Mercado

Ibovespa sobe 0,62% com alta de Petrobras e petroleiras; dólar cai a R$ 4,96

Ibovespa surfa alta das petroleiras com destaque para Petrobras; dólar tem leve queda e vai a R$ 4,96

Painel da B3 mostra cotações das ações e gráfico da tendência do dia
O Ibovespa encerrou em alta de 0,15% aos 109.129 pontos

A bolsa de valores operou em alta por todo o pregão, ganhando fôlego na reta final do dia. As petroleiras deram suporte à alta do Ibovespa hoje, com valorização das ações da Petrobras (PETR3;PETR4) e Prio (PRIO3) principalmente. Assim, o índice registrou avanço de 0,62% nesta quinta-feira (15), aos 127.804,13 pontos.

O dólar, por outro lado, teve uma queda discreta contra o real. A moeda norte-americana sentiu efeito do recuo dos Treasuries no exterior, que caíram diante de dados mistos da economia norte-americana. O mercado está mais otimista com cortes de juros na Europa, principalmente com a economia da Inglaterra em recessão.

Confira destaques da bolsa de valores e do Ibovespa hoje. Na quarta-feira, o índice fechou em queda de 0,79%.

Ibovespa

O Ibovespa hoje surfou alta graças ao avanço das ações das petroleiras, tanto da estatal Petrobras como das privadas. As ações ordinárias da Petrobras (PETR3) subiram 2,67%, enquanto o ativo preferencial (PETR4) teve ganho de 2,83%.

As petroleiras operaram no campo positivo, diz Helder Wakabayashi, analista da Toro Investimentos, porque o preço da commodity no exterior subiu. “Vimos o barril Brent revertendo a queda do início de pregão em valorização nesta quinta-feira. Isso, portanto, levou as petroleiras a contribuírem com mais ou menos 500 pontos positivos para o Ibovespa”, comenta.

Do lado das petroleiras privadas, a Prio (PRIO3) subiu 4,68%. Já a PetroReconcavo (RECV3) teve alta de 4,33% e a 3R Petroleum (RRRP3) registrou avanço de 2,65%.

A Vale (VALE3) recuou após previsões do Itaú BBA de que a empresa pode aumentar o valor de provisões a vítimas do desastre de Mariana (MG).

Dólar acompanha bolsa de valores

A moeda norte-americana fechou em queda, após um início de pregão instável, à espera de dados dos Estados Unidos. O dólar hoje recuou 0,07%, cotado a R$ 4,9686.

No cenário global, o dólar perdeu força principalmente contra o euro, à medida em que o mercado aumentou o otimismo com bolsas da Europa. A expectativa de cortes de juros na zona do euro subiu com dados vindos da economia do Reino Unido que apontam para recessão.

Assim, o índice DXY, que mede a força do dólar contra uma cesta de moedas de economias desenvolvidas, cedeu 0,42%, cotado a 104,08 pontos.

Maiores altas

Considerando todos os índices da B3, a ação com maior valorização nesta quinta-feira (15) foi a da Enauta, petroleira que aproveitou a alta do Brent para subir 7,74% na bolsa de valores.

Confira a seguir as cinco ações que mais se apreciaram. A lista tem como critério incluir apenas papéis cujo volume total de transações correspondeu a R$ 1 milhão ou mais durante o pregão:

  1. Enauta ON (ENAT3): +7,74%
  2. Log-In ON (LOGN3): +7,55%
  3. PDG ON (PDGR3): +6,06%
  4. Usiminas ON (USIM3): +5,99%
  5. Usiminas PNA (USIM5): +5,56%

Maiores quedas

A Recrusul ON (RCSL3) registrou a maior baixa da bolsa de valores, com queda de 13,99% na B3. Além disso, a ação preferencial da companhia (RCSL4) registrou forte queda, de -9,09%, nesta quinta.

Veja as ações com maiores quedas na bolsa. O ranking segue o mesmo critério da lista de ações em alta.

  1. Recrusul ON (RCSL3): -13,99%
  2. Recrusul PN (RCSL4): -9,09%
  3. Americanas ON (AMER3): -5,00%
  4. Grupo SBF ON (SBFG3): -4,28%
  5. Gafisa ON (GFSA3): -3,31%

As cotações foram obtidas às 19h.

Bolsas de Nova York

As Bolsas de Nova York fecharam em alta hoje, com o Nasdaq mostrando ímpeto mais moderado após as gigantes de tecnologia recuarem.

Entre as que enfrentam maior pressão, a Alphabet cedeu com traders repercutindo a notícia de que a OpenAI está desenvolvendo uma ferramenta de pesquisa para disputar espaço com o Google.

Por outro lado, a SoundHound AI saltou mais de 60% com revelação de que recebeu investimentos da Nvidia. Os bancos tiveram alta generalizada. O Wells Fargo ficou em destaque após o fim de restrições para a instituição.

O índice Dow Jones subiu 0,91%, aos 38.773,12 pontos. O S&P 500 ganhou 0,58%, aos 5.029,73 pontos, um novo recorde de fechamento. O Nasdaq teve um desempenho represado e computou alta de 0,30%, aos 15.906,17 pontos.

Bolsas da Europa

As bolsas europeias fecharam em alta nesta quinta-feira com balanços em foco.

O mercado londrino resistiu no campo positivo, mesmo após o dado que mostrou que a economia britânica entrou em recessão técnica no fim do ano passado.

Em Londres, o FTSE-100 subiu 0,38%, aos 7.597,53 pontos. O Produto Interno Bruto (PIB) do Reino Unido encolheu 0,3% no quarto trimestre de 2023 ante os três meses anteriores.

Entre as empresas que reportaram resultados, o banco alemão Commerzbank subiu com lucro acima das expectativas. A Airbus recuou com o desempenho misto no quarto trimestre desencadeando uma realização da valorização acumulada desde o início deste ano.

No continente, em Paris, o CAC-40 encerrou o pregão em alta de 0,86%, aos 7.743,42 pontos, enquanto o DAX, de Frankfurt, avançou 0,60%, aos 17.046,69 pontos. Já o FTSE MIB, de Milão, ganhou 1,17%, aos 31.694,44 pontos, ajudado pelo salto da Stellantis (+6,48%).

O Ibex-35, de Madri, subiu 0,05%, aos 9.921,10 pontos. E o PSI 20, de Lisboa, terminou o pregão com variação positiva de 0,44%, aos 6.127,10 pontos.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias