que o papel da companhia em questão não poderia ser uma penny stock, nome dado às ações que valem menos de R$ 1.

O que é a Bolsa de Valores? Saiba tudo sobre o assunto

Também é necessário que a empresa não esteja em recuperação judicial para integrar a carteira. Se, por acaso, ela entrar no processo de RJ, a B3 a excluirá do Ibovespa B3. 

Para manter o índice atualizado e refletindo, de fato, a situação do mercado nacional, a B3 atualiza sua carteira periodicamente. A cada quatro meses, as ações da carteira do Ibovespa B3 são reavaliadas conforme os critérios do índice. E aí, pode ser que novas empresas entrem. Ou, caso o papel tenha deixado de cumprir os critérios estabelecidos na metodologia, ele pode ser excluído da composição.

Quem é quem no mercado financeiro? Veja as principais nomenclaturas

Este processo acontece desde a criação do Ibovespa B3. A cada quatro meses, novas ações entram e saem do índice, refletindo o dinamismo do mercado. Não há registros oficiais da primeira carteira, que vigorou de janeiro a abril de 1968. A composição mais antiga é a segunda – que foi de maio a setembro daquele ano.

Ainda assim, Cestari diz lembrar dos papéis que estavam na listagem na época da primeira edição da carteira oficial do Ibovespa B3. Veja:

Registro, em papel e lápis, da primeira carteira teórica do Ibovespa, vigente entre janeiro e abril de 1968, segundo memória de Walter Cestari
Aços Villares, Alpargatas, Antartica, Banespa, Banco Itaú, Mappin, Cimento Itaú, Docas de Santos, Duratex, Indústria Villares, Lojas Americanas, Fábrica de Brinquedos Estela, Melhoramentos Papéis de São Paulo, Santista, Cia. Paulista de Força e Luz, Souza Cruz e Vale do Rio Doce compunham a carteira teórica do Ibovespa B3, segundo um de seus fundadores

Como funciona a pontuação do Ibovespa B3?

Hoje, a carteira do Ibovespa B3 conta com 86 ativos e é uma das maiores da série histórica. O recorde foi na década de 80, quando 139 ações estavam listadas. Naquela época, os critérios de elegibilidade eram diferentes dos atuais, daí a diferença de tamanho.

Quando o Ibovespa B3 surgiu, atribuiu-se a ele o número 100. Os pontos cresceram tanto nos últimos 55 anos, motivados pela valorização das companhias, as trocas de moedas e a inflação, que a B3 optou por reduzir a pontuação em 11 ocasiões.

As “divisões” aconteceram nas situações abaixo, quando o índice estava atingindo um valor que dificultaria sua distribuição e replicabilidade dos produtos financeiros.

AdequaçãoData
Divisão por 10003/10/1983
Divisão por 1002/12/1985
Divisão por 1029/08/1988
Divisão por 1014/04/1989
Divisão por 1012/01/1990
Divisão por 1028/05/1991
Divisão por 1021/01/1992
Divisão por 1026/01/1993
Divisão por 1027/08/1993
Divisão por 1010/02/1994
Divisão por 1003/03/1997

A metodologia do índice foi aperfeiçoada em 2014 para acompanhar a evolução do mercado. Foram alteradas, entre outras, regras de ponderação, negociação, limite de participação por empresa e exclusão de ativos em caso de suspensão da negociação ou valor abaixo de R$ 1.

Ibovespa B3: maiores altas e baixas

Entre janeiro de 1968 e janeiro de 2023, o Ibovespa B3 apresentou 252 meses com variação mensal negativa e 408 meses com variação mensal positiva.

O recorde, em pontos, do índice foi em 07/06 de 2021 – quando o Ibovespa B3 bateu 130.776 pontos. Mas, se olhamos o Ibovespa B3 ajustado pelo IPCA, a máxima diária foi no dia 20/05 de 2008, quando atingiu 175.388 pontos.

A maior queda da história do índice, de 22,20%, aconteceu em 21/03 de 1990, quando o Plano Collor foi anunciado. Naquela época, o Brasil convivia com uma inflação galopante. A proposta do então presidente, Fernando Collor, pareceu insuficiente para contornar o problema, aos olhos do mercado.

Open Banking: o que é, como funciona e vantagens para o investidor

Cerca de um ano depois, outro plano para combater a inflação faria a Bolsa atingir mais um recorde. Dessa vez, foi a maior alta diária, de mais de 36%. Foi o início do Plano Collor 2, em quatro de fevereiro de 1991. O novo projeto, que além de propor um freio ao aumento dos preços, parecia mais “viável” para os agentes econômicos e também iniciou a abertura da bolsa aos investidores estrangeiros. A tentativa foi frustrada, mas a reação do mercado ficou registrada na história da bolsa até hoje.

Estes anos foram, também, os períodos de maior queda e alta do Ibovespa B3, respectivamente. Em 1990, o índice acumulou queda de 74,11%. Já em 1991, o indicador registrou ganhos de 316,38%.

O que é e como funciona o Circuit Breaker?

O Circuit Breaker foi acionado pela primeira vez em 1997. Ele foi criado para proteger o mercado e acalmar os investidores em momentos de crise ou grande instabilidade no cenário local e mundial, que levam a quedas bruscas na bolsa.

O procedimento interrompe a negociação das ações por 30 minutos sempre que o Ibovespa B3 atinge queda de 10% em relação ao fechamento do dia anterior. Após reabertas as negociações, uma nova oscilação negativa de 15%, também em relação ao dia anterior, interrompe as negociações por mais uma hora. Se voltar a cair até 20%, as negociações podem ser interrompidas por período estabelecido pela B3.

Desde que foi implementado, o Circuit Breaker já foi acionado 23 vezes, sendo 19 paradas de 30 minutos e 4 paradas de 1 hora. O terceiro estágio nunca foi acionado.

Como investir no Ibovespa B3?

Por ser uma cesta representativa das ações mais negociadas, muitos produtos financeiros têm como objetivo simular a carteira do Ibovespa B3 para que o resultado do investidor espelhe a variação do índice.

É o caso de oito ETFs (Exchange-Traded Funds), também conhecidos como fundos de índice. Além deles, existem 1.400 fundos de investimento também ligados ao Ibovespa B3. Outros produtos atrelados ao índice são contratos futuros e opções.

Cada ETF possui um ticker, que é a sigla que acompanha o nome do ativo. Os fundos que replicam o Ibovespa são:

CódigoNomeGestora
BBOV11BB ETF Ibovespa fundo de índiceBanco do Brasil DTVM
BOVA11 IShares Ibovespa fundo de de índiceBlackRock
BOVB11 ETF Bradesco Ibovespa fundo de índiceBradesco Asset Management
BOVV11 IT Now Ibovespa fundo de índiceItaú Asset Management
BOVX11Trend ETF Ibovespa fundo de índiceXP Asset
IBOB11BTG Pactual B3 Ibovespa fundo de ÍndiceBTG Pactual Asset Management
SAET11Safra Ibovespa fundo de índiceSafra Asset Management
XBOV11Caixa ETF Ibovespa fundo de índiceCaixa Econômica Federal

Se você quiser aprender sobre como começar a investir, este curso gratuito sobre o tema pode te ajudar: Aprenda a investir em ações!

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias